Bem-vindos

Esta página pretende dar a conhecer algumas reflexões pessoais acerca do mundo que nos rodeia, referências de leituras, citações, pensamentos, imagens...

O melhor de tudo

Verdade, Amor, Razão, Merecimento

19-01-2010 23:05
  Verdade, Amor, Razão, Merecimento Qualquer alma farão segura e forte; Porém, Fortuna, Caso, Tempo e Sorte Têm do confuso mundo o regimento.   Efeitos mil revolve o pensamento, E não sabe a que causa se reporte; Mas sabe que o que é mais que vida e morte Que não o alcança humano...

"A MENSAGEM"

TEMPOS DIFÍCEIS VÊM POR AÍ

15-09-2012 12:13
"Não seja ingénuo. Tempos difíceis vêm por aí. À medida que o fim se aproxima, os homens vão se tornando egocêntricos, loucos por dinheiro, fanfarrões, arrogantes, profanos, sem respeito para com os pais, cruéis, grosseiros, interesseiros sem escrúpulos, irredutíveis, caluniadores, sem...

A graça de Deus é a marca distintiva, singular, única e exclusiva do evangelho que Jesus nos veio trazer - esta é a boa notícia, que Deus nos ama e nós não temos como escapar desse amor, a não ser no inferno.


 

 

PEDRA DE TROPEÇO  
“E as Escrituras dizem também noutra parte: Ele é uma pedra de tropeço, e uma rocha que os fará cair. Eles tropeçam porque não dão ouvidos à palavra de Deus, nem lhe obedecem, e assim terão o fim para que foram destinados.” (1 Pedro 2:8, OL)
É numa primeira abordagem estranho que alguém tropece em Jesus Cristo, que se escandalize Nele, que O considere desprezível. Mas escrituras proféticas advertiram para o risco de alguns considerarem a Sua pessoa, a Sua vida, o Seu ensino, a Sua morte, a Sua ressurreição e promessa de segunda vinda como pedra de tropeço. O próprio declarou: “Feliz é aquele que não se escandaliza em mim.” (Mateus 11:6, OL). Jesus que veio como a ponte para Deus e para a eternidade tratado e considerado como pedra de tropeço. Em vez de caminhar Nele para uma vida plena, vida eterna, tropeçarem em Jesus.
Na verdade, Jesus nunca foi nem nunca será consensual, Jesus sempre suscitou polémica, e até raiva e ódio. Já há dois mil anos tal aconteceu, o que explica em parte a Sua crucificação. Uma parte significativa dos religiosos, do Sinédrio, dos fariseus, saduceus e escribas não gostavam de Jesus. Logo no Seu nascimento Herodes ficou alarmado com o que os magos lhe perguntaram, acerca do nascimento do Rei dos judeus! Ao longo da história tal tem acontecido, e os dias de hoje não são exceção. Cristo que deveria a todos nos unir à Sua volta para acolhermos a Sua salvação e a nova vida que nos apresentou, é recusado, rejeitado, afrontado, ou então ignorado. Uma vez mais estamos na quadra natalícia! Jesus nasceu! Como olhamos para Ele e como lidamos com a Sua pessoa, vida e ensino? 
 
O Seu nascimento virginal. Os Evangelhos relatam a gravidez de Maria como resultado da ação do Espírito Santo. Um esclarecimento que Maria recebeu da parte de o anjo Gabriel que a visitou. Apesar da sua surpresa ela declarou-se disponível para o que Deus lhe comunicara. O mesmo veio a acontecer com o seu noivo José, que estava disposto a sair de cena para que Maria não sofresse dano.
A reivindicação da Sua identidade. Jesus foi muito claro acerca de Quem era. E isso causou mossa, uma reação muito violenta por parte dos líderes religioso e da estrutura do poder romano. A própria multidão manipulada e acicatada pelos seus líderes religiosos chegou ao ponto de pedir a Sua crucificação, que fosse condenado a favor de um criminoso. Tudo isto depois de todo o bem que Jesus fizera a muitos deles e aos seus amigos, conhecidos, vizinhos e familiares. Jesus apresentou-Se como divino. “Quem me vê a mim vê o Pai”. “Eu e o Pai somos um.”
A aceitação da adoração sem qualquer incómodo, mas como perfeitamente legítimo. Várias foram as vezes que Jesus foi adorado. Isso causou indignação! Só Deus podia ser adorado! Só que Jesus é Deus entre nós! 
 
O perdão concedido a homens e mulheres como prorrogativa que só Deus pode declarar. Ninguém pode perdoar pecados senão Deus! Certíssimo! Mas Jesus era e é divino! 
 
Os multifacetados milagres que acompanharam toda a Sua existência terrena. Havia quem ousasse afirmar que Jesus expulsava os poderes do mal pelo poder do mal. Hoje algumas pessoas argumentam que se trata de mitos ou fábulas, de um romance! Se Deus nos visita como Homem é de se esperar que faça o que mais ninguém é capaz de fazer. Os nossos impossíveis são possíveis para Ele! 
 
A exclusividade da Sua pessoa como único acesso ao Pai. Não há outra forma de chegarmos a Deus do que através de Deus que se fez Homem. Não será isto absolutamente lógico? Só Aquele que “veio de Deus” nos pode levar a Deus, porque Ele mesmo é Deus! 
 
A Sua morte expiatória. A Sua ressurreição. A Sua promessa de segunda vinda. Jesus veio do Céu abrindo-nos o acesso ao Céu por toda a eternidade. O preço foi pago na condição humana para que não tenhamos dúvida do que esse ato absoluto de amor representa. O justo morreu pelos injustos. O perdão foi-nos alcançado para que vivamos perdoados e perdoando. Diante da cruz e do sepulcro vazio está a certeza absoluta de que fomos reconciliados e recebemos a filiação divina! Um dia destes Jesus vai voltar. O Seu reino de justiça e de paz será instaurado e viveremos em novos céus e nova terra! 
 
Esperamos sinceramente que este não seja o seu caso. Que não veja em Jesus um impedimento da sua realização espiritual, mas, pelo contrário Aquele que o leva para junto do Pai, para receber a vida eterna, ser feito Filho de Deus, nascer de novo, ser uma nova criação – uma nova pessoa, de viver numa nova condição, de ter uma viva esperança de estar com Deus para todo o sempre. 
 
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

NENHUMA CONDENAÇÃO 
“Portanto agora nenhuma condenação há para os que pertencem a Cristo Jesus.” (Romanos 8:1 – OL).

 A confissão da culpa não é natural. É muito mais frequente depararmo-nos com desculpas. Não tenho culpa! A culpa é da sociedade, da cultura, do meio ambiente, da escola, da família, dos genes. A listagem das desculpas é infindável na capacidade da imaginação do ser humano. Como tal é difícil encontrar alguém a apresentar um pedido de desculpas, quando esse gesto tão simples colocaria um ponto final em tantas desavenças, mágoas, represálias e vinganças.
 Dizer que todos somos culpados deixará porventura o leitor perplexo.
 
 Há já bastante tempo que li uma história muito interessante passada com o brilhante pensador inglês Chesterton: “Quando o jornal London Times solicitou a diversos escritores que mandassem ensaios sobre o assunto ‘O que há de errado com o mundo?’, Chesterton respondeu mandando a carta mais curta e directa de todas:
 
Prezados Senhores
Eu.
Atenciosamente
G. K. Chesterton
(Alma Sobrevivente; Philip Yancey, Mundo Cristão, pp. 61)
 
Por isso não é de estranhar que a morte de Jesus na cruz cause tanto impacto quer entre os religiosos como entre os assumidamente não religiosos. Toda a Bíblia se concentra no modo como Deus resolve a questão do pecado como ofensa à Sua natureza e um atentado contra a vida na sua inteireza, sem possibilidade de retorno por parte do ser humano. O homem condenou-se à morte mesmo tendo sido avisado com a devida antecedência pelo seu Criador.

Todos nós nascemos na condição de condenados à morte, mas agora em Cristo Jesus com a possibilidade de retornarmos à vida de acordo com a natureza divina. Esta morte que diz respeito a todo nosso ser, fez de nós uma sombra do que fomos criados para ser. Não foi para “isto” que fomos criados, permita-se-nos esta forma de expressão. Há muita coisa na vida que nos choca e da qual não gostamos, mas também há muita coisa de que gostamos e faz-nos muito mal. Como mortos nem sequer temos conhecimento e consciência do que nos destrói. Em Cristo Jesus temos uma imagem do que como homens fomos criados para ser. Há Nele uma nova identidade para nós.
 
A Bíblia é muito clara dizendo que Jesus veio para morrer por nós e em nossos lugar, morrer a nossa morte, e triunfar decididamente sobre ela porque Nele não há pecado. A morte não tinha qualquer poder sobre Ele. A morte foi vencida pelo Criador que se fez homem para nos libertar dessa condenação. Por isso Paulo que conhecia bem a História da Lei dada a Moisés e que estava convencido como religioso judeu que os ritos religiosos da sua religião e o cumprimento da Lei dar-lhe-iam a vida eterna. Na sua sincera busca espiritual foi encontrado por Jesus Cristo e por Ele compreendeu como isso era impossível ao homem, e como Jesus já havia realizado. Esse é o milagre do amor, da graça, da misericórdia, da justiça e da santidade (perfeição) divinas.
 
“Portanto agora nenhuma condenação há para os que pertencem a Cristo Jesus. Porquanto o poder do Espírito doador de vida, por meio de Cristo Jesus, me libertou da lei do pecado e da morte. Na verdade, como a Lei mosaica nada podia fazer devido à fraqueza da nossa natureza, Deus, mandando o seu próprio Filho com um corpo semelhante ao dum ser humano pecador, destruiu o poder que o pecado tem sobre as nossas vidas. Assim a retidão da Lei de Deus manifesta-se em nós que nos deixamos conduzir pelo Espírito Santo e não nos colocamos em sujeição à velha natureza.” (Romanos 8:1-4 – OL). 
 
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

“NA VELHICE AINDA DARÃO FRUTOS” 
 Todas as etapas da vida têm a sua beleza, o seu encanto, os seus desafios, sonhos, dores, sucessos e fracassos! Para cada uma delas a Bíblia, como a Palavra do Criador, que nos trouxe à existência e nos conhece por dentro e por fora, dá-nos a sabedoria, o entendimento, o discernimento, a perceção para vivermos na plenitude da condição presente, e na antevisão da plenitude na eternidade das moradas que Jesus nos preparou mediante a Sua morte e ressurreição. A presença de Jesus entre nós abriu-nos os novos horizontes do reino de Deus e dos céus, dos quais passamos a fazer parte quando acolhemos a salvação que consumou. Não mais sob o regime da condenação à morte. Os Seus milagres antecipam o que em absoluto terá lugar quando instaurar o Seu reino, ou quando pela morte nos chamar para Si. Os Seus ensinos apresentam-nos os princípios pelos quais se rege o Seu reino e que inscreve nos nossos genes espirituais, pelo novo nascimento. A dádiva da lei serviu para tornar evidente que não conseguimos por nós próprios salvar-nos, atingir a perfeição da santidade, como não podemos por nós próprios passar da morte para a vida. Precisamos de um Salvador porque é de recriação que necessitamos. Depois da salvação é no fruto do Espírito que crescemos. Deixemos para trás a teimosia do pecado e rendamo-nos à graça, ao amor, ao perdão e à reconciliação em e por Jesus! A Sua vida tanto nos mostra Deus como também quem fomos criados para ser. Deus e o homem criado à imagem de Deus estão plasmados em Jesus, Ele é tanto Deus como Homem!

 A Bíblia é muito realista sobre o envelhecimento, colocando a tónica em preparar-nos esses anos na relação com Deus e vivendo segundo a Sua vontade. Dessa forma preparemos os anos vindouros. No livro de Eclesiastes o sábio declara: “Lembra-te do teu Criador na tua mocidade, antes que venham os maus anos em que já não tenhas prazer na vida. Será demasiado tarde, então, quando o Sol, a luz, a Lua e as estrelas escurecerem e já não haja raios de Sol entre as nuvens. Porque há de vir um tempo em que os teus membros tremerão sob o peso dos anos; as tuas pernas enfraquecerão; terás poucos dentes para mastigar; virá a perda de vista. Os teus lábios se fecharão, enquanto comes; acordarás de manhã cedo, quando se ouvirem os primeiros cantos das aves, mas tu próprio será surdo a esses sons. Terás medo das alturas, terás medo de cair; serás um velho de cabelos brancos, arrastando-se a si próprio; faltar-te-ão os apetites. Estarás à porta da morte, abeirando-te da tua eterna morada, enquanto os pranteadores vão percorrendo a cidade.” (12:1-5 – OL). Ou como no livro dos Salmos se pode ler: “A duração da nossa vida é setenta anos; se alguns, pela sua robustez, chegam aos oitenta, o que a vida lhes dá é só cansaço e aborrecimento; o tempo passa tão rápido que temos a sensação de voarmos.” (90:10:10 – OL). Por isso no mesmo salmo se acrescenta como corolário: “Ensina-nos a contar os nossos dias, para que os nossos corações se encham de sabedoria.” (90:12 – OL)
 
 No livro dos Salmos colhemos o título deste editorial: “Quanto aos justos, esses crescerão e se desenvolverão como palmeiras; terão a envergadura dos cedros do Líbano. Porque os que estão plantados na casa do SENHOR viverão nos átrios do nosso Deus. Na velhice ainda darão frutos; serão viçosos e saudáveis. Poderão anunciar a justiça do SENHOR. Ele é a minha rocha! Nele não há injustiça!” (92:12-15 – OL). O realismo bíblico poderá parecer deprimente. Hoje as novas possibilidades da ciência e da tecnologia procuram oferecer-nos qualidade de vida. Mas nada se pode comparar com a constatação que o salmista aqui nos oferece. “Na velhice ainda darão frutos; serão viçosos e saudáveis.” Contradição com os textos anteriormente citados? De modo algum! Na medida em que atendermos à justiça de Deus, sendo declarados justos e vivendo coerentemente nessa posição, continuaremos a dar fruto ao longo da nossa vida, com uma saúde revigorada pela força divina que se aperfeiçoa na nossa fraqueza (2 Coríntios 12:9).
 
 O apóstolo Paulo apresenta-nos a perspetiva da expetativa futura tento do espírito como do corpo: “Sabemos bem que quando o nosso corpo, que é como que uma tenda onde vivemos, se desfizer, teremos no céu uma nova habitação e um corpo eterno, habitação essa preparada por Deus e não por homens. E é por isso que esperamos com ansiedade pelo dia em que seremos revestidos de corpos celestiais. Porque não seremos apenas espírito sem corpo. Com efeito, enquanto vivemos neste corpo terreno sentimo-nos oprimidos e carregados. Até gostaríamos de, sem ter que despir este revestimento atual que é o nosso corpo, passar a viver na nova habitação, de forma que o que é mortal fosse como que absorvido pela vida eterna. Foi Deus quem nos preparou um tal destino, dando-nos como garantia o seu Espírito Santo.” (2 Coríntios 5:1-5 – OL). Aproveitemos da melhor maneira cada etapa da nossa vida, numa relação pessoal com o Deus trino – Pai, Filho e Espírito Santo! 
 
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

MEUS QUERIDOS IRMÃOS, SEJAM FIRMES E CONSTANTES
 
 O trabalho faz parte da nossa vida e segundo a narrativa bíblica não é uma maldição, apesar de ter sido afetado pela desobediência. Quando Deus criou o homem deu-lhe a incumbência de cuidar do jardim. O trabalho faz parte da nossa realização pessoal. O Criador deu-nos a incumbência de sermos Seus colaboradores. Ele podia fazer tudo sozinho, mas o Seu plano passa pelo nosso envolvimento. Ao lado de Deus nós crescemos em confiança, segurança, dependência, relacionamento e intimidade.
 
 O apóstolo Paulo pontua a revelação que recebeu da parte de Deus sobre a ressurreição e a vitória sobre a morte, com um estímulo a que aproveitemos a nossa vida dando-lhe um sentido especial envolvendo-nos no propósito de Deus de fazer novas todas as coisas. A comunicação e a vivência do evangelho fazem parte desse desígnio de transformação. “Assim, meus queridos irmãos, sejam firmes e constantes, trabalhando com entusiasmo na obra do Senhor, pois sabem que nada do que fizerem para Deus será em vão.” (1 Coríntios 15:58 – OL)
 
 O início deste capítulo lembra-nos de que “Cristo morreu pelos nossos pecados, conforme as Escrituras, foi sepultado e três dias depois ressuscitou dos mortos, conforme as Escrituras.” (v. 3,4). Depois apresenta as evidências das testemunhas oculares que viram a Jesus ressuscitado. A ressurreição é a prova por excelência da identidade de Jesus como o Filho de Deus, da certeza absoluta da nova vida que nos alcançou pela Sua morte, e pela certeza absoluta da nossa própria ressurreição quando O recebemos como nosso Salvador e Senhor. Nenhum outro tem este poder de nos garantir a vida eterna. Nenhum outro como Jesus ressuscitou de entre os mortos. Jesus não pode ser confundido com qualquer outro profeta ou líder religioso. Todos os outros morreram e os seus restos mortais estão entre nós. Mas Jesus ressuscitou. Esta é a verdade singular e especial que não pode ser escamoteada. A verdade principal que muda todas as coisas. Não vivemos para a morte, mas para a vida.
 
 Embora tenhamos a consciência que no original não existia esta divisão em capítulos e versículos que é uma ajuda preciosa para localizarmos um determinado tópico, palavra ou pensamento, mas, por outro lado, pode fragmentar e até comprometer o sentido e o fio condutor, levando-nos a esquecer o contexto mais restrito e o mais amplo de cada livro e da Bíblia como um todo; o versículo que fecha este capítulo, encoraja-nos a sermos firmes e constantes, trabalhando com entusiasmo na obra do Senhor, pois sabendo que nada do que fizermos para Deus será em vão. Significa e implica, portanto, que a ressurreição de Jesus que é o garante da nossa própria ressurreição como Seus seguidores, é um sólido fundamento para a nossa perseverança e determinação. Não vacilamos no compromisso de sermos Seus colaboradores. Deus está a realizar uma grande obra. Ele fará novas todas as coisas, a começar por cada ser humano individualmente considerado que ao receber Jesus é tornado filho de Deus, e abrangendo toda a criação. Como noutro texto refere o mesmo escritor bíblico da parte de Deus: “Porque toda a criação espera com ardente esperança esse dia futuro em que Deus dará a conhecer os seus filhos. Nesse dia, tudo aquilo a que o mundo ficou sujeito por causa do pecado desaparecerá. E todo o mundo à nossa volta participará da gloriosa liberdade que os filhos de Deus hão de desfrutar em relação ao pecado.” (Romanos 8:19-21 – OL).
 
 Recomento dois livros ambos escritos por Timothy Keller o primeiro em colaboração com Katherine Leary Alsdorf em que aborda o tema “Como Integrar Fé & Trabalho”, e do mesmo autor em colaboração com Sam Shammas e John Lin, com o título “O Evangelho Na Vida”. Publicados ambos pela Editora Vida Nova, no primeiro aborda “a nossa profissão ao serviço do reino de Deus”, e o segundo “a graça de Deus transforma tudo”. Terminamos com uma citação, do primeiro livro referido: “Seu trabalho diário é, acima de tudo, um ato de culto ao Deus que chamou e equipou você para realizá-lo – não importa que tipo de trabalho ele seja. No encarte de sua obra-prima, A Love supreme, John Coltrane diz com imensa beleza. ‘Este álbum é uma oferta humilde a Deus. Uma tentativa de dizer ‘MUITO OBRIGADO, SENHOR’ por meio do trabalho que realizamos com o coração e os lábios. Que Deus ajude e fortaleça a todos em toda boa obra.’”  (p. 77). 
 
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

TEMPO PARA TUDO
 Esta é a conclusão que se extrai do texto bíblico escrito pelo sábio Salomão no livro de Eclesiastes, logo na abertura do capítulo 3, e a que não resistimos a citar na íntegra na tradução O Livro:

 Existe um tempo próprio para tudo e há uma época para cada coisa debaixo do céu.
 Há um tempo para nascer e um tempo para morrer;
 um tempo para plantar e um tempo para colher o que se semeou;
 um tempo para matar e um tempo para curar as feridas;
 um tempo para destruir e um tempo para reconstruir;
 um tempo para chorar e um tempo para rir;
 um tempo para lamentar e um tempo para dançar de alegria;
 um tempo para espalhar pedras e um tempo para as juntar;
 um tempo para abraçar e um tempo para afastar quem se chega a nós;
 um tempo para andar à procura e um tempo para perder;
 um tempo para armazenar e um tempo para distribuir;
 um tempo para rasgar e um tempo para coser;
 um tempo para estar calado e um tempo para falar;
 um tempo para amar e um tempo para odiar;
 um tempo para a guerra e um tempo para a paz.

 Já houve quem designasse o livro de Eclesiastes como “O livro mais mal-humorado da Bíblia”. Segundo Henrietta C. Mears no livro “Estudo Panorâmico da Bíblia” “Jesus é o princípio de tudo em Provérbios; ele é o fim de tudo em Eclesiastes ‘o summum bonum’ da vida.” Seguindo o pensamento da autora: “Não é preciso sair da Bíblia para encontrar a filosofia meramente humana da vida. Deus nos deu no livro de Eclesiastes o registo de tudo o que o pensamento humano e a religião natural já conseguiram descobrir a respeito do significado e do objetivo da vida. Os argumentos do livro, portanto, não são os argumentos de Deus e sim os registos de Deus dos argumentos do homem.” E mais adiante adiantando a conclusão que o próprio livro sapiencial da Bíblia encerra: “Precisamos conhecer a Deus cedo, se quisermos achar a vida digna de ser vivida.”

 A descrição que a Bíblia nos apresenta da ação criadora de Deus no princípio refere que Ele descansou no último dia, o sétimo. “No sétimo dia, Deus tinha completado a sua obra e nesse sétimo dia Deus descansou de toda a obra que tinha vindo a fazer. Deus abençoou o sétimo dia e declarou que esse dia seria santo, pois foi quando repousou de toda a sua obra da criação.” (Génesis 2:2,3 – O Livro).

 O descanso faz parte da nossa vida e deve ser observado escrupulosamente. Todos os dias são dias para adorarmos, louvarmos e vivermos com Deus em gratidão e dependência. Deus não é alguém de que nos aproximamos ou invocamos apenas quando estamos em dificuldade. Ele sempre está presente para todos em qualquer parte. O nosso privilégio é viver nessa consciência e nessa atitude. Mas o dia do descanso é um momento especial para celebrarmos o amor divino, a Sua provisão, cuidado, suporte e fazê-lo na companhia da família espiritual como um só corpo. Depois da morte e da ressurreição de Jesus o domingo é também um sinal dessa consumação do plano salvador do Deus trino que através de Jesus nos traz de volta à Sua intimidade.

 As férias enquadram-se nesse reconhecimento social de que não fomos criados como máquinas mas como pessoas à imagem e semelhança de Deus. Como cristãos vemos as férias não como férias de Deus mas de férias com Deus.
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

O QUE É A VERDADE?
 Aí está uma pergunta inteligente, pertinente e dirigida à pessoa certa! Infelizmente que protagonizou esta iniciativa não esperou pela resposta que poderia mudar por completo a sua vida, embora exigisse simultaneamente uma mudança radical de rumo!

 A pergunta foi formulada por Pilatos e dirigida à pessoa de Jesus a terminar uma interpelação sobre se Jesus era o rei dos judeus. A conversa é muito interessante porque Jesus usa as perguntas como resposta de Pilatos às suas próprias interrogações:

 “Pilatos voltou para dentro do palácio e mandou que lhe levassem jesus. ‘És o rei dos judeus?’, perguntou-lhe.
 Jesus replicou: ‘Perguntas isso de ti mesmo ou são outros que o querem saber?’
 ´Sou porventura judeu?’, replicou Pilatos. O teu povo e os principais sacerdotes é que te trouxeram aqui. Que fizeste?’
 Então Jesus respondeu: ‘Não sou um rei terreno. Se o fosse, os meus discípulos teriam lutado, quando os judeus me prenderam. Mas o meu reino não é deste mundo.’
 ‘Então és rei?’, perguntou Pilatos.
 Jesus respondeu: ‘Tens razão em dizer que sou rei. De facto, foi para isso que nasci. E vim para trazer a verdade ao mundo. Todos os que amam a verdade escutam a minha voz.’

 ‘O que é a verdade?’, perguntou Pilatos. Tornando a sair ao povo, anunciou: ‘Ele não é culpado de crime algum. Todavia, é vosso costume pedir-me que solte alguém da prisão todos os anos pela Páscoa.’ E perguntou: ‘Então, não querem que vos solte o rei dos judeus?’

 Mas eles, em alta gritaria, responderam: ‘Não! Não soltes este, mas sim Barrabás!’ Barrabás era um salteador.” (João 18:33-40- OL).
 
 Diante de Pilatos estava o único que lhe podia dar a resposta bailava na sua mente e coração, e para a qual nunca tinha obtido uma resposta satisfatória. Jesus foi bem claro e objetivo: “(…) vim para trazer a verdade a mundo. Todos os que amam a verdade escutam a minha voz.” Como Mestre dos mestres, como alguém que conhece o mais íntimo dos corações de todos os homens e mulheres, Jesus desvenda a razão pela qual as pessoas ouvem a Sua voz: “Todos os que amam a verdade escutam a minha voz.”

 Amar a verdade significa desejá-la acima de tudo e de todos, e mantê-la independentemente das reações que se possam levantar contra ela, o que estava precisamente a acontecer com os religiosos em relação a Jesus. Os religiosos e a multidão estavam declaradamente contra a verdade, e o governador romano estava mais preocupado com a sua popularidade, com a acusação que podiam levantar sobre ele perante o imperador. Jesus declarara-se rei e isso era intolerável por parte de um cidadão sobre o domínio de Roma. Mas Jesus não é um rei terreno, não é um rei deste mundo nem á semelhança das autoridades deste mundo.

 Numa outra ocasião narrada por este mesmo evangelho Jesus disse para os Seus discípulos: “Sou eu o caminho. Sim, e a verdade e a vida. Ninguém pode chegar ao Pai sem ser através de mim.” (João 14:6 – OL). Numa outra oportunidade para os que entre a multidão criam Nele: “Serão verdadeiramente meus discípulos se viverem obedecendo aos meus ensinos. E conhecerão a verdade e a verdade vos tornará livres.” (João 8:31,32 – OL).

 Ainda hoje é assim. A verdade em termos espirituais não é um postulado filosófico ou um enunciado religioso. A verdade é a Pessoa que criou os céus e a terra, que participou com o Pai e o Espírito Santo na criação do homem e da mulher, e que tomou a forma humana para nos dar a conhecer Deus e o Seu amor, o nosso estado deplorável porque fomos criados para refletir a glória do Senhor dos céus e da terra e fomos dela destituídos, e pela Sua morte nos trazer de volta à harmonia com o Deus trino. Você ama a verdade? Escute a voz de Jesus!
 
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

Aos vossos filhos e aos vossos descendentes
 O capítulo seis do livro de Deuteronómio é um compêndio didático-pedagógico do ensino-aprendizagem que a todos nos envolve no privilégio de recebermos da parte do Autor da Vida os princípios pelos quais devemos viver.

 O povo de Israel preparava-se para a entrada na terra prometida que mana leite e mel, mas o Libertador que os arrancara com mão poderosa do cativeiro egípcio e os protegera ao longo de todo o caminho pelo deserto, alerta-os para o que a eles incumbe ter em atenção passando esse conhecimento recebido de geração em geração.

 O primeiro princípio está focado na autoridade Daquele que fala e comunica os valores pelos quais eles devem viver, no que é conhecido pela shema: “Ouve, Israel: só o SENHOR e apenas ele é o nosso Deus” (v. 4 – OL).

 O segundo princípio está no facto de que para sabermos precisamos aprender, e para aprender temos de assumir a responsabilidade de sermos educadores. O que ensinamos nesta dimensão superior vem do próprio Deus, mas ainda assim é necessário tomarmos na nossa mão essa incumbência que Ele mesmo nos transmite. “O SENHOR, vosso Deus, disse-me para vos dar todos estes estatutos que devem cumprir na terra onde em breve vão entrar e onde vão passar a viver” (v. 1).

 O terceiro princípio está no fato de que não basta teoria é preciso pôr em prática.

 O quarto princípio está patente na universalidade da prática que todos sem exceção devem atender. Sejam pais sejam filhos, sejam líderes ou sejam liderados, sejam homem ou mulher, sejam anciãos ou meninos. Todos estão abrangidos pela sua vivência. “A finalidade desses preceitos é levar-vos, a vocês, aos vossos filhos e aos vossos descendentes a temer ao SENHOR, vosso Deus, através da obediência às suas instruções todo o tempo que viverem” (v. 2).
 O quinto princípio é que a observância desses princípios de vida terá resultados que estão a eles vinculados. Hoje continuamos a ter a noção que os resultados são um fator importante na motivação da sua observância. “Se obedecerem a estes regulamentos tornar-se-ão numa grande nação nessa terra onde jorra leite e mel, tal como vos prometeu o SENHOR, Deus de vossos pais” (v. 2b).

 O sexto princípio consiste numa perfeita síntese de todos os valores que devem presidir às suas vidas e que reside num relacionamento pessoal que se por um lado suscita o temor do Senhor, por outro lado é respondido com um amor de todo o coração, com toda a mente e com todas as forças. “Ama o SENHOR, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma e com toda a tua força” (v. 5). 

 O sétimo princípio pode causar alguma admiração em relação às teorias da educação modernas e às pós-modernas, embora sem razão de ser, porque o Seu Autor sabe muito bem como nos criou e como é que nós aprendemos. A aprendizagem é contínua e deve estar presente em todos os contextos. O reforço é imprescindível. O recurso a meios áudio visuais deve ser levado em consideração. O diálogo deve acompanhar o desenvolvimento e a consolidação das aprendizagens. “Ensinem-nas aos vossos filhos; falem nelas quando estiverem em casa, fora ou caminhando. Que seja a última coisa que fazem o deitar e a primeira ao levantar no dia seguinte. Que elas vos acompanhem como um sinal que atam a um dedo, como uma marca que esteja inscrita nas vossas testas. Que os vossos lares sejam conhecidos por terem essas leis escritas à entrada” (vs 6-8).

 O texto tem muito mais para analisarmos e observamos mas terminamos com a realidade de que a experiência que suporta a recetividade dos valores e que no caso presente tinham a marca do sobrenatural nas pragas do Egito que antecederam a libertação, na travessia do Mar Vermelho a pé enxuto, no maná como alimento através da travessia do deserto, na água que brotou da rocha, na visão aterradora das manifestações de Deus no monte Sinai, nas tábuas da lei, no julgamento divino perante a idolatria e a incredulidade; tenderia no futuro a perder o seu impacto porque para as novas gerações seriam apenas passado. Manter vivas essas memórias e alimentar uma experiência diária com Deus seria decisivo para lutar contra o esquecimento. A transmissão oral e o relato das maravilhas realizadas pelo SSENHOR seriam a resposta à pergunta das futuras gerações: “Para que servem todas estas leis, mandamentos e preceitos que o SENHOR, nosso Deus, nos deu? (v. 20).

 Hoje em dia a aprendizagem procura pautar-se e desdobrar-se em quatro grandes dimensões que estão aqui bem expressas: Saber, Saber fazer, Saber ser e Saber aprender. Passemos de geração em geração a Palavra de Deus e uma relação pessoal com o Deus trino de quem somos imagem e semelhança.
 
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

No princípio não era assim

 
Deus existe e criou tudo o que existe. A nossa inteligência exige que uma Inteligência Absoluta e Pessoal exista e tenha criado tudo o que existe. Tudo teve um princípio como a ciência advoga, mas do nada, nada pode surgir, e por isso só Deus pode ser o Criador, o que do nada tudo pode criar.

Nesse princípio Deus criou o homem e a mulher à Sua imagem e semelhança, e nessa imagem e semelhança existe uma complementaridade e correspondência entre o homem e a mulher. Ambos iguais em valor diante do Criador. Ambos criados para um relacionamento pessoal com o Deus trino, que desde toda a eternidade existem em amor e santidade. Fomos feitos para esse amor, e para viver entre nós a partir desse amor.

O homem e a mulher transgrediram e quiseram fazer as coisas à sua maneira. Insurgiram-se contra a orientação divina amorosa e perfeitamente razoável. Não foi para a ciência do bem e do mal que Deus nos criou, mas o Seu perfeito amor. Deus já sabia que as coisas seriam assim na Sua omnisciência e ainda assim não desistiu de nos criar. Perante essa tragédia de proporções eternas Ele haveria de na segunda pessoa da Trindade assumir sobre Si todas as consequências do mal, da transgressão, da desobediência, da inimizade e da afronta ao Criador. Jesus veio assumindo a forma humana e na cruz venceu a morte, derrotou definitivamente a maldade, e triunfou sobre todas as suas potestades. Escancarou-nos as portas para uma nova vida em amor, liberdade, santidade, carinho, afeto e bondade.

Em Jesus recebemos a autoridade para poder viver em conformidade com o Sermão da Montanha, as bem-aventuras e o fruto do Espírito.

Vivemos em Portugal uma escalada da violência doméstica com a morte de mais de uma dezena de mulheres desde o início deste ano. É um quadro negro e assustador. Muitas podem ser as causas inventariadas em termos sociológicos e culturais, mas no nosso entender existem fatores de ordem espiritual que devem ser levados a sério.

O temor do Senhor, o respeito devido ao Criador, a consciência de que existe um Ser Supremo perante o qual somos responsáveis e a quem temos de prestar contas, mais do que nos tribunais humanos, é determinante. Não se trata de medo, mas do respeito devido ao Ser que a todos nos criou em pé de igualdade, como pessoas que temos a Sua imagem e semelhança, mesmo que desfigurados pelo pecado como neste caso se pode constatar. (Salmo 111:10)

O poder transformador do sangue que Jesus Cristo derramou na cruz, para nos purificar de todo o pecado quando, arrependidos nos aproximamos Dele, para um processo genuíno de conversão, de mudança do nosso interior. Transformar o coração de um homem é impossível para os recursos humanos, mas o poder de Deus não conhece limites. “O temor do Senhor é o fundamento da sabedoria.” (2 Coríntios 5:17 – O Livro).

A moral e a ética cristã em que ressalta a vida conjugal e em família, a fidelidade matrimonial, o amor sacrificial, o perdão, o respeito mútuo, a dignidade de cada um dos cônjuges e dos filhos como imago dei que é mais do que qualquer declaração de direitos humanos pode estabelecer. (Efésios 5:22-33).

A presença do Espírito Santo na vida dos filhos de Deus em Jesus Cristo é determinante no fruto que gera: “Mas o fruto que o Espírito produz em nós é: o amor, a alegria, a paz, a paciência, a bondade, a delicadeza no trato com os outros, a fidelidade, a brandura, o domínio de si próprio.” (Gálatas 5:22, 23 – O Livro).

A Igreja como família de famílias dá uma contribuição que não pode ser negligenciada. Os relacionamentos, as amizades, os compromissos fraternais, o envolvimento nas dinâmicas que se desenvolvem. A rede de suporte é um fator positivo, porque todos carecemos de pessoas que se interessam por nós e que conhecem a Deus. (Romanos 12:15)

O título é retirado de uma resposta de Jesus aos religiosos do seu tempo sobre a família e sobre a possibilidade de os homens poderem divorciar-se da sua mulher, face à lei mosaica. A resposta é sugestiva e coloca-nos diante do que Jesus veio restaurar, mediante a Sua vida, morte e ressurreição, um novo princípio em sintonia com a harmonia do princípio.
 
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

E se Cristo não ressuscitou…
 Não estamos a citar uma obra cética, ateia ou agnóstica, nem tão pouco um comentário religioso islâmico que nega a morte de Jesus na cruz, e portanto, a Sua ressurreição. A Bíblia poupa os céticos ao trabalho de tentar identificar o “calcanhar de Aquiles” do evangelho e do cristianismo. Sem ressurreição não temos evangelho nem cristianismo. O evangelho permanece de pé ou cai face ao facto histórico da ressurreição de Jesus. É o apóstolo Paulo que assim escreve quando se dirigiu pela primeira à igreja em Corinto na sua primeira carta inspirada pelo Espírito Santo, no grande capítulo da ressurreição: “E se Cristo não ressuscitou então a vossa fé é inútil e vocês ainda estão sob condenação por causa dos vossos pecados.” (v. 17 – OL). O apóstolo continua de forma enfática “E se a nossa esperança em Cristo é unicamente pra esta vida nós somos as pessoas mais miseráveis no mundo.” (v. 19,20 – OL). Para logo mais afirmar taxativamente: “Mas o facto é que Cristo ressuscitou mesmo dentre os mortos e se tornou o primeiro entre os milhões que um dia voltarão a viver!” (v. 20 – OL).

 Vários tentaram a tarefa de provar que Jesus não ressuscitou dos mortos. Um deles está registado no livro Quem Moveu a Pedra?, escrito por Frank Morrison, um periodista inglês que se dispôs a demonstrar que a história da ressurreição de Cristo era um mito. As suas investigações levaram-no à fé no Cristo ressuscitado. O primeiro capítulo tem o título sugestivo “O livro que se negou a deixar-se escrever”. Muitos outros tentaram esta façanha e esbarraram com as evidências que percorrem todo o Novo Testamento. Aliás, não é possível explicar a Igreja sem a realidade da ressurreição.

 A ressurreição, é o principal de todos os sinais da singularidade e exclusividade de Cristo. Todos os grandes vultos da história da humanidade morreram e os seus restos mortais estão aí a comprová-lo. O túmulo de Jesus está vazio!

 Teria sido muito fácil, demasiado fácil, acabar de vez com a igreja nascente e o testemunho intrépido dos discípulos, fazendo desfilar o corpo do Nazareno pelas ruas de Jerusalém. Ninguém o fez porque não o podiam fazer. Os religiosos judeus só não o fizeram porque não era possível fazê-lo. Os romanos também alinhariam nessa prova incontestável para limpar a afronta do selo romano quebrado na sepultura porque um anjo removeu a pedra, transportando-a para cima, com um peso calculado em duas toneladas, segundo a obra Evidência que Exige um Veredito (volume 1), de Josh McDowell, e dos guardas que desertaram com a insinuação religiosa de que os discípulos tinham vindo de noite, e roubado o corpo. Que vexame para a bem preparada escolta militar romana. Ao contrário os discípulos estavam dispostos a sofrer o martírio por causa daquilo que sabiam ser a verdade e que em consciência não podiam negar, isto depois da sua debandada após a crucificação do Mestre. Como alguns apologetas cristãos referem, alguém pode estar disposto a morrer por algo que pensa ser verdadeiro quando é algo, mas ninguém se dispõe a morrer por algo que sabe ser mentira.

 Maomé também tentou passados sete séculos reescrever a história no seu ponto fulcral, negando que Jesus tivesse morrido, e portanto também não teria ressuscitado. Logicamente decidimos pelo testemunho dos discípulos de Jesus, do que por algum depoimento ou revelação depois de tantos séculos.

 Na realidade o mais importante da ressurreição de Jesus é que ela vem acompanhada com milhões de testemunhos de pessoas que foram transformadas pelo mesmo poder que o ressuscitou. Paulo fala disso na sua carta aos Efésios: “E, mais ainda, para se darem conta do ilimitado poder que dispõe a nosso favor, nós os que cremos em resultado da ação dessa força divina que nos transformou. Esse poder grandioso foi também o que ressuscitou a Cristo, levantando-o dentre os mortos e colocando-o à direita de Deus nos domínios celestiais e acima de todo e qualquer chefe e autoridade, acima de todo o poder e governo que possa existir. Deus colocou tudo o que existe no universo sob a autoridade de Cristo, e fez dele a cabeça de todas as coisas, para benefício da igreja, a qual é o seu corpo; é ele que a enche com a sua presença, como também enche todas as coisas em todo o lugar.” (Efésios 1:19-23 – OL).

 A ressurreição é a certeza da nossa esperança, o seu fundamento sólido. “Porque Ele vive posso confiar, porque ele vive não temerei” é a letra de uma música evangélica em torno desta verdade. A Sua ressurreição é a nossa certeza de vida eterna, que começa aqui e permanece para todo o sempre nas moradas que nos foi preparar. O capítulo quinze da primeira carta aos Coríntios termina com este brado de júbilo: “Como estamos gratos a Deus por tudo isso! Foi ele que nos tornou vitoriosos por meio de Jesus Cristo nosso Senhor!” (v. 57 – OL).
 
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

NÃO PEQUES MAIS!...
 Segundo o relato do evangelho de João por duas vezes Jesus se dirigiu a uma pessoa em situações distintas com esta ordem. Num dos casos a um homem que curou junto a um tanque conhecido como Betesda o que significa “casa de misericórdia” (João 5). Ainda hoje este tanque se encontra em Jerusalém. Tratava-se de um homem paralítico há trinta e oito anos e que fazia parte do grupo de doentes que esperava o mover das águas, segundo a tradição, para ser curado. Jesus dirigiu-se entre toda a multidão que ali se encontrava a este homem e perguntou-lhe de uma forma no mínimo estranha: “Queres ser curado?”. A esta pergunta o enfermo respondeu confessando a sua incapacidade e impotência: “Senhor, não tenho ninguém que me ponha no tanque, quando a água é agitada; pois enquanto eu vou, desce outro antes de mim”.

 Sendo paralítico certamente ficava em desvantagem em relação aos restantes, acrescentando-se não ter ninguém que o ajudasse, que o pegasse ao colo, que lhe emprestasse um braço e uma mão amigos. Ainda assim ele se esforçava, ele procurava ultrapassar as suas limitações e alcançar a cura. Depois de todos estes muitos anos eis que aparece alguém que ele não conhece e lhe pergunta se quer ser curado.

 Diante deste quadro de incapacidade Jesus ordena-lhe: “Levanta-te, toma o teu leito e anda”. O relato evangélico continua referindo que “Imediatamente o homem se viu curado e, tomando o leito, pôs-se a andar.” Esta obediência é para aquele tempo muito significativa porque tratava-se de um sábado e, segundo as tradições religiosas, não era permitido carregar a sua esteira. Diante do milagre experimentado, e apesar de não conhecer a pessoa que lhe dera semelhante ordem, ele percebia que tinha necessariamente autoridade para lhe dizer o que dissera, e a única resposta era fazer o que lhe havia sido ordenado.
 Entretanto a misteriosa pessoa que tinha realizado a sua cura desaparecera sem que o homem soubesse quem era, e sem tempo sequer para agradecer. Mas mais tarde Jesus encontrou-o no templo e disse-lhe: “Olha que já estás curado; não peques mais, para que não te suceda coisa pior”. O que é que poderia ser pior do que viver como paralítico e esperar um toque sobrenatural há trinta e oito anos sem qualquer resultado? A única possibilidade é viver eternamente separado de Deus, consequência do pecado na sua vida.

 Jesus veio para proporcionar cura física e bem-estar emocional, para saciar a fome de pão e para lidar com circunstâncias adversas como foi o caso de tempestades que foram acalmadas. Mas mais do que isso tudo Jesus veio para ser a solução para o maior de todos os problemas de cada ser humano: o perdão dos pecados e a possibilidade de viver uma vida libertos da sua tirania e da sua consequência eterna.

 Numa outra ocasião uma mulher foi arrastada por um grupo de religiosos diante de Jesus sob a acusação de ter sido apanhada em adultério (João 8), e tentando forçar Jesus a aplicar a lei mosaica do apedrejamento, fazendo-o de má e quebrando a própria lei que invocavam, porque se esqueceram (!?) do adúltero. Como eles insistissem Jesus lançou-lhes um repto: “Aquele que dentre vós estiver sem pecado, seja o primeiro que lhe atire a pedra”. Diante deste desafio e porque a sua consciência lhes pesava e de algum modo sentiam que não podiam enganar a pessoa de Jesus, “foram-se retirando um por um, a começar pelos mais velhos até aos últimos, ficando só Jesus e a mulher no meio onde estava.” É nessa altura que Jesus levantando os olhos do chão onde escrevia o que o evangelista não nos dá a conhecer, dirige-se à mulher e diz-lhe: “Vai, e não peques mais.”

 Na verdade na dimensão espiritual do nosso relacionamento com Deus e que se repercute em todos os aspetos da vida do homem, a atitude não é apenas prevenir, mas resolver pela raiz o problema buscando de Deus o perdão, e vivendo a partir daí uma nova vida. É que para o pecado não há remendo, mas há uma solução radical em Jesus Cristo que morreu precisamente para remover de nós o pecado e cada um dos pecados, através de um perdão radical. Receba agora o seu milagre! Peça perdão a Deus de tudo o que fez contra a Sua vontade, e receba em Jesus o seu perdão absoluto.
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

DEPOIS DO MUITO BOM
 A compreensão das grandes e das pequenas questões que nos são colocadas como cristãos, tem com elemento fulcral de análise, o que comumente se chama de cosmovisão cristã. Esta estrutura de pensamento bem simples mas que capta a essência do pensamento bíblico, é determinante no modo como refletimos e agimos em relação aos temas chamados de fraturantes, e às situações vulgares e comezinhas do dia-a-dia. A cosmovisão bíblica não apenas nos ajuda a enquadrar e contextualizar o pensamento, mas também a perspetivar as linhas de ação, o modo como vamos gerir os nossos sentimentos, como vamos lidar com as nossas decisões.

 A cosmovisão bíblica é um recurso simples, sintético, claro, de fácil compreensão, abrangente da narrativa bíblica de capa a capa, para utilizar na partilha da fé, e na compreensão de cada parte da Bíblia no seu todo, no modo como lidamos com a vida cristã e os relacionamentos sociais.

 Em primeiro a cosmovisão bíblica começa pela declaração de que Deus é o criador de tudo o que existe, dos céus e da terra, da vida, dos animais e do homem. E toda a criação que Deus fez é por Ele mesmo considerada como boa no que diz respeito aos vários elementos que preparam a habitação do homem como coroa dessa criação. Ao criar o homem e a mulher à sua imagem e semelhança Deus avalia toda a Sua criação declarando: “Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom” (Génesis 1:31). Esse Deus que começa por se revelar pelas Suas obras, pela Sua criação, é um Deus bom, generoso, que prepara todas as condições para que o homem esteja em casa e seja a Sua imagem e semelhança (não é demais registarmos esse fato).

 Em segundo lugar nesta criação perfeita quando criou o homem e a mulher Deus não criou um autómato ou um robot. Deus concedeu ao homem o supremo dom da liberdade o que implicava decidir ao contrário de Deus. Mas ao mesmo tempo como não poderia deixar de ser, isso acarretaria a morte. Tudo é criado conforme a natureza divina. O que contraria essa matriz provocaria a morte. Deus avisou o homem dessa possibilidade. A condição era que o homem e a mulher não comessem de uma árvore muito específica colocada no jardim por Deus que também a criou, a árvore da ciência do bem e do mal. Muitas são as interpretações dadas, a nós apela-nos bastante a ideia de que o homem e a mulher não foram criados para regras e para decisões decididas em função da análise e conjugação delas. O homem e a mulher foram criados para fluir em harmonia segundo a natureza recebida de Deus e em sintonia com Ele, sem qualquer desvio e sem qualquer hesitação. Ao ter comido do fruto pela tentação de um agente que já se tinha rebelado contra o Criador pretendendo usurpar a Sua divindade, o que de todo é um absurdo e loucura. Deus é Deus e não é possível pensar num Deus de Deus. A natureza do homem ficou corrompida, e a partir daí entrámos numa era marcada pela violência, prepotência, discriminação, ofensa, em rebeldia e oposição à essência de amor, justiça e santidade divinas.

 Em terceiro lugar Deus não ficou de braços cruzados, nem entregou o homem a si mesmo e às consequências mortíferas da sua escolha. Deus desde logo foi em busca do homem, confrontou-o com a sua escolha, decretou as consequências da desobediência, mas ao mesmo tempo acendeu a luz da esperança que aconteceria do descendente da mulher, tendo-o dito ao tentador que provocou esta tragédia: “Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.” (Génesis 3:15 – JFA). A história da salvação vai-se desenrolando até ao tempo próprio em que Deus nasce de uma mulher – Maria, e vem como Homem viver entre nós. Nessa existência terrena suscitou a oposição de religiosos e não religiosos, ao ponto de ter sido exigida a sua crucificação em que se mancomunaram os religiosos, políticos e a multidão. Jesus é condenado à cruz, mas essa condenação é ao mesmo tempo uma decisão assumida no seio da trindade – Pai, Filho e Espírito Santo, antes da fundação do mundo. Jesus assume a nossa morte, e vence-a ressuscitando ao terceiro dia. Essa morte coloca-nos diante da reconciliação, justificação, transformação, redenção, resgate, libertação. Em Jesus somos feitos filhos de Deus, uma nova criação. Recebemos uma nova natureza. A partir dela somos destinados a viver uma nova vida pela graça divina, em obediência e pela influência do Espírito que gera em nós o fruto próprio da natureza divina. Essa nova vida implica um conflito permanente entre a velha e a nova natureza, o que a Bíblia chama de carne e de Espírito (Gálatas 5:17). Isso significa que como cristãos não andamos segundo o que podemos ou não sentir, segundo a opinião dominante e a cultura, mas de acordo com o que Deus nos diz. Algumas vezes isso provoca tensões e sofrimento, que é lidado numa relação pessoal de intimidade com Deus, na dependência do Espírito, na interiorização da revelação escrita e com companheiros de corrida num processo de discipulado. A própria Bíblia nos orienta nesse sentido ensinando-nos a levar as cargas uns dos outros (Gálatas 6:2).

 Em quarto e último lugar aguardamos com expetativa a segunda vinda de Jesus e uma nova era com novos céus e nova terra em que habita a justiça (2 Pedro 3:13). Segundo a Bíblia as coisas nem sempre foram assim, e um dia serão radicalmente diferentes, entretanto vivemos entre o já e o ainda não. Sejamos compreensivos, compassivos, misericordiosos, em aceitação incondicional, na afirmação da verdade em amor, e sabendo a nosso respeito e dos nossos irmãos do caminho que “aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao dia de Cristo Jesus” (Filipenses 1:6 – JFA).
 
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

“ESQUECENDO-ME DAS COISAS QUE PARA TRÁS FICAM…”
 Depois do encontro com Jesus na estrada de Damasco a vida de Paulo mudou radicalmente. Tudo o que aconteceu para trás ficou enterrado na morte de Jesus. Uma nova realidade desabrochou. Uma nova vida. Uma outra esperança. Outra atitude, outros princípios e valores. O líder religioso violento, intolerante, que consentiu na morte de Estêvão o primeiro mártir da igreja, e que na sua sanha contra a igreja nascente “respirando ainda ameaças e morte contra os discípulos do Senhor, dirigiu-se ao sumo-sacerdote e lhe pediu cartas para as sinagogas de Damasco, a fim de que, caso achasse alguns que eram do Caminho, assim homens como mulheres, os levasse presos a Jerusalém” (segundo a descrição do livro de Atos no capítulo 9, versículos 1,2 – JFA).

 Ananias que foi enviado por Deus ao encontro de Saulo que ficara cego depois da luz intensa que o atingiu, argumentou à ordem divina: “Senhor, de muitos tenho ouvido a respeito desse homem, quantos males tem feito aos teus santos em Jerusalém; e para aqui trouxe autorização dos principais sacerdotes para prender a todos os que invocam o teu nome.” (Atos 9:13,14 – JFA). Quando inesperadamente Paulo começa a pregar nas sinagogas, a Jesus, afirmando que este é o Filho de Deus, todos os que o ouviam estavam atónitos, e diziam: Não é este o que exterminava em Jerusalém aos que invocavam o nome de Jesus, e para aqui veio precisamente com o fim de os levar amarrados aos principais sacerdotes.” (Atos 9:20,21 – JFA).

 A conversão de Saulo é um milagre que nem os mais fervorosos discípulos alguma vez esperavam. Tanto quanto se sabe ninguém tomava a iniciativa de ir ao encontro de Saulo para lhe falar da fé, e levá-lo à conversão – o resultado todos nós percebemos qual seria. Por isso o próprio Jesus o confronta: “Saulo, Saulo, por que me persegues?” (Atos 9:4 – JFA). Acreditamos que devido ao ensino geral da Bíblia, os próprios seguidores de Jesus, perseguidos e martirizados, oravam a favor da conversão de Saulo, mas embora sabendo que Deus faz o que ninguém pode fazer, era algo que não se esperavam viesse a acontecer.
 A mudança de vida de Saulo mostra-nos como Deus pode fazer o que nós não acreditamos que possa acontecer. E não falamos isto em relação à vida dos outros no que somos a maior parte das vezes muito ligeiros. Consideramos muito rapidamente que este ou aquele precisam mudar de vida, alterar determinados hábitos, ter outras posturas e valores. A questão é pessoal. Somos nós que temos de mudar. Podemos não ser perseguidores. Podemos até ser muito tolerantes, pluralistas e relativistas em termos religiosos e éticos. Mas a questão em termos de evangelho é outra. Antes de tudo o mais trata-se da nossa reação pessoal a Jesus Cristo, e da nossa necessidade intrínseca de um Salvador e Senhor.

 Acredito que alguns que lêm este apontamento não consideram a urgência de salvação. Não se consideram perdidos, para que sejam encontrados. Não se consideram em perigo, para que sejam resgatados. Não se consideram prisioneiros, para que sejam libertos. Julgam até que isso é paranoia de alguns segmentos extremistas cristãos.

 A situação muda completamente de figura quando nos deparamos com a pessoa de Jesus, com a Sua vida, os Seus ensinos, a Sua identidade, a Sua mensagem, a Sua morte e a Sua ressurreição. Jesus abriu-nos os horizontes para a dimensão da eternidade. Afirmou de si mesmo que já existia antes do homem, que tinha um relacionamento de proximidade absoluta com o Pai e com o Espírito Santo. A Sua vida é acompanhada do sobrenatural. Todos nós estamos amputados dessa vida, dessa realidade, dessa dimensão que só pode ser alcançada mediante Aquele que é a origem e fonte dessa vida. Com Jesus alcançamos uma qualidade de vida que não podemos ter de qualquer outro modo. Face à pessoa de Jesus temos de nos converter da nossa vida pequena e estreita, dos nossos pecados, e sermos mudados por dentro. Não se trata apenas de vivermos de outra forma, mas de sermos pessoas diferentes para vivermos de forma diferente. Isso é o Evangelho.

 Assim sendo o apóstolo Paulo dirige-se à Igreja em Filipos e escreve-lhes dizendo: “esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prémio da soberana vocação de Deus.” (Filipenses 3:13,14 – JFA).

 No início de um novo ano nada melhor do que assumir esta postura e continuar de olhos postos em Jesus, a caminhar para a excelência do Seu caráter, que é formado em nós pela Sua palavra e pelo Seu Espírito.
 
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

Ele será chamado pelo nome de EMANUEL
 É assim que no primeiro evangelho assinado por Mateus, logo na sua introdução, este nome é atribuído ao Filho de Deus, que nasceria pela ação do Espírito Santo no ventre da virgem Maria. Tudo isto aconteceu para se cumprir o que o Senhor tinha dito pelo profeta: A virgem ficará grávida e dará à luz um filho que se há-de chamar Emanuel. Emanuel quer dizer: Deus está connosco.” (Mateus 1:22,23 – BPT)

 Toda a Bíblia mostra que Deus nunca virou as costas ao homem e à mulher, criados à Sua imagem e semelhança. O homem preferiu fazer o contrário do que Deus lhe tinha dito para fazer, ao comer da árvore da ciência do bem e do mal. Nada diferente do que todos nós continuamos a fazer. A partir da primeira desobediência no jardim do Éden o comportamento do homem e da mulher, precipitou-se afastando-se cada vez mais da vontade divina. O problema do homem não consiste em não saber como deve viver. Tem uma consciência que lhe serve de bússola, tem os dez mandamentos e a revelação bíblica das consequências tipificadas na vida de homens e de mulheres em vários momentos e contextos.

 A questão é mais profunda. Está dentro da sua natureza espiritual, no que o homem é. E isso não se muda pela parte de fora. Não basta a educação e a instrução, a doutrinação ou os constrangimentos socioculturais.

 No plano divino a solução passava pela presença de Deus entre os homens, pelo Emanuel – Deus connosco! Jesus apareceu entre nós. Nasceu como todos os homens. Comeu à nossa mesa. Multiplicou e partiu o nosso pão. Bebeu do nosso vinho. Sentou-se à mesa com religiosos e pecadores. E, finalmente, usou o pão e o vinho como símbolos do Seu corpo e do Seu sangue, na Sua morte. Sim, experimentou a nossa morte. Não tinha de morrer, como não tinha de nascer como homem. Não tinha de ser rejeitado e ofendido. Não tinha que usar uma coroa de espinhos. Não tinha que ser julgado por um tribunal injusto. Não tinha que enfrentar políticos corruptos. Não tinha que responder às insinuações preconceituosas e hipócritas dos aparentemente poderosos. Não tinha que chorar as nossas lágrimas. Não tinha que ser acusado de fazer o que fazia pelo poder dos demónios. Não tinha que ser pendurado numa cruz. Não tinha que ser depositado num túmulo.

 Mas veio. Não se poupou a nada. Sofreu tudo o que de pior poderia ter experimentado, às mãos das Suas criaturas. Com uma só palavra, um só gesto, um só pestanejar poderia reduzir a pós os Seus detratores. Mas como o profeta Isaías escreveu cerca de séculos antes da crucificação de Jesus: “O seu aspecto não tinha qualquer atractivo. Era desprezado e abandonado pelos homens, como alguém está cheio de dores e habituado ao sofrimento, e para o qual se evita olhar. Era desprezado e tratado sem nenhuma consideração. Na verdade ele suportava os nossos sofrimentos e carregava as dores, que nos eram devidas. Mas ele foi trespassado por causa das nossas faltas, aniquilado por causa das nossas culpas. O castigo que nos devia redimir caiu sobre ele; ele recebeu os golpes e nós fomos poupados. Todos nós vagueávamos como rebanho perdido, cada qual seguindo o seu caminho; mas o SENHOR carregou sobre ele as consequências de todas as nossas faltas. Foi vexado e humilhado, mas a sua boca não se abriu para protestar; como um cordeiro que é levado ao matadouro ou como uma ovelha emudecida nas mãos do tosquiador, a sua boca não se abriu para protestar. Levaram-nos à força e sem resistência nem defesa; quem é que se preocupou com a sua sorte?”. (Isaías 53:3-8 – BPT).

 Toda a crueldade, toda a injustiça, toda a maldade da raça humana está espelhada no modo como nós tratámos e nós ainda hoje tratamos a pessoa de Deus entre nós – Jesus Cristo, o Filho de Deus. De igual formam, do modo como O tratamos depende a nossa vida aqui e na eternidade. Se O aceitarmos e nos comprometermos com Ele temos a vida eterna. É aqui precisamente que o NATAL acontece. Jesus veio para mudar-nos por dentro, e levar-nos a uma nova vida. Fomos criados à imagem e semelhança de Deus. Essa imagem e semelhança estão espelhadas de forma única em Jesus Cristo. É Nele e por Ele que essa imagem e semelhança são restauradas. Nascemos para sermos filhos de Deus e termos em Deus o nosso Pai.
 
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

“ENSINA-NOS A ORAR!” *
 Orar… falar com Deus… ouvir Deus… relacionamento, intimidade, partilha! Dizer a Deus tudo o que Deus já sabe muito melhor do que nós, mas quanto nós aprendemos ao falar com Deus na oração acerca de Deus e de nós mesmos, das nossas circunstâncias e dos outros?

 Os discípulos conheciam a oração. Tinham como nós temos no que chamamos de Velho Testamento, uma vasta coletânea de orações que marcaram a história e marcaram a vida da nação, das famílias e dos indivíduos. Orações em múltiplas situações: no cume das vitórias e nos vales apertados da sombra e da morte.

 Os discípulos conheciam as histórias dos doutorados na religião. Jesus inclusive contou uma história que envolvia um doutor da lei e um publicano(Lucas 18.9-14). Uma descrição de duas orações distintas, uma de autossuficiência baseada no desempenho religioso e de comparação com os demais; e outra de humildade, contrição e arrependimento. Jesus declarou de forma certamente chocante para alguns dos seus ouvintes, que a segunda tinha sido atendida e encontrado justificação em Deus.

 Ainda assim os discípulos de Jesus percebiam uma diferença notória entre tudo o que conheciam da oração, e a forma como Jesus se dirigia ao Pai, por isso pediram a Jesus que os ensinasse a orar.

 Encontramos no chamado Sermão da Montanha a oração conhecida do “Pai nosso”.

 “Nosso Pai que está nos céus,
que o teu santo nome seja honrado.
 Venha o teu reino.
 Que a tua vontade seja feita aqui na Terra,
 tal como é feita no céu.
 Dá-nos o pão para o nosso alimento de hoje.
 Perdoa-nos as nossas ofensas,
 assim como perdoamos os que nos ofendem.
 E não deixes que caiamos em tentação,
 Mas livra-nos do Maligno.” (Mateus 6.9-13 – O Livro)

 Só a maneira de se dirigir a Deus que é estendido a todos nós, é verdadeira e genuinamente particular. Deus como Pai de todos nós. “PAI NOSSO”! Poderíamos pensar que tal seria apenas prorrogativa de Jesus, como o Filho de Deus. Mas Jesus veio para nos dar a possibilidade a todos de sermos feitos filhos de Deus, através dele. “(…) a todos quanto o receberam deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus. Bastava confiarem nele como Salvador. Esses nascem de novo, não no corpo nem de geração humana, mas pela vontade de Deus.” (João 1.13,13 – O Livro)

 Todos nós nos podemos dirigir a Deus dessa forma através de Jesus. Quando oramos devemos orar na consciência que fazemos parte de uma família, consciência de que não estamos a orar a um Deus distante e indiferente. Mas até a oração espontânea do coração que se derrama diante de Deus se pode tornar mecânica, uma rotina repetitiva. Todos nós sem exceção temos que cuidar do nosso coração, mente e vontade. Confiados na soberania amorosa de Deus e da Sua provisão, bem como do Seu perdão em articulação com a nossa disposição em sermos perdoadores, confessamos que carecemos de depender Dele para lidarmos com todas as formas de sedução do mal.
 
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com
* Lucas 11.1

 

“Vai-te, Satanás!”
 Sabemos que existem as forças do mal, as potestades das trevas, os demónios e o seu chefe – Satanás, Lúcifer ou Diabo, sem qualquer sombra de dúvida não apenas porque vemos as evidências da sua ação à nossa volta e por dentro do ser humano, mas, principalmente, porque JESUS nos deu a conhecer a sua presença e manifestação. E esta revelação é por todas as razões a mais importante e definitiva, porque não apenas nos coloca diante da sua existência e intenções, mas porque nos dá a forma pela qual nós podemos lidar com ela. Jesus disse que “o ladrão não vem senão para roubar, matar e destruir. Eu vim para que as minhas ovelhas tenham vida e a tenham em abundância.” (João 10:10 – BPT). Esta é uma declaração que nos coloca diante da realidade, mas que nos transmite fé e confiança Nele que tudo pode. O chefe do mal não é uma divindade, mas um ser criado que na sua liberdade se insurgiu contra Deus, querendo-O depor e colocar-se no Seu lugar ou acima dele – loucura absoluta.

 O primeiro casal não resistiu à investida tentadora da serpente, e contrariou o plano e o propósito divino de vida no jardim em harmonia com o Criador, a natureza e a geração humana. A imagem e semelhança de Deus inscrita na criação do homem, foi corrompida. O homem deixou de refletir a glória de Deus na perfeição pretendida. Mas Deus feito homem – Jesus Cristo, já não num jardim mas no deserto enfrentou a astuta tentação do Diabo, e não cedeu às suas investidas. No último assalto o agente maligno tentou um golpe fatal: “O Diabo levou-o ainda a um monte muito alto, mostrou-lhe dali todos os países do mundo com as suas gradezas e disse: ‘Tudo isto te darei se de joelhos me adorares.’ Jesus respondeu-lhe: ‘Vai-te Satanás! A Escritura diz: Adorarás o Senhor teu Deus e só a ele prestarás culto.’” (Mateus 4:8-10 – BPT). Em boa verdade o maioral dos demónios não é dono de nada, porque não é criador de coisa alguma. Ele é uma criação que aspirou a ser divino, ou a colocar-se acima de Deus. A narrativa exprime a louca desfaçatez de tentar Jesus a adorá-lo em troca do sistema mundial. O que podemos considerar como atrevimento abjeto, é no fim de contas o que de formas subtis tantas vezes o ser humano acaba por fazer na sua relação com Deus.

 O Diabo é ardiloso. A imagem que a cultura e a tradição apresentam deste ser sinistro, não corresponde ao que a Bíblia apresenta. O arqui-inimigo de Deus tem a faculdade de apresentar-se como um anjo de luz (2 Coríntios 11:14). E dessa forma procura seduzir os incautos que não levam a sério a Palavra de Deus. Jesus enfrentou o maligno com o que está escrito na Bíblia, e esta mesma Palavra adverte-nos desde o Antigo Testamento (Levítico 20:27), que não nos podemos deixar enredar pela curiosidade e pelas práticas em que o Diabo se infiltra em todos os domínios do oculto: consulta dos mortos, mediunidade, necromancia, espiritismo, animismo, adivinhação, magia, leitura de cartas, horóscopo, feitiçarias, … E até nas pretensamente inofensivas práticas do ioga, da meditação transcendental, reiki, …

 Em Jesus não estamos à mercê das investidas satânicas. Basta-nos observar o princípio bíblico: “Portanto, sejam submissos a Deus e resistam ao Diabo, que ele fugirá de vós.” (Tiago 4:17 – BPT). Da mesma forma como a noite é dissipada pela luz do sol, ou as trevas são afugentadas quando se acende uma luz ou se abre a janela apara que ela jorre para dentro do aposento, do mesmo modo as forças pessoais do mal fogem quando vivemos na vontade divina e recusamos o que é de procedência maligna.

 Pode parecer à primeira vista que os demónios estão mais civilizados, ou fora de circulação, mas trata-se de puro engano. O Diabo tem a capacidade de disfarçar-se e tem muito mais capacidade de mimetismo do que um camaleão. Quem é de Jesus não vive intimidado ou amedrontado com as suas artimanhas. Sempre que Jesus enfrentou as manobras e as obras do Diabo, trouxe libertação e cura, paz e segurança, amor e perdão. Aos Seus seguidores antes da Sua assunção deu a seguinte ordem: “Vão por todo o mundo e preguem a boa nova do evangelho a toas as criaturas. Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado. Os que tiverem fé serão reconhecidos por estes sinais: em meu nome expulsarão espíritos maus e falarão novas línguas. Se pegarem em serpentes ou beberem qualquer veneno mortal, não sofrerão nenhum mal. E quando puserem as mãos sobre os doentes, estes ficarão curados.” (Marcos 16:15-18 – BPT).
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

“EU É QUE SEI…”
“Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o SENHOR, pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que desejais.” (Jeremias 29:11 – JFA)
 
 Palavras dirigidas da parte de Deus pelo profeta Jeremias ao povo de Israel exilado em Babilónia, a propósito da sua libertação e retorno à terra natal. Para lá do contexto específico este texto assegura-nos que Deus tem um plano para as nossas vidas, onde quer que nos encontremos. O Seu propósito é que abracemos a Sua redenção e da escravidão causada pela desobediência, regressemos ao domínio do Seu amor e da Sua boa, perfeita e agradável vontade.
 O povo exilado em Babilónio porventura pensava que Deus os havia abandonado, que não havia mais esperança para eles, que seriam para sempre reféns dos seus dominadores. Não tinham nenhuma luz ao fundo do túnel. Haviam descartado o Deus que os havia arrancado com mão poderosa da opressão dos egípcios e agora esse mesmo Deus, por causa da sua idolatria e injustiça social, imoralidade e hipocrisia, os havia entregado na mão de outra opressão. Porventura não acreditavam que Deus pudesse restaurar a sua liberdade e independência como nação, famílias e indivíduos.

 Fomos criados por Deus. Não somos filhos do acaso. Mesmo que indesejados no plano humano, nunca o fomos no plano eterno de Deus. Ele nos criou com a intenção suprema de partilharmos a Sua glória refletindo-a com o nosso ser e com a nossa existência, caminhando de glória em glória. Esse desígnio eterno que nada podia alterar, levou Deus a tomar a forma humana na pessoa do Seu Filho Jesus Cristo e a visitar-nos corporalmente.
 
 Algumas vezes ficamos a pensar que Deus é o autor do nosso mal, das nossas dores e sofrimento. Pensamos que Deus nos abandonou de vez. Em última instância consideramos que estamos entregues a nós mesmos, e na nossa impotência deixamo-nos ir com a força irresistível da correnteza. É o nosso destino, pensam alguns!
 
 Basta-nos levantar os olhos e focarmos a nossa atenção em Jesus, para mudarmos radicalmente de perspetiva e de opinião. Nele descobrimos as nossas origens sobrenaturais, a nossa identidade à Sua imagem e semelhança, e pesando as mazelas que a desobediência provocou nesse ADN espiritual, por Jesus Cristo podemos receber o poder de sermos feitos filhos de Deus. Assim sendo somos conduzidos na descoberta das nossas origens, do acidentado percurso da humanidade, de Jesus Cristo como “o caminho, e a verdade, e a vida” e do futuro de bem-aventurança que Ele conquistou para nós.

 Sobre as diversas cosmovisões que as culturas do ocidente e do oriente dos propõem, recomendamos a leitura do livro de James W. Sire, O Universo ao Lado – a vida examinada, um catálogo elementar de cosmovisões, publicado pela United Press. Neste livro o autor analisa o teísmo cristão básico, deísmo, naturalismo, niilismo, existencialismo, monismo, nova era e o pós-modernismo nas grandes e essências questões: “qual é a realidade primária: Deus ou o cosmo? O que é o ser humano? O que acontece quando morremos? Como deveríamos viver?” (p. 10).
 
 Pode parecer que cada um de nós está condenado a escolher sem possibilidade de escolha, ou seja em função do determinismo do nosso circunstancialismo, que escolhemos às cegas, ou que escolhemos sem a consciência das premissas da escolha! Mas diante de Jesus o cenário muda de figura. Perante Ele a nossa escolha é iluminada pela Sua própria luz, pela Sua vida entre nós, pelos Seus ensinos, pela evidência da divindade demonstrados sobejamente nos Seus milagres. A escolha por Jesus vai na direção do céu. Ele desafia-nos a que O sigamos.

 Se queremos saber de onde viemos, porque estamos aqui e para onde nos dirigimos, vamos a Jesus. Mesmo que já sejam muitos anos do nosso percurso, estamos a tempo de mudar de direção. Como refere C. S. Lewis no livro A Essência do Cristianismo Autêntico (ABU; S. Paulo: 1979): “Para quem está no caminho errado, progredir é dar meia volta e regressar ao caminho certo; e, neste caso, o que volta mais cedo é o mais progressista.” (p. 16).

 A garantia do próprio Deus através do profeta continua a ser: “Buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração. Sereis achado de vós, diz o SENHOR, e farei mudar a vossa sorte (…).” (29:13,14ª – JFA).
 
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

ANDAR SOBRE AS ÁGUAS
Aventura radical… certamente com muita adrenalina, mas acima de tudo com fé enquanto sinónimo de confiança, obediência, determinação, ousadia e coragem. Quantos de nós teríamos esta “loucura” de caminhar sobre as águas agitadas, mesmo tendo como base a ordem e a autoridade de Jesus Cristo? Esta narrativa pode ser lida no Evangelho de Mateus no capítulo 14, versículos 22 a 33.
 
Pedro foi o único entre todos os outros discípulos que se aventurou a exigir de Jesus esta prova de que era Ele mesmo. Todos os outros tolhidos pelo medo, julgando que era um fantasma, preferiram ficar no barco, ou então chegou-lhes a palavra de Jesus de que era Ele e que não havia razão para temerem.

Se seguirmos a linha de pensamento de que a dúvida de Pedro o levou à exigência de uma prova incontestável então a dúvida em vez de trazer desconfiança e retrocesso, foi um impulso para seguir adiante e ter uma experiência inolvidável. Vendo o companheiro e amigo a andar sobre as águas os restantes discípulos terão pensado que essa também poderia ter sido a sua oportunidade, ou mesmo assim, preferiram o conforto “desconfortável” do barco face à tempestade.

Mas também podemos constatar que Pedro descortinou e discerniu que se era Jesus então ele também podia seguir o Seu exemplo nessa situação inverosímil. Se fosse um fantasma tal não aconteceria. O ambiente cultural ligado às atividades do mar ou do campo é atreito a crendices e superstições. Os discípulos deram disso prova quando gritaram de medo ao verem um vulto deslizado sobre as águas. Jesus destruiu esses redutos de medos cultivados pela tradição e passados de boca em boca, normalmente associados a histórias contadas de experiências aterradoras e que acabavam em catástrofes. Foi necessário passar pela situação para o medo e as suas raízes serem exorcizadas.

Jesus andou sobre as águas. Pedro andou sobre as águas sob a Sua ordem. Pedro não teve dúvida alguma que era Jesus quando o seu repto foi correspondido. “‘Vem!’ Pedro, descendo do barco, andou por sobre as águas e foi ter com Jesus.” (Mateus 14:29 – JFA).

A história não fica por aqui porque nesta aventura que Pedro estava a viver de repente o vento e a ondulação atrapalharam os seus passos. No seu coração e na sua mente despontaram a dúvida e o receio. O medo assaltou a sua decisão de fé. Os seus olhos passaram a focar-se nas circunstâncias, em vez de estarem centrados na pessoa que lhe havia ordenado para que viesse ao seu encontro. Ao contrário da primeira dúvida a segunda era uma declaração de óbito. Pouco tempo depois de uma decisão arrojada e de fé obediente e confiante, Pedro começou a afundar-se. O texto nada nos diz sobre qualquer tentativa da parte de Pedro em sobreviver pelos seus esforços. As forças e a capacidade de sobrevivência nado, evaporaram-se. Podemos dizer usando uma experiência cada vez mais comum nos dias de hoje, Pedro entrou em pânico.

Talvez se poderia supor que Jesus iria castigar Pedro pelo seu atrevimento e pela sua súbita dúvida e incredulidade. Diz o texto que Pedro reconhecendo a sua impotência gritou “Salva-me, Senhor!” A resposta de Jesus foi imediata: “E, prontamente, Jesus, estendendo a mão, tomou-o e lhe disse: Homem de pequena fé, por que duvidaste.” (Mateus 14:30,31 – JFA). A reprimenda valeu a pena pela dupla experiência de andar sobre as águas e de ser salvo de afundar-se nessas mesmas águas. E juntos regressam ao barco caminhando sobre as águas “Subindo ambos para o barco, cessou o vento. E os que estavam no barco o adoraram, dizendo: Verdadeiramente és Filho de Deus” (Mateus 14:32,33 – JFA).

O resultado de todos é a adoração a Jesus. Creio que tanto Pedro como os restantes discípulos nunca mais esqueceram a experiência que vivenciaram. Em outros momentos, já não sobre as águas encapeladas, em outras tempestades da vida, sempre lembraram que Jesus estava com eles, dentro do barco ou caminhando sobre as águas, e que também eles podiam sair do barco – da sua zona de conforto e correr todos os riscos sob a ordem de Jesus, os mesmos que tinham visto no Mestre.

Hoje também nós somos interpelados a esta fé que pode fraquejar, mas que nunca será menosprezada pelo seu autor e Consumador que é Jesus. É uma aventura viver com Jesus tanto no arrojo como na fraqueza.
 
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

Procurai a paz da cidade…
 O reino de Judá tinha sido vencido e subjugado pela Babilónia e os seus melhores deportados. Um dos períodos mais negros da nação dos hebreus, depois da divisão que ocorrera após o reinado de Salomão, com dez tribos a norte, e duas a sul. A causa principal fora a idolatria, a corrupção e a injustiça. Exilados em terra estranha, de modo porventura desconcertante para muitos dos ouvidos hebreus, a mensagem dada ao profeta Jeremias recomendava de forma muito concisa e clara: “Procurai a paz da cidade, para onde vos desterrei, e orai por ela ao SENHOR; porque na sua paz vós tereis paz.” (Jeremias 29:7 – JFA). O Livro traduz da seguinte forma: “Trabalhem para a paz e a prosperidade da Babilónia. Orem por ela, porque se a Babilónia tiver paz, vocês também terão.” E a Palavra para todos coloca esta declaração divina nas seguintes palavras: “Trabalhem pelo bem das cidades para onde vos levaram cativos. Peçam ao SENHOR por elas, porque se essas cidades prosperarem, a prosperidade será vossa também.” Finalmente a paráfrase A Mensagem usa as seguintes palavras: “Estabeleçam-se aí e trabalhem para o bem-estar do país. Orem pela prosperidade da Babilónia. Se ela estiver bem, vocês também estarão.”

 Julgo que para muitos dos ouvidos dos deportados judeus em Babilónia, mesmo que conscientes dos seus pecados que tinham provocado tamanha calamidade, soou de forma estranha. Os judeus que conheciam bem o shema mosaico inscrito no último livro do Pentateuco: “Ouve, Israel: só o SENHOR e apenas ele é o nosso Deus. Ama o SENHOR, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma e com toda a tua força.” (Deuteronómio 6:4 – O Livro). Agora porque não tinham levado a sério este princípio essencial, eram um povo subjugado, numa terra dominada por falsos deuses, por ídolos criados pelo homem. Para a mentalidade dos dominadores os seus ídolos eram os maiores porque haviam derrotado o povo de Jeová. Mas as aparências iludiam, porque afinal de contas como denota a tradução de João Ferreira de Almeida, eles tinham sido desterrados pelo próprio Deus que os havia libertado do Egito, e que ao longo de toda a sua história constantemente os havia alertado para os perigos da apostasia.

 Mas pretendemos ressaltar que nestas circunstâncias o Deus de todo o Universo, de toda a humanidade; o Deus de Abraão, Isaque e Jacó que havia declarado que em Abraão seriam abençoadas todas as nações da terra, conclama os judeus a contribuírem para a paz da cidade, e mais ainda, a orarem pela paz da cidade, a orar pela sua prosperidade, porque na sua paz teriam paz, e na sua prosperidade teriam prosperidade. Aqui a prosperidade não se resume a bens materiais, mas a uma vida realizada na plenitude do Criador, segundo Seu plano e propósito.

 Um dos exemplos paradigmáticos desta atitude é sem dúvida Daniel e os seus três amigos – Sadraque, Mesaque e Abednego. Tendo sido levados para o próprio palácio babilónico, nunca cederam à pressão cultural pagã que contrariava os princípios da lei mosaica em que haviam sido instruídos, e sempre trabalharam de forma irrepreensível, combatendo a corrução dos próprios pares da classe dirigente imperial, nunca cedendo ao politicamente correto, observando sempre os valores espirituais bíbicos e nunca por nunca ser dobrando os seus joelhos perante as divindades babilónicas, falando a verdade, e orando a Deus mesmo quando maquiavelicamente tal tinha sido proibido para ter com que acusar Daniel perante o imperador Nabucodonosor.

 Encontramos aqui um princípio essencial para cada um de nós como seguidores de Jesus. Vivendo em sociedades que afrontam os valores de Jesus, somos chamados a trabalhar pelo seu bem, pela sua paz, e pela sua prosperidade. Através de um trabalho sério e pela partilha de Jesus Cristo como único mediador entre Deus e os homens, Aquele que nos reconcilia com o propósito divino e no qual temos a vida eterna. É precisamente também isso que encontramos nos escritos do apóstolo Paulo, dados pelo mesmo Espírito Santo, quando se dirige ao seu discípulo Timóteo: “Aconselho antes de tudo, que se ore, suplique e agradeça a Deus, intercedendo a favor de toda a gente. Não se esqueçam de orar pelos que governam e estão investidos de autoridade, a fim de que possamos viver em paz e sossego, conformando a nossa conduta com toda a devoção e dignidade. Isto é bom e agrada a Deus nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da verdade. Porque existe um só Deus. E entre ele e os homens há um só mediador, que é Jesus Cristo, seu Filho, que é homem. O qual a si mesmo se deu a si mesmo como o preço da salvação de toda a humanidade. Esta é a mensagem que Deus trouxe ao mundo no momento oportuno. E foi para falar dessa mensagem que eu próprio fui constituído pregador e apóstolo de Deus, e fui encarregado de ensinar esta verdade aos gentios, levando ao conhecimento da fé. Não estou a mentir; estou a falar a verdade.” (1 Timóteo 2:1-7 – O Livro).
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

“Queremos ver a Jesus”
 Este pedido encontra-se registado no evangelho de João, a propósito de alguns gregos que tendo subido a Jerusalém durante a Páscoa para adorar, se dirigiram ao discípulo Filipe. O que movia o interesse dos gregos não está identificado, mas o mais importante para lá de qualquer especulação é eles quererem ver Jesus. Havia motivos de sobejo para que alguém quisesse conhecer a Jesus pessoalmente. A identidade de Jesus, os Seus milagres, o Seu ensino, as polémicas que se adensavam cada vez mais com os religiosos judaicos. As multidões afluíam onde Jesus se encontrava, bem como pessoas individuais.
 
 Nos dias que correm o mesmo acontece, apesar de todas as solicitações e distrações que se multiplicam e disputam a atenção das pessoas.
 
 Um dos testemunhos contemporâneos que é público é o do ex-ateu Augusto Cury, apresentado no seu livro “Análise da Inteligência de Cristo – o Mestre dos Mestres”. Sendo um estudioso da inteligência humana e para tal desenvolvendo um estudo acurado das grandes mentes que influenciaram a história e que sobressaíram em cada uma das dimensões do conhecimento desde a filosofia à ciência, à música, arquitetura, literaturas, artes plásticas, etc., apercebeu-se que nunca se tinha detido na figura mais marcante da história da humanidade – JESUS CRISTO! E foi aí que decidiu ver a Jesus através dos relatos dos evangelhos em particular e de toda a Bíblia em geral. O contacto com a pessoa de JESUS através do que Dele os Seus íntimos companheiros escreveram, levou-o a concluir que é um facto incontestável da história. A tese do livro citado é muito contundente: “A personalidade de Cristo é ‘inconstrutível’ pela imaginação humana”. Dito de outra forma o homem, mesmo as imaginações mais brilhantes, não teriam capacidade para construir uma personagem como a de Jesus Cristo. Para Augusto Cury, autor da obra “Inteligência Multifocal”, JESUS não podia nunca ter sido imaginado ou inventado. Ele é uma pessoal real da nossa história. Ele viveu entre nós. Os Seus discípulos deram disso conhecimento através dos evangelhos e cartas que escreveram.
 
 Passados mais de dois mil anos sobre o Seu nascimento ainda não apareceu nenhum outro que O possa igualar, e muito menos sobrepujar. Jesus continua a ser único e exclusivo, singular na Sua supremacia. Uma superioridade que não é feita de sobranceria, orgulho, prepotência; bem pelo contrário. A superioridade de Jesus está no Seu amor, mansidão, humildade, serviço e abnegação. Ao ponto de dar a Sua própria vida.

 Quando Jesus soube através de André e Filipe que alguns gregos O queriam ver, a Sua reação foi expressa nestes termos: “Chegou a hora em que o Filho do Homem vai ser glorificado. Ouçam com atenção: se um grão de trigo lançado à terra não morrer, não dá fruto. Mas se morrer dá muito fruto. Quem se ama a si mesmo, perde-se, mas quem despreza a si mesmo neste mundo, ganha a vida eterna. Se alguém quer servir-me, tem que seguir o meu caminho e onde eu estiver também o meu servo lá estará. E o Pai há-de honrar todo aquele que me servir.” (João 12: 23-26 – Bíblia Para Todos). Se considerarmos o nosso valor pelos padrões vigentes que se traduzem em coisas materiais, estaremos investindo a nossa vida no nada. Tudo passa como o sábio Salomão acentua no livro de Eclesiastes: Vaidade de vaidades, tudo é vaidade e correr atrás do vento. Quando vivemos a nossa vida em função do seu valor eterno segundo o ensino e o exemplo de Jesus, e não somos prisioneiros do que temos e de nós próprios, encontramos a verdadeira essência da vida. A nossa existência não se limita aos anos que aqui passamos, mas a uma eternidade que pode ser ou não vivida com Deus. Através de Jesus, e só através Dele, viveremos aqui como morada do Espírito Santo e na eternidade na presença do Deus trino – Pai, Filho e Espírito Santo.
 
 “Vem e vê” é o melhor convite que podemos avançar para todos os nossos amigos e conhecidos, e também aos que não conhecemos. Conhecer Jesus muda a nossa perspetiva a respeito de nós próprios e do que realmente tem valor nesta vida.
 
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

Honrem o casamento… (*)
 Não é demais frisar a realidade de que o casamento e a família são instituições divinas. Foi Deus que estabeleceu essa união que se multiplica nos filhos biológicos ou adotivos. Não o fez por causa do homem, mas por causa Dele mesmo. O Deus da Bíblia é um, mas constituído por três pessoas distintas numa unidade perfeita e harmonia completa. A Bíblia declara ainda que Deus é amor, e esse amor é vivenciado na eternidade, sem princípio nem fim, um amor absoluto. Essa essência trinitária de Deus tem um profundo significado em tudo o que possamos considerar porque fomos criados à Sua imagem e semelhança.
 Começa por ser interessante que este Deus trino – Pai, Filho e Espírito Santo declararam: “Façamos os seres humanos à nossa imagem, de forma que reflitam a nossa natureza”. E Deus criou o homem. Um pouco adiante na narrativa de Génesis, por causa do homem e não por causa de Deus, o Criador constata que não é bom que o homem esteja só. Interessante. O Deus que é Pai, Filho e Espírito Santo, considera que não é bom que o homem esteja só, e de uma das suas costelas forma a mulher, e ambos se chamam Adão, para que venham a multiplicar-se e a povoar a terra. E aí temos o primeiro casal, o primeiro casamento celebrado pelo próprio Deus e a primeira família. No Jardim do Éden, o lugar especial que Deus preparou para as suas núpcias e para a sua vida conjugal, homem e mulher vivem em unidade perfeita e harmonia completa, à imagem e semelhança de Deus – Pai, Filho e Espírito Santo. Uma família que reflete a trindade. Talvez nunca nos tenha passado pela imaginação que quando passeavam pelo jardim na viração do dia, Deus e o homem, na realidade passeavam Pai, Filho e Espírito Santo, e Adão  Homem e Mulher.
 
 Até que o homem quebrou conscientemente essa relação de unidade, em harmonia e em amor. E o resto todos nós sabemos e vivemos. No coração do homem entrou a divisão, a contenda, o conflito, a desavença, a vingança, a desconfiança, a acusação, a inveja, o ciúme e a violência. A primeira família experimentou logo ali as consequências escondendo-se, cobrindo a sua nudez denotando a incapacidade de viver de forma transparente sem qualquer vergonha porque de nada tinham de que se envergonhar, acusando-se mutuamente, e sofrendo as consequências da sua ação. Rejeitaram essa essência onde o amor dita todas as coisas e controla todos os impulsos e desejos, toda a motivação e sentimentos, todo o pensamento e emoções, toda a vontade e decisão, toda a consciência e toda a ação. Um pouco mais e o seu filho Caim mata o seu irmão Abel, declarando cinicamente que não é tutor dele. De todos em união e harmonia, considerando cada um igual a si mesmo, sem desavenças e hostilidades, brota toda a contenda e toda a violência. Esta foi uma das essenciais perdas da pessoa humana. Tamanha foi a avalanche dos ódios e das contendas, das inimizades e das guerras que algum tempo depois já o dilúvio arrasava com a humanidade à exceção de Noé e da sua família. Uma vez mais Deus (Pai, Filho e Espírito Santo) e a família de Noé salvos das águas na arca que o Criador mandou construir.
 
 Os anos, os séculos e alguns milénios se passaram até que no tempo determinado por Deus, Jesus nasceu. Deus entra na História pelo Filho, acompanhado a par e passo pelo Pai e pelo Espírito Santo. E na história concreta de JESUS temos o quadro sublime da presença harmoniosa, perfeita, numa completa unidade com o Pai e com o Espírito Santo. Jesus mostra-nos em carne e osso o que é viver como homem na relação perfeita da trindade. Jesus move-se no amor, cuidado, provisão, proteção, amparo, poder e glória do Pai e do Espírito Santo. Muitas vezes JESUS se retira para orar em relacionamento íntimo, perfeito, harmonioso, absoluto, completo, total com o Pai e o Espírito Santo.
 
 Mas o mais sugestivo é que Jesus vem à terra para dar origem à Igreja – o conjunto de todos os que nascem de Deus para uma nova realidade. E a Escritura fala-nos da Igreja como noiva e esposa de JESUS! E o apóstolo Paulo quando escreve a sua carta aos Efésios, apresenta a relação entre marido e mulher como uma ilustração da igreja e de JESUS!
 
 Qual é o nosso modelo de família? O dos nossos pais, dos nossos amigos, dos nossos colegas, das vedetas e dos ídolos do cinema e das telenovelas? Ou o Deus trino – Pai, Filho e Espírito Santo? Deus é amor, o amor é eterno na relação da triunidade divina. Fomos criados para vivermos esse amor como amados de Deus, e para nos amarmos incondicionalmente como Deus nos ama. A começar pelas nossas famílias e na igreja como família de Deus!
 
(*) Hebreus 13:4
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

SE…
“Se, pois, o Filho vos libertar verdadeiramente sereis livres.” (João 8:36 – JFA)
 
 Fomos criados livres incondicionalmente. Ou seja podemos viver da maneira que nos apetecer. Com alguns limites é óbvio, mas o nosso Criador deixou-nos essa possibilidade. Podemos dizer declaradamente não ao próprio Deus. Podemos negá-lO. Podemos fingir que Ele não existe. Podemos colocar-nos no seu lugar, e pretender fazer de nós próprios um deus, apesar de O negarmos. Podemos fazer das coisas criadas o nosso deus, e curvarmos a nossa vida à obediência cega, compulsiva e escrava dessas divindades.
 
 Claro que esta liberdade tem as suas implicações e obrigações. Fazemos o que nos apetece, mas existem consequências às quais não podemos fugir. O próprio Deus o declarou na única regra que colocou aos nossos primeiros pais no jardim do Éden onde nada lhes faltava. No dia em que eles comessem da árvore da ciência do bem e do mal, morreriam. Para algumas pessoas isto pode não fazer sentido nenhum. Contudo para mim faz todo o sentido. Se Deus é a origem de tudo o que existe, e se é Dele e por Ele nós existimos, é totalmente coerente e razoável que que morramos, se nos desligamos de Deus para seguirmos os nossos achismos. A vida que do Criador recebemos – a vida espiritual, cessa em nós.
 
 Bem vistas as coisas na verdade o livre arbítrio que recebemos de Deus, ao ser usado para nos condenarmos à morte espiritual e física, acaba por mergulhar-nos na mais intensa escravatura. Pensamos que mandamos em nós e afinal de conta não somos mais do que marionetes nas mãos dos genes, das paixões, das compulsões, das forças do mal e das estruturas que como grupo construímos, o que a Bíblia designa de carne, demónios e mundo. A liberdade de escolha afunda-se na mais obscura ditadura quando nos rebelamos contra o nosso Criador. Isto não significa que não tenhamos qualquer responsabilidade, antes bem pelo contrário. Podemos contrariar as nossas tendências e obsessões éticas e espirituais, como Deus falou a Caim logo no princípio, depois da queda. Deus tomou a iniciativa de aparecer a Caim quando este tramava a morte do seu irmão Abel, e disse-lhe que se o pecado jazia à sua porta, contra ele, e que lhe competia dominá-lo. (Génesis 4:7)
 
 Como gosto de dizer, Deus até que poderia ser uma espécie de polícia universal, colocando todas as coisas nos eixos, de tal forma que o mal e o sofrimento fossem consideravelmente, senão mesmo totalmente, banidos. Mas às expensas do nosso livre-arbítrio. Faríamos o que Deus quer, de acordo com o que Ele é, sem pestanejar porque seríamos apenas autómatos e robôs. Esta não é a vontade expressa e declarada do Deus que se nos deu a conhecer na pessoa de Jesus Cristo e na Sua palavra – a Bíblia! Deus decidiu que valia a pena criar-nos com livre-arbítrio, com a capacidade de escolha e decisão, porque no fim um número incontável de homens e mulheres terão percebido e aceite, reconhecido e crido que Ele é bom, e que a vida que vale a pena viver é a vida que provém de Deus, em sintonia com a Sua natureza amorosa, santa e justa.
 
 Neste sentido Jesus numa determinada ocasião acabou por dizer que conhecendo a verdade somos livres. A verdade da nossa origem, da nossa natureza, da queda que originou toda a tragédia da qual fazemos parte, da morte que se instalou em nós, da separação entre nós e o nosso Criador. Mas também a verdade que é o próprio Jesus e que Ele mesmo afirmou: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida...” A verdade que veio ao nosso encontro da parte do Pai, a verdade que é Deus entre nós, a verdade que viveu entre nós da maneira que nós devemos viver agora já não num jardim mas num lugar sombrio marcado pela doença, pelo sofrimento e pela morte. A verdade da Sua morte redentora e da Sua ressurreição. Essa verdade nos liberta, porque nos arranca às mentiras e às ilusões que nos aliciam e escravizam. A verdade que nos dá a conhecer a realidade.
 
 Mas um pouco mais adiante Jesus remata dizendo que se Ele nos libertar verdadeiramente seremos livres. Já não se trata da liberdade de escolhermos, mas da liberdade de sermos escolhidos por Ele, para vivermos uma nova vida, de sermos feitos filhos de Deus, de recebermos a vida eterna, de sabermos que a nossa existência não se limita ao tempo mas se prolonga por toda a eternidade nas moradas que nos foi preparar junto do Pai.
 
 Esta liberdade implica uma nova escolha, uma escolha em sentido contrário. Implica também o arrependimento e a conversão. Abandonar a vida de uma decisão errada, acolhendo a escolha que Deus fez por nós na morte do Seu Filho. A liberdade de crermos em Jesus. Então Ele liberta-nos para vivermos a vida em conformidade com a natureza divina, os Seus desígnios e propósitos. Uma vida com sentido. Uma vida que não é mais refém da morte!
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

E ENCONTRAREIS DESCANSO… 
 
 Uma parte muito significativa da população hoje em dia no chamado mundo desenvolvido tem uma agenda muito sobrecarregada, para dar resposta a todo um conjunto de solicitações muitas vezes para atingir um determinado patamar de vida financeira. A tecnologia acenou com uma vida mais fácil e com mais tempo disponível, mas parece que aconteceu precisamente o contrário. Estamos contactáveis 24 horas por dia. Não conseguimos escapar mesmo durante as refeições. Os fins de semana deixaram de existir e até o domingo está comprometido mesmo para alguns que o consideram um dia especial para separar para o nosso relacionamento com Deus e com a família e amigos.

 As pessoas sentem-se cansadas. E mesmo para aqueles que alcançam esses patamares de vida material, o sentimento de vazio permanece. É como se as pessoas subissem uma íngreme escada encostada a uma parede, e ao chegarem ao topo verificassem que a escada estava encostada à parede errada. Tanto esforço para nada.

 O mesmo pode acontecer na vida familiar e nos restantes relacionamentos humanos.

 O mesmo acontece em termos espirituais e aqui as consequências são muito mais graves, porque têm consequências eternas e implicam todas as dimensões da nossa existência terrena.

 Existem muitas pessoas que não dão parte de fracos. Vivem a sua vida. Trabalham duro, têm os eus tempos de pausa, frequentam restaurantes, vão a espetáculos, divertem-se à sua maneira e atulham a vida com festas sociais e de recreação. Aparentemente tudo vai bem. Se falarmos com elas não consideram que falte alguma coisa.

 Ainda assim de um momento para o outro o cansaço pode bater à porta, e de repente, é como se caíssem num poço sem perceber como, e pior do que isso, sem saber como sair de lá. Existe sempre um psicólogo ou um livro de auto-ajuda para dar um empurrão e manter a vida à tona, o que não significa que a ajuda especializada médica deva ser descartada, antes bem pelo contrário.

 Na realidade o homem e a mulher necessitam mais do que bens materiais, diversão e uma boa auto-imagem.

 Jesus Cristo falou disto dirigindo-se de uma forma muito particular aos cansados e sobrecarregados. “Venham a mim todos os que estão cansados e oprimidos e eu vos aliviarei. Levem o meu jugo e aprendam de mim, porque sou brando e humilde, e acharão descanso para as vossas almas, pois só vos imponho cargas suaves e leves.” (Mateus 11:28-30 – O Livro).  

 Jesus convida-nos para que vamos a Ele e aprendamos Dele. Ele dá alívio. A vida é redirecionada no sentido adequado. O que é material tem a sua importância, mas não é determinante. Tudo o que Deus criou é para nosso aprazimento, mas não pode dominar a nossa existência. O relacionamento pessoal com o nosso Criador é fulcral e decisivo. Fomos criados por Ele e para ele. Não nos podemos alhear desse facto, porque isso redunda em desastre. Viemos à existência para vivermos eternamente na companhia do nosso Criador. A vida não consiste apenas do tempo que aqui passamos. Há uma dimensão eterna. Tudo o que aqui ficou aquém, todo o mal e todo o sofrimento deixarão de existir na presença de Deus.

 Jesus mais do que ensinar-nos a viver, é a vida para nós vivermos. Mais do que um modelo ou um exemplo, é a própria vida. Podemos mesmo dizer que sendo o Criador, Ele é mais do que isso, sendo a vida que nos permite atingir o alvo.

 De uma forma muito simples, ao desalentado, ao cansado, ao frustrado, ao desanimado, ao derrotado estende a Sua mão, e promete alívio e um novo começo, a partir dos princípios do amor a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos, do perdão, do serviço, da não-violência, da misericórdia e da compaixão. Tudo isto é resultado do relacionamento com Ele. Jesus continua hoje a convidar-nos para que vamos a Ele.
 
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

“Felizes serão quando forem perseguidos…”
 Felizes serão quando forem insultados, perseguidos e quando proferirem todo o mal a vosso respeito, com mentira, por serem meus discípulos! Alegrem-se com isso! Sim, regozijem-se, porque vos espera lá no céu uma enorme recompensa! Lembrem-se que também os profetas de antigamente foram assim perseguidos.” (Mateus 5:11,12 – O Livro).

 Jesus foi bem claro em relação aos Seus discípulos no que diz respeito à tolerância e ao respeito por todas as pessoas, quaisquer que sejam as suas convicções políticas, religiosas, éticas e morais. É óbvio que também isso implica e obriga a que não silenciemos o evangelho e as palavras de Jesus, e se necessário estejamos dispostos a morrer pelo que acreditamos. Não procuramos de modo algum a autoimolação, e ficamos profundamente chocados quando em nome de Deus se praticam atos de vandalismo que semeiam o terror. De modo algum alguém que assim procede tem um galardão à sua espera na eternidade, mas a condenação da parte de Deus, que é um Deus de amor.

 Já no primeiro testamento, antes de Jesus ter nascido, o profeta declara: “Esta é a palavra do Senhor para Zorobabel: Não pela força, nem pelo meu poder, mas pelo meu Espírito, diz o SENHOR dos exércitos.” (Zacarias 4:6 – O Livro). Deus podia obrigar-nos, mas Ele não o faz. Deus podia ser o polícia do universo, mas esta postura não está em conformidade com a Sua natureza. Deus criou-nos livres, e pesar da desobediência no fruto da árvore da ciência do bem e do mal, ter estragado a nossa essência, Deus ainda age de tal forma que nos permite conhecer a verdade e escolher entre a verdade e a mentira.

 Neste sentido Deus enviou Jesus Cristo que de Si mesmo disse – “Eu sou a verdade” (João 14:6). Outra coisa não poderia deixar de ser, sendo Ele divino. Em Jesus nós vemos e vivemos a verdade. A verdade é uma Pessoa e não uma formulação lógica, ou um postulado filosófico ou científico.

 Defendemos a liberdade religiosa sem quaisquer constrangimentos, mesma a liberdade de falar mal e ridicularizar o Autor e Consumador da nossa fé. Ficamos tristes, porque para lá da ofensa, quem assim procede não conhece verdadeiramente a Jesus Cristo e a pessoa de Deus que Ele nos dá a conhecer n’Ele mesmo. Por isso estivemos na linha da frente na defesa de uma lei da liberdade religiosa que já tardava no articulado jurídico português, muitos anos após a revolução de abril. Agradecemos a Deus por pessoas como o ex-presidente da república, Dr. Jorge Sampaio, o único Presidente que assumiu pessoalmente a igualdade de todos os portugueses e de todas as confissões religiosas, com a sua presença em dois eventos da comunidade, um deles das Assembleias de Deus. Afinal de contas somos cidadãos portugueses, pagamos os nossos impostos, zelamos pela nossa sociedade de formas múltiplas seja nas nossas profissões, na nossa vida familiar e no suporte a instituições particulares de solidariedade social. Não podemos deixar de referir o saudoso Juiz Conselheiro, Dr. Dias Bravo, que sempre assumiu a sua fé e nunca aceitou que ela ficasse posta em causa no assumir de funções de estado.

 Temos perfeita consciência que em determinados períodos da história e em determinadas regiões, pessoas e dignatários religiosos ditos cristãos, lançaram mão da mais cruel perseguição e dos mais aviltantes instrumentos de tortura. A diferença está em Jesus Cristo, o único que sempre condenou a utilização de semelhantes métodos. Jesus foi discriminado, maltratado, perseguido, por mais do que uma vez intentaram contra a Sua vida, até que chegou o momento exato decretado por Deus, para que a Sua vida fosse dada a nosso favor. Experimentou uma morte cruenta na cruz e a terminar exclamou: “Está consumado!”, para depois entregar nas mãos do Pai o Seu espírito.

 Em pleno século XXI existem milhares de cristãos que são perseguidos única e exclusivamente por crerem em Jesus e apresentarem os Seus ensinos de amor, perdão, reconciliação e vida eterna. Em alguns países em que no passado os cristãos estavam em maioria, neste momento são uma minoria e sofrem graves limitações à sua liberdade de expressão, o que é de todo inqualificável. Cada um tem o direito de ter a sua fé, de exprimi-la, de partilhá-la, de debatê-la, de mudar de confissão religiosa, e de se reunir publicamente em espaços destinados para o efeito, ou na praça pública.

 Mas mesmo que tal não se venha a verificar sempre, seguiremos as palavras de Jesus em muitos textos bíblicos, dos quais o Sermão da Montanha é um deles. A quase totalidade dos apóstolos de Jesus foram martirizados, porque não podia negar o que individualmente tinha visto, tocado, apalpado, ouvido e presenciado. Continuamos a afinar pelo mesmo diapasão. Cada homem e cada mulher, em todas as partes do mundo, qualquer que seja a sua religião, precisam ouvir falar de Jesus que morreu para que tivéssemos vida eterna.
 
 
Samuel R. Pinheiro
www.deus-e-amor01.webnode.pt

 

ATÉ AQUI…
 
 A revista Novas de Alegria completa, em 2018, 75 anos de publicação contínua e ininterrupta.
 
 A primeira palavra é de profunda gratidão a Deus pela forma como sempre tem orientado e providenciado para que esta publicação das Assembleias de Deus, mas ao serviço de toda a comunidade evangélica, tenha surgido em tempos de grandes carências financeiras tanto da editora como dos leitores. Hoje vivemos num tempo muito diferente, com outras possibilidades, mas com carências de outra índole, não sei quais delas as mais gravosas. Soli Deo Glória!
 
 A segunda palavra vai para todas as equipas alargadas, desde a direção à redação, aos que têm a responsabilidade de tratar da sua expedição, aos que a recebem em cada comunidade e com empenho e dedicação a promovem e a apresentam ao público leitor, a todos os pastores de cada uma das igrejas locais que a suportam (algumas com algum ou muito esforço financeiro). Relembramos com apreço os vários diretores desde os pastores Tage Stahlberg (ainda designada “Boas Novas”), Rogério Ramos Pereira, Alfredo Rosendo Machado, João Sequeira Hipólito, Fernando Martinez e Carlos Baptista. Devemos ainda aqui uma palavra de gratidão aos diretores da Casa Publicadora enquanto editora e que é o suporte da sua edição, pastores Ribeiro Fernandes e Paulino Verdilheiro, Manuel Pericão, presbítero Torcato Lopes e desde 2002 o pastor António Gonçalves. Mas seríamos parciais se omitíssemos todos os que estão envolvidos na preparação desta publicação mensal. Afinal TODOS sem exceção, temos o privilégio, e porque não dizer a responsabilidade, de manter vivo este mensageiro de boas notícias num tempo em que elas escasseiam.
 
 Uma terceira palavra de gratidão a todos os que oferecem esta revista a vizinhos, colegas e familiares, ou a pessoas anónimas. A todos os que deixam um exemplar em salas de espera e em muitos outros lugares. Só Deus sabe quantas pessoas não foram tocadas pelo evangelho através das suas páginas, e por detrás está alguém que na sua simplicidade e até inibição, colocou um exemplar algures. O Novas de Alegria já foi chamado de evangelista silencioso e, na verdade, ele chega e fala a pessoas que, porventura, não teriam disposição para escutar de viva voz uma explanação da Palavra de Deus, ou ouvir o testemunho pessoal do amor e do poder de Deus.
 
 A quarta palavra vai para todos os que partilham nas suas páginas os seus testemunhos de vida. Penso que sempre foi assim, mas na chamada cultura pós-moderna e até pós-cristã  em que vivemos, nada como uma história de vida para mexer com o coração e daí com a mente e a vontade de uma pessoa. É certo que hoje existe uma certa indisposição para a leitura, mas o relato da manifestação real do amor e do poder de Deus abre o apetite e a disponibilidade para a leitura de palavras que transportam vida.
 
 O título é retirado de uma declaração de Samuel, num momento de vitória sobre os filisteus inimigos do povo de Deus, em Mizpá: “Samuel pegou então numa pedra e colocou-a em Mizpá e Sem, dando-lhe o nome de Ebenezer (pedra de auxílio), dizendo: ‘Até aqui nos ajudou o Senhor!” (1 Samuel 7:12- O Livro)
 
 Vivemos um tempo de novos desafios, e ele pode ser aproveitado para crescermos e nos desenvolvermos ou para decairmos e até deixarmos de ser relevantes. A qualidade é importante, mas a quantidade é um factor que não se pode descurar. O decisivo é o conteúdo e este sempre tem-se mantido na linha do seu nome bíblico – “Novas de Alegria”. O natal foi celebrado uma vez mais no mês que passou, mas todos os dias são tempo para fazer ecoar as Novas de Alegria que os anjos cantaram nas campinas de Belém. Hoje nas estruturas das grandes urbes e nas paisagens ainda bucólicas da província. Tanto no Portugal do continente e das regiões autónomas, mas pelos quatro campos do mundo em que se fala o português.
 
 Temos um concorrente muito forte no universo do digital e das redes sociais, mas por essência eles são efémeros e não aguentam muitas vezes mais do que alguns minutos, bem como passam despercebidos entre milhões e milhões de outras páginas e de outros endereços. A página impressa é importante como elo de ligação, como repositório histórico, como veículo de comunicação de proximidade e tangível.
 
 A última palavra é para destacar que esta é uma questão de atitude – viver, crescer e multiplicar; sobreviver ou definhar! Deus que nos ajudou até aqui continuará a fazê-lo, acreditamos que todos os leitores e líderes de mão dadas continuarão o legado recebido e dar-lhe-ão continuidade – SEMPRE MELHORANDO!
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

“Um Menino nos nasceu”
De todos os acontecimentos que a História regista e de que a Bíblia é o suporte, nenhum outro é semelhante ou parecido com o nascimento desse Menino que mudou o trajeto da Humanidade.
 
Maior que o momento da Criação, da tragédia da queda em que o homem trocou o amor de Deus pela sua deliberação em ser o decisor do bem e do mal e de viver em função de regras ou na sua completa negação; maior do que o cataclismo do dilúvio, da tentativa de construir a torre de Babel que chegasse ao céu; maior do que as pragas no Egito e da libertação do povo de Israel e de todo o êxodo marcado pelas incríveis manifestações do poder de Deus, como foi o caso da abertura do mar Vermelho; maior do que tudo o que envolveu a entrada na Terra Prometida e de tudo o que nela veio a acontecer.  
 
Poderíamos juntar aqui as proezas da ciência e da tecnologia como o momento em que o homem deu a primeira passada na Lua; a invenção da rádio, da televisão, do telemóvel. Maior que todos os acontecimentos políticos, económicos, militares e culturais. 
 
Nada se compara com o quadro singelo da família de Maria e de José e do bebé Jesus numa estrebaria, deitado numa manjedoura, rodeado pelos pastores que ouviram do céu as hostes angélicas a proclamarem o Seu nascimento, e dos Magos que mais tarde ofereceram ao menino ouro, incenso e mirra.  
O Menino que nasce é, segundo as páginas dos Evangelhos, o Criador, o Senhor de todo o Universo, que assume a dimensão humana e nasce como todos os restantes seres humanos. Nenhuma página da literatura, nenhuma imaginação por mais fértil que tenha sido, alguma vez imaginou ou sugeriu algo de semelhante. Pode ser que em algumas cosmovisões religiosas se possa encontrar alguma sugestão neste sentido, mas claramente se pode verificar a diferença entre o mito e a realidade histórica assumida pela Bíblia. Jesus entrou na História para mostrar o rosto de Deus conforme o apóstolo declara no quarto Evangelho: “Nunca ninguém viu Deus. Só o Deus único, que está no seio do Pai, o deu a conhecer.” (João 1:18, BPT).  
 
O Menino que nasceu em Belém tornou-Se adolescente, jovem e adulto. O Seu ministério público iniciou-se pelos trinta anos e tudo o que viveu e disse, tudo o que partilhou à Sua volta impulsionaram a humanidade no sentido do amor, do perdão, do serviço, do relacionamento no conhecimento de um Deus que é amor, e nesse amor deu à Humanidade o Filho, para que todo o que Nele creia possa vencer a morte e ter a vida eterna.  
 
Augusto Cury di-lo de uma forma muito clara: “No passado, Cristo era para mim fruto da cultura e da religiosidade humana. Porém, após anos de investigação, convenci-me de que não estou a estudar a inteligência de uma pessoa fictícia, imaginária, mas de alguém real, que andou e respirou nesta terra. É possível rejeitá-lo; todavia, se investigarmos as suas biografias não há como negar a sua existência e reconhecer a sua perturbadora personalidade. A personalidade de Cristo é ‘inconstrutível’ pela imaginação humana.” (Augusto Jorge Cury, Análise da Inteligência de Cristo – o Mestre dos Mestres, Paulinas: 1999, p. 31).  
 
A declaração que nos serve de título é retirada do profeta Isaías: “É que um menino nasceu, um filho nos foi dado. Deus colocou a soberania sobre os seus ombros. Os seus títulos são: Conselheiro maravilhoso, Deus forte, Pai para sempre, Príncipe da paz. Ele vai alargar o seu domínio e governar em paz total, sobre o trono de David e sobre o seu reino. Vai estabelecê-lo e consolidá-lo com a justiça e o direito, desde agora e para sempre. É isto mesmo o que vai realizar o SENHOR do Universo, com todo o zelo.” (Isaías 9:5,6, BPT). Tudo o que necessitava ser feito para que esta realidade seja consumada, já foi cumprido pela vida terrena de Jesus, pela Sua morte e pela Sua ressurreição. Mas o Natal não é apenas a celebração do que foi e do que é, mas do que há de ser no retorno de Jesus para instaurar o Seu reino do qual farão parte todos os que Nele creem. Por isso este é um tempo de esperança muito para lá do bem que o homem pode fazer ou de toda a maldade que o homem e as potestades do mal, são capazes. O Senhor estabelecerá em breve o Seu reino!
 
Samuel R. Pinheiro
Diretor de Publicações
www.jesus-o-melhor.com

 

ESPÍRITO, ALMA E CORPO…
 
“Que o Deus da paz vos torne totalmente perfeitos e conserve irrepreensível todo o vosso ser, espírito, alma e corpo, até à vinda de Jesus Cristo, nosso Senhor. Aquele que vos chamou é fiel e há-de realizar aquilo que prometeu.” (I Tessalonicenses 5:23,24 – BPT)
 
Deus criou-nos à Sua imagem e semelhança, e esta semelhança e imagem significa que fomos criados para nos relacionarmos pessoalmente com Deus, com a possibilidade de O conhecermos e esse conhecimento que se centra a partir do nosso espírito, porque Deus é espírito, também envolve a nossa alma e o nosso corpo. O conhecimento de Deus toca os nossos afetos e os nossos sentimentos, a nossa consciência e a nossa vontade.
 
Algumas pessoas e até às algumas correntes ideológicas desvalorizavam e algumas até “diabolizaram” o corpo e a matéria como se fossem os responsáveis pela condição em que o homem se encontra. A sua intenção e proposta era que o homem se libertasse do corpo e da matéria, a fonte de todos os males.
Do mesmo modo como a criação segundo a cosmovisão bíblica envolve o espírito, a alma e o corpo, a escolha desastrosa do homem em assumir decidir sobre o bem e o mal, e fazer as coisas à sua maneira, rebelando-se contra o Seu Criador, também afetaram o homem na sua inteireza. No espírito o homem experimentou uma morte imediata porque a vida recebida do próprio Deus e que o identificava com Ele, cessou como o próprio Deus havia avisado. Olhamos à nossa volta e constatamos facilmente os danos que se verificam nos afetos humanos, nas suas emoções, no relacionamento do homem consigo mesmo e do homem com os seus semelhantes. As guerras multiplicam-se. Hoje vivemos dias muito sensíveis colocados perante a possibilidade de um conflito nuclear que todos podem ter uma ideia como pode começar, mas ninguém sabe como terminará. Como pessoas que nos orientamos pelo texto bíblico, sabemos o Criador nunca consentirá com a destruição total da Sua criação. Deus respeita a liberdade humana, as suas decisões, os resultados que derivam da hostilidade da humanidade e das potestades do mal contra Ele. Mas Deus coloca limites à ação do homem e das potestades do mal contra o que Ele criou. Até um certo ponto é possível chegar, mas não é possível ultrapassá-los. Deus é o soberano. Não existe um deus do bem e outro do mal. Deus é o único soberano. O homem pode fazer muitas coisas erradas que comprometem o seu futuro imediato e a sua eternidade, mas nunca podem comprometer o plano de salvação, em que o amor e a santidade divinas sempre prevalecerão. O corpo humano e a própria natureza sofreram os danos do pensamento louco de que o homem pode viver de qualquer jeito e não sofrer as consequências dos seus atos, do homem se julgar dono da natureza e não respeitar os seus equilíbrios e a sua identidade.
 
Mas a boa notícia é que o plano redentor divino definido desde antes da criação envolve o homem na sua totalidade bem como todo o universo, e todo o planeta. Deus não criou um mundo e um homem de segunda classe para evitar todos esses desastres, e o que distingue a criação de excelência do homem à imagem e semelhança divinos está liberdade o homem. Não fomos criados como máquinas ou robôs, não fomos criados como autómatos. Foi precisamente a escolha do homem que o tornou escravo do seu pecado, de fazer o que não quer, e de querer aquilo que o destrói e arruína, o que traz a morte, a violência, a guerra, a morte e a destruição. Jesus veio para trazer o homem à sua essência, à sua matriz original. Veio tornar possível o homem voltar a ser imagem e semelhança de Deus agora já não pelo ato da criação, mas pelo milagre do novo nascimento, um nascimento do próprio Deus em que somos feitos filhos de Deus. Ele criou a humanidade sabendo à partida tudo quanto iria acontecer, e esse tudo inclui a redenção, a vitória sobre a morte e o pecado.
 
O plano de redenção não foi um plano simplista. Não recorreu à Sua omnipotência que diz, e o que diz acontece. A redenção determinada pelo Deus santo e amoroso que nos é revelado pela Bíblia, tem como protagonista único o próprio Deus na segunda pessoa da Trindade. Jesus veio, fez-se à imagem e semelhança do homem, conviveu com a condição do homem degradado e corrompido, operou milagres mostrando a nova realidade e a nova ordem que vinha tornar possível e que haveria de ser possível mediante a Sua morte e ressurreição. Tudo isso foi consumado. Agora esperamos novos céus e nova terra. E como diz o texto que encima a nossa reflexão Ele é poderoso e cumpridor do que prometeu, mantendo o espírito, a alma e o corpo de todos os que têm em Jesus o Senhor e Salvador, perfeitos e irrepreensíveis, saudáveis em cada uma das suas dimensões e no seu todo, até à vinda de Jesus que aguardamos com expetativa.
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

“ESTÁ ESCRITO”
 No que diz respeito à nossa essência e existência, ao propósito e desígnio nossa vida, ao que provocou uma mudança de rumo e uma inversão no seu sentido original, para percebermos como chegámos aqui e como podemos sair daqui, retornando ao projeto original, temos de dar a palavra Àquele que tem a autoridade para nos falar acerca destas matérias. Não temos outra alternativa se queremos escapar ao pântano dos “achismos” humanos, às impressões falaciosas do coração, às lógicas religiosas cujos pressupostos de partida estão errados, às mentiras redondas ou bicudas das filosofias. Não é que desvalorizemos a racionalidade humana. Antes bem pelo contrário. Deus é o autor da nossa inteligência, e sem ela não nos seria possível sequer entender um Deus que é inteligente e pessoal. O problema não radica no raciocino, mas no modo como raciocinamos. A questão não está na racionalidade mas no racionalismo em que o homem se fecha à informação que vem de cima. É isso que acontece no plano humano quando os filhos deixam de ouvir os pais, e os pais deixam de escutar e falar (dialogar) com os filhos. Não é esse o paradigma que encontramos em Deus. Numa cultura que fala e se pauta por conceitos difíceis de encaixar como é o da pós-verdade, como seguidores de Jesus temos que citá-lo quando ao dirigir-se ao Pai, fala nestes termos: “Faz com que te sirvam pela verdade. Santifica-os pela verdade; a tua palavra é a verdade.” (João 17:17 – BPT).

 O Deus que Jesus Cristo nos veio mostrar é o único Deus. É o Deus que se dá a conhecer e fá-lo de várias formas e maneiras, sendo Ele perfeito e inexcedível na pedagogia que usa para lidar connosco. Jesus deu-nos o exemplo e é modelo para nós, no modo como lidou com a Palavra de Deus, com a revelação escrita, citando-a amiúde, mostrando a concordância entre o que estava predito e o que os factos demonstravam na concretização dessas predições (profecias). No deserto quando foi tentado pelo maligno a “arma” que utiliza é a autoridade da Palavra Escrita. Por três vezes responde ao tentador citando a Palavra de Deus, e em cada uma delas prevalece vitorioso sobre as artimanhas do tentador. Termina proferindo que não tem como não ser acatada: “Vai-te Satanás! A Escritura diz: Adorarás o Senhor teu Deus e só a ele prestarás culto.” O Diabo então o deixou (…)”. (Mateus 4:10,11 – BPT). Em cada uma das investidas na boca de Jesus está uma declaração que nos deve acompanhar: “Está escrito!”

 Precisamos ter uma fé esclarecida e isso não é de todo impossível se formos ignorantes sobre o que Deus revela, o que Ele nos deixou escrito através de homens que foram por Ele inspirados. Inteligência Espiritual é o que necessitamos desenvolver e que o próprio Deus está interessado em desenvolver em nós. Mas tal só acontece através das disciplinas espirituais, à qual não pode faltar a leitura assídua da Sagrada Escritura, nem a oração, bem como a adoração, o louvor, a ação de graças e a intercessão. Isto é o que o apóstolo Paulo ora a favor dos cristãos na cidade de Colossos e que é extensivo a todas as igrejas em todas as latitudes e longitudes, bem como em todos os tempos e épocas: “Pedimos a Deus que vos dê o pleno conhecimento da sua vontade, concedendo-vos toda a sabedoria e entendimento que vem do Seu Espírito.” (Colossenses 1:9 – BPT).

 Se não soubermos o que está escrito, o que Deus nos deu a conhecer, o que Ele teve o cuidado de nos revelar e de deixar registado em palavras, ficamos à mercê das vicissitudes de circunstâncias e situações que, pura e simplesmente, nos podem devorar e esmagar. Não há uma fé saudável e vigorosa fora de um conhecimento aprofundado da revelação divina, até porque a fé vem pelo ouvir e o ouvir a Palavra de Deus (Romanos 10:17). A tendência verificada em muitos setores da população de desinteresse na leitura, é um fator muito negativo. No passado registamos que muitas pessoas analfabetas aprendiam a ler, para poderem ler a Palavra de Deus. Hoje pessoas com mais ou menos formação académica ignoram e desprezam o que Deus diz. Se há um conhecimento e informação que não podemos desprezar pelas consequências que daí advêm pela eternidade adentro, é investirmos continuamente no conhecimento de Deus que se nos dá a conhecer pela Sua Palavra. Conhecer e viver muda o que somos e o modo como vivemos! Os benefícios são pessoais, familiares, profissionais, empresariais, sociais, políticos, morais e éticos.
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com  

 

“E então chegará o fim”
Vivemos num mundo confuso. Misturam-se os pesadelos com os sonhos, e os sorrisos com as lágrimas, as alegrias com as tristezas, a ilusão com a realidade. Sabemos muito pouco da maldade e da injustiça que grassa pelo mundo inteiro. Julgo que não sobreviveríamos mental, emocional e espiritualmente a esse conhecimento. Apesar de estarmos longe, mesmo muito longe do “Admirável Mundo Novo” de Aldous Huxley, ou do paraíso na terra celebrado por Karl Marx através da luta de classes, ou de um sistema autorregulado pelo do ultraliberalismo económico-financeiro, ainda existem hoje algumas utopias que teimam em manter-se a partir dos prodígios científicos e tecnológicos.

 A afirmação que nos serve de título foi proferida por Jesus e encontra-se no evangelho de Mateus no chamado sermão profético (capítulo vinte e quatro). A declaração foi proferida no Monte das Oliveiras, depois da saída do templo quando os discípulos chamavam a atenção do Mestre para a imponência e solidez da construção, na qual se espelhava o seu orgulho religioso e representava a presença de Deus. Nessa altura Jesus antecipou o que haveria de acontecer nos anos setenta, ainda dentro daquela geração e que alguns dos discípulos tiveram oportunidade de testemunhar. Foram palavras difíceis de entender e muito menos aceitar por parte dos discípulos: “Estão a ver esta grandiosidade, não estão? Pois eu vos garanto que não ficará aqui pedra sobre pedra: será tudo deitado abaixo.” (Mateus 24:2 – BPT).

 Apesar das aspirações humanas de tentar construir o paraíso independentemente de Deus e muitas vezes contra Ele, ou de alguns grupos de realizarem o reino de Deus agora através das boas obras e da ação política, a Bíblia dá-nos a entender que devemos fazer tudo o que está ao nosso alcance na vivência do amor, do perdão, do serviço, como pacificadores, agentes da graça, mas também é bem clara que a maior necessidade do homem é experimentar o perdão dos seus pecados e viver na certeza absoluta da vida eterna. Recuso determinantemente que uma mente e um coração focados na eternidade, seja uma fuga em relação ao que aqui e agora precisamos desenvolver. Concordo com quem afirma que os que mais fizeram pelo mundo atual, foram os que mais viveram com os olhos colocados no porvir.

 Estou muito feliz por viver neste tempo, pelo percurso dos meus sessenta e um anos. É verdadeiramente estonteante o progresso. Quando nasci a televisão ainda não tinha surgido, o rádio era uma caixa bem grande, fotografias só tiradas através de uma máquina bizarra em que o fotógrafo se enfiava debaixo de um pano preto. Não existiam ainda os gravadores de cassetes, os gira discos, e se os havia apenas uma minoria tinha a eles acesso. Depois vieram os computadores, os telemóveis, os CD’s, os DVD’s e as pen’s. Hoje com um único aparelho e não precisa ser muito grande, ouve-se música, vêem-se filmes, ouvem-se e vêem-se as notícias, encomenda-se roupa ou tecnologia do outro lado do mundo, fala-se e vê-se a pessoa que se quer contatar, filma-se, grava-se som, tiram-se fotografias e sei lá mais o quê. O que é que o futuro nos poderá trazer e de que forma nos poderá surpreender? No domínio da saúde o desenvolvimento é abissal e estonteante, com uma velocidade que não conseguimos acompanhar. Cada vez mais um maior número de pessoas se sente ignorante em relação ao que o rodeia, e cada vez mais por um lado se tem acesso a essas potencialidades, mas por outro lado se teme que esse acesso fique reservado a uma elite. Alguns anunciam que em breve os robôs vão substituir as pessoas e tudo está pronto para que cada habitante da terra seja monitorizado à distância por um ship em nome da segurança, da saúde, do bem-estar, da justiça económica, etc. Um homem se encarregará de apresentar e impor esse velho/novo deus tecnológico, energético, colocando o homem no lugar de Deus e exigindo uma absoluta fidelidade e adoração.

 Quando falamos das apreensões não é preciso ir mais longe do que estamos a ver na poluição, no aquecimento glocal, nas catástrofes naturais; e no terrorismo que não precisa de muita sofisticação a não ser objetos do quotidiano.

 John Stott traduziu a revelação bíblica de uma forma muito simples e clara em relação a todos os que vivem numa relação pessoal com Deus em Jesus Cristo: “vivemos entre o já e o ainda não”. O já exige de nós todo o nosso envolvimento em tudo o que somos e fazemos, sem fronteiras e fragmentações entre o sagrado e o profano. Profissão, família, igreja, lazer – tudo faz parte de uma só vocação – viver para a glória de Deus e viver segundo o Seu propósito em santidade de vida, em amor, generosidade, promovendo a paz, assumindo o perdão mesmo diante das injustiças que não deixam de o ser. Mas ao mesmo tempo vivendo o já na antecipação gozosa de uma eternidade na casa do Pai, e expetativa do fim de todo o pecado, de toda a maldade, de todas as doenças, de todo o sofrimento, de toda a dor, de toda a morte. O dia em que todas as lágrimas serão secadas, em que todo o luto cessará, em que não haverá mais lugar para o conflito, para as guerras, para as bombas, para as catástrofes e epidemias. O dia em que nenhuma criança voltará ter fome, será violada e sujeita à escravidão. Foi isto que João viu antecipadamente no sofrimento do martírio na Ilha de Patmos que não pôde impedi-lo de subir ao céu e ver o que nós havemos de vivenciar. “Vi então um novo céu e uma nova Terra (…). Esta é a morada de Deus junto dos homens. Ele habitará com eles e eles serão o seu povo. Ele enxugará todas as lágrimas dos seus olhos e já não haverá mais morte nem luto nem pranto nem dor porque as primeiras coisas desapareceram.” (Apocalipse 21:1-4 – BPT).
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

O CORDÃO DE TRÊS DOBRAS
 Completei no ano passado trinta e três anos de casado. Uma bonita idade nos dias que correm, mas ainda longe de alguns casais que conheço e que já celebraram os cinquenta. Ainda assim o número causa alguma admiração por parte de algumas pessoas com as quais convivemos.
 Tudo começou como um romance arrebatador. Veio o casamento e com o passar dos anos a paixão deu lugar ao amor calmo e tranquilo. Nem sempre os momentos foram fáceis, antes bem pelo contrário, a fazer jus à promessa nupcial “seja melhor ou pior a sorte, na saúde ou na doença…”. E ao contrário do que alguns pensam isto nada tem a ver com pensamento positivo ou negativo. As promessas divinas também implicam momentos complicados em que a Sua presença não deixa de se fazer sentir, mesmo quando temos dificuldade em percebê-la mediante os cinco sentidos ou as emoções, em que ela foge à própria razão e ao coração, e é pela fé que a identificamos.
 O momento mais marcante aconteceu dez anos depois do enlace com o nascimento da nossa única filha, agora a preparar-se também para o seu momento de sonho matrimonial. O melhor conselho que lhe damos é a presença e a direção divinas. O nosso exemplo é suficiente. Em meio às nossas falhas, conflitos, frustrações, tensões, ansiedades, fracassos entremeados com os momentos contínuos de relacionamento, mimo, passeio, brincadeira, cuidado, Deus é a presença indispensável. A Sua orientação e o modo como vai colmatando, superando, agindo em cada uma das nossas insuficiências é de todo imprescindível. Não que Deus seja um tapa buracos. Bem pelo contrário. É Ele que preenche toda a vida e sem Ele nada sobra e se mantém. Tudo o resto vem na Sua soberania, beneplácito, uma vontade sempre boa, perfeita e agradável. Ele é o Pai das luzes de quem toda a boa dádiva é “emanada” e recebida (Tiago 1:17).
 Se me pedissem um sinal marcante desta realidade eu selecionaria a graça de da complementaridade na vivência familiar, profissional e ministerial com ajuda mútua e colaboração, com a realidade de a maior parte das vezes orarmos e outras vezes (bem menos) um orar quando ao outro faltam as palavras.
 Talvez esta introdução para alguns não seja muito condizente com um editorial. Mas como falar do relacionamento conjugal, do casamento na sua realidade pessoal, familiar, eclesial, social e até jurídica sem uma relação direta com a experiência pessoal? Cada um terá a sua. Uma mais brilhantes e outros nem tanto assim. Umas venceram e superaram cada agrura, outras continuam a carregar traumas que vêm sabe-se lá de onde (não importa escarafunchar e arranhar as feridas porque só as irá infetar e manter abertas). O divórcio e a violência estão na ordem do dia. Algumas notícias são aterradoras. É urgente ouvir Deus e seguir as Suas orientações. É sempre possível em Deus encontrar restauração pelo perdão, arrependimento e conversão. A disposição de com Ele ter um novo começo. Pode ser doloroso, mas sempre valerá a pena deixar que Ele nos arranque os espinhos cravados na alma e que dilaceram a vida. Cuidado também com as ilusões de que infringir os princípios estabelecidos por Deus não provoca graves e fatais consequências. Céu e inferno estão aí diante de nós. Jesus faz a diferença e só por Ele alcançamos uma vida bem-aventurada.
 A Bíblia revela-nos Deus como o autor do casamento – “não é bom que o homem viva só”. A Bíblia dá-nos a conhecer que na criação homem e mulher eram um só. Recentemente ouvi uma apresentação muito sugestiva para o sentido bíblico da criação da mulher. Não alguém para viver atrás, à frente ou ao lado, mas para viverem os dois face a face, olhos nos olhos – sugestiva imagem para “coadjutora” ou “auxiliadora”. Excelente figura também para entendermos a submissão – viver sob a missão de outrem que é amar até à dádiva da própria vida.
 O “desvio” da condição original, a palavra exata e mesmo assim insuficiente para traduzir todo o desastre que envolveu a “queda”. O homem e a mulher caíram. Daí a vergonha, a ocultação, o passa culpas, a inimizade, os conflitos foram ganhando terreno como ervas daninhas numa terra contaminada – a corrupção geral do ser humano, ainda assim poupada nas suas possíveis e radicais implicações pela graça comum e pela soberania divina que garantiu logo à partida a redenção, reconciliação, justificação, perdão e expiação. Tudo o que era preciso para voltar ao original e até superá-lo foi feito por e em Jesus Cristo, que expressou até às últimas instâncias quem DEUS É, quebrou toda a mentira da serpente, libertou-nos do escrito de dívida que sobre nós caía e nos aprisionava – Deus é bom, santo, amoroso, misericordioso, longânimo, justo.
 O texto que nos serve de título é extraído de uma passagem do livro de Eclesiastes no primeiro testamento que foi escrito antes do nascimento de Jesus. “Melhor é serem dois do que um (…) O cordão de três dobras não se rebenta com facilidade.” (4:9-12 – JFA). A primeira dobra que reforça as duas é Deus. A minha experiência comprova que é essa primeira dobra é decisiva e determinante!
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

“DÁ-ME DE BEBER”
 Poderíamos pensar que este pedido poderia ter sido formulado por alguém em estado terminal ou acamado sem recursos próprios para levar um copo até à torneira de casa e saciar a sua sede. Poderíamos associá-lo a um mendigo, a um sem-abrigo, mas ainda assim com alguma estranheza porque um pouco de água pode ser conseguido em qualquer chafariz ou fontanário público. Talvez poderíamos pensar em alguma vítima de um atentado terrorista, a um soldado baleado no campo de combate. As possibilidades podem ser mais do que muitas. Mas, hoje em dia, na nossa sociedade ocidental, um copo de água é algo de banal. O mesmo porventura não acontece em outras regiões em seca extrema e em que um pouco de água potável é um bem precioso.
 Mas este pedido é bem mais estranho porque foi proferido por Jesus, Deus como Homem entre nós, a uma mulher samaritana que numa hora pouco usual ali chegava para transportar para casa o precioso líquido no seu cântaro. O Senhor Criador e Soberano, Aquele que fez todas as coisas, volta-se para uma mulher e sem qualquer pudor ou inibição apresenta a sua sede e solicita que ela lhe possa dar um pouco de água para a saciar, depois um longo caminho. Estanha atitude da parte de quem é capaz de todas as coisas, e de quem todas as coisas dependem e subsistem.
 A esta surpresa podemos acrescentar o fato cultural de que um homem não se dirigia em pública com este à vontade em relação a uma mulher, e muito menos a uma samaritana. Com o decorrer da conversa a surpresa ainda sobe de tom quando nos apercebemos que a mulher tinha um comportamento algo duvidoso. Para os religiosos de então era de todo inimaginável que um profeta, um representante do divino, um sacerdote e muito menos o Messias tivesse semelhante atitude.
 O pedido de água foi genuíno. Jesus estava com sede. Não foi um pretexto para meter conversa embora o assunto se prestou para desenvolvimentos muito sugestivos, interessantes e de real valor para a qualidade de vida daquela mulher e de cada um de nós. “Se tu conhecesses o que Deus tem para dar (…) e quem é aquele que te está a pedir água, tu é que lhe pedirias e ele dava-te água viva.” (João 4:10 – BPT). Jesus desbloqueia todos os preconceitos e todas as inibições para que a mulher reconhecesse a sua necessidade de uma água que não a física e saciasse a sua sede espiritual.
 O problema do homem está na sua ignorância acerca de quem Deus é. Conhecer Deus em todo o Seu amor, bondade, misericórdia, santidade e justiça remove toda a loucura de julgarmos que Ele é o nosso inimigo, e a loucura de tentarmos usurpar de Deus a Sua Soberania. O pecado do homem radica precisamente em querer ser e estar acima do próprio Deus, governar a sua vida de acordo com os seus desejos, tendências, inclinações e preferências. O homem quis assumir a direção da sua vida e tornar-se um especialista na ciência do bem e do mal. O homem julga que pode alterar as leis espirituais, morais e éticas, com que foi criado à imagem e semelhança de Deus. O homem foi feito por Deus. Tudo o que existe é da criação divina. Não há outra forma de podermos viver em plenitude e harmonia, senão de acordo com a natureza divina, numa relação pessoal com Deus.
 Jesus disse à mulher “Se conhecesses o que Deus tem para dar e quem é aquele que te está a pedir água”. Deus não se coíbe de pedir. Jesus naquele momento pediu à mulher o que ela lhe podia dar. Em outra escritura lemos acerca do principal dos pedidos de Deus: “Dá-me filho meu o teu coração” (Provérbios 23:26 – JFA). Existe no mais íntimo do ser humano uma sede que não é apenas de sentido, propósito ou desígnio, mas é um clamor da sua origem e da sua natureza, da fonte da sua essência antes da sua própria existência. Antes de tudo o mais temos que nos encontrar no que somos, no que é intrínseco a nós mesmos. E só nos encontramos de verdade em Deus, porque é n’Ele que está a nossa matriz. A separação de Deus não é uma questão de espaço ou de tempo, é uma realidade que tem que ver com a nossa essência. Fomos criados à Sua imagem e semelhança, não podemos esquecer isto. Isto é essencial e central. Quando reencontramos esta essência a nossa existência muda de sentido e de orientação. Reencontramos o nosso propósito e sentido, o nosso desígnio e o nosso design. Tudo isto é possível única e exclusivamente em Jesus, porque em Jesus temos o Deus que é Criador e temos o Homem segundo essa matriz. Só Jesus nos pode reconciliar, só Ele nos pode trazer de volta. Só Ele pode saciar a nossa sede. A sede da mulher samaritana foi saciada e milhões ao longo dos séculos, desde então, viram a sua sede saciada. Hoje também esta a nova realidade que está ao nosso alcance. É simples… “tu lhe pedirias, e ele te daria”. Ele continua a dar. Quem tem sede continua a ser saciado. Água viva!
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com

 

“AMARÁS O TEU PRÓXIMO COMO A TI MESMO.”
 
 Uma orquestra constituída por dezenas de executantes, cada um exímio no seu instrumento independentemente do seu tamanho, forma e sonoridade, independentemente do lugar que ocupa na orquestra, do tamanho ou da altura das notas musicais que retira do seu instrumento; seguindo à risca a sua partitura, atento ao mínimo gesto do maestro… e um público extasiado e envolvido pela harmonia que resulta do todo, em que cada uma das partes é essencial. O exímio condutor da orquestra deteta qualquer ausência, e cada um conhece e sabe da importância de todos os outros e da sua própria. É a HARMONIA.

 O que acontece numa orquestra acontece igualmente num coral, num quarteto ou num dueto. As vozes e os instrumentos, ou simplesmente à capella encaixam-se, complementam-se e o resultado eleva o coração e a mente, chega a provocar reações no próprio corpo.

 No solista podemos divisar algo semelhante na afinação, no timbre, na sensibilidade individual e própria de cada um, na interpretação que confere a uma determinada composição, qualquer que seja o estilo. Aqui destacaria a AFINAÇÃO.

 O mesmo encontramos até na natureza, no chilrear dos pássaros quando escutamos um trinado isolado ou quando até somos envolvidos por um bando de pássaros da mesma espécie ou de espécies diferentes, com trinados diferentes mas cada um transportando um beleza particular e específica, e no todo não divisamos ruído, mas AFINAÇÃO e HARMONIA. Também o deslizar das águas no rio mais ou menos caudaloso, nas cascatas, nos remoinhos ou no fragor das ondas de um mar revolto ou no sussurrar de um mar tranquilo. Poderíamos alongar a nossa descrição pelo som do vento ou da brisa, no riso e na gargalhada de uma criança ou de um idoso. Tantas coisas à nossa volta nos falam acerca de estar de bem connosco e com a vida, e que nos servem de parábola para a nossa própria existência.

 Jesus ensinou-nos que devemos amar o próximo como a nós mesmos. Esse é um princípio essencial para estarmos de bem com avida, estando de bem connosco e com os que nos rodeiam. Mas existe um princípio essencial que torna possível este ideal e é o de estarmos bem com Deus. O grande e primeiro de todos os mandamentos é “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento.” (Mateus 22:37 – JFA). Por isso a Bíblia nos fala da urgência de sermos reconciliados com Deus o que Jesus Cristo possibilitou mediante a Sua morte no clímax da Sua existência entre nós. “Em nome de Cristo vos pedimos, irmãos, que se reconciliem com Deus.” (2 Coríntios 5:20 – BPT).

 Deus é amor e é envolvidos nesse amor que encontramos a chave para vivermos em harmonia com Ele, connosco, com o nosso próximo e até com a natureza que nos rodeia. Na orquestra ou no coral, nas vozes como nos instrumentos carecemos de um diapasão para alcançar a afinação e atingirmos a harmonia. Na vida o nosso diapasão é Deus. Foi Ele que nos criou e nunca estaremos bem enquanto não formos por Ele afinados.

 Um dos poemas de um dos cânticos que entoamos nas nossas comunidades traduz de um modo muito incisivo esta realidade:
 
Do meu coração vibram as cordas,
Afinadas p’ra o Mestre louvar;
O pecado este som não outorga,
Só o Gólgota as pode afinar.
 
Aleluia! Glória a Deus,
Que no Gólgota a minh’alma afinou!
Aleluia! Glória a Deus,
Que no Calvário a minh’alma afinou!
 
Também fomos no mundo afinados,
Mas não era agradável o som;
Mas no Gólgota já transformados,
Temos nova harmonia e tom.
 
É Jesus quem as almas afina,
O instrumento Ele cuida mui bem;
Cada dia o som mais refina,
Té tocar os acordes de Além.
 
Se provar esta afinação queres.
Hoje chega-te à cruz com amor;
Harmonia terás se estiveres
Em Jesus o teu Afinador!
 
 
Samuel R. Pinheiro
www.jesus-o-melhor.com 

 

“Bem-aventurada aquela que te concebeu e os seios que te amamentaram!”
 Palavras de uma mulher dirigidas a Jesus, a respeito da sua mãe Maria.
 
 
 Jesus de uma forma surpreendente, mas sem deixar de ser cortês e amável, alargou esta declaração e bem-aventurança a todos os que ouvem a palavra de Deus e a guardam: “Antes bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam!” (Lucas 11:27,28 – JFA).
 Numa outra ocasião alguém avisa Jesus que Sua mãe e Seus irmãos estavam do lado de fora, procurando falar-lhe. Jesus responde com uma pergunta e com uma declaração com o mesmo sentido: “Quem é minha mãe e meus irmãos? E, estendendo a mão para os discípulos, disse: Eis minha mãe e meus irmãos. Porque qualquer que fizer a vontade de meu Pai celeste, esse é meu irmão, irmã e mãe.” (Mateus 12:46-50 – JFA).
 Numa das suas últimas conversas com os discípulos Jesus diz-lhes e a nós também: “Vós sois meus amigos, se fazeis o que eu vos mando.” (João 15:14 – JFA). E o que é que Ele manda: “O meu mandamento é este, que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.” (Mateus 15:12 – JFA). “Isto vos mando, que vos ameis uns aos outros.” (João 15:17 – JFA).
 O mandamento síntese de toda a lei, e a essência da natureza divina na qual fomos formados à Sua imagem e semelhança e da qual nos apartámos em rebeldia que ainda hoje permanece e entra pelos olhos dentro, é o amor.
 Não é o amor que nos salva. Mas é Deus que é amor, em Jesus Cristo – Deus entre nós também como Homem, que nos salva mediante a expressão suprema desse amor que é a Sua morte em nosso lugar na cruz. Nenhum outro morreu por nós ou podia sequer morrer. A nossa morte não poderia ser redentora porque todos, sem exceção, pecamos. Só Aquele que nunca pecou e em que o amor é uma constante absoluta e santa, sem qualquer contaminação, nos podia salvar e nos salvou. Em Jesus somos salvos para amar.
 Um intérprete da lei interpelou Jesus acerca de qual é o grande mandamento da lei. A esta pertinente questão Jesus respondeu: “Ouve, ó Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor! Amarás, pois, o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento, e de toda a tua força. O segundo é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.” Diante desta resposta o teólogo que sabia muitíssimo menos do que Jesus, mas sabia o suficiente da lei para perceber que o Mestre estava certo, assumiu: “Muito bem, Mestre, e com verdade disseste que ele é o único, e não há outro senão ele; e que amar a Deus de todo o coração, de todo o entendimento e de toda a força, e amar ao próximo como a si mesmo, excede a todos os holocaustos e sacrifícios.” Na narrativa deste evangelho a conversa acaba de um modo muito significativo mas não totalmente satisfatório. Jesus declara ao religioso: “Não estás longe do reino de Deus.” (Marcos 12:28-34 – JFA). Estava perto, mas não fazia parte. Conhecia a letra da lei, mas não conhecia o coração de Deus. O que faltava era determinante: o amor de Deus manifesto a Seu favor quando Jesus morresse na cruz também a Seu favor. Só Jesus nos pode salvar. Jesus na cruz é o holocausto e o sacrifício perfeitos e definitivos. Somos amados para poder amar de verdade e em verdade! Nada mais é preciso!
 Se amamos a Deus desta forma cumpriremos os primeiros três mandamentos da lei: “Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagem de escultura (…). Não as adorarás, nem lhes darás culto (…). Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão (…).” (Êxodo 20:1-7 – JFA). Se amamos o próximo como a nós mesmos cumpriremos os restantes sete mandamentos: “Lembra-te do dia de sábado, para o santificar (…). Honra a teu e a tua mãe (…). Não matarás. Não adulterarás. Não furtarás. Não dirás falso testemunho contra o teu próximo. Não cobiçarás (…).” (Êxodo 20:8-17 – JFA). Amando a Deus só a Ele adoraremos e louvaremos. Só a Ele teremos como Senhor e como Salvador. E esta é a parte decisiva para entrarmos no Seu reino: recebermos da Sua parte o perdão de todos os nossos pecados, porque todos ficamos aquém da Sua vontade e não temos como em nós próprios de regressar à condição com que fomos criados, e mais do que isso a sermos filhos de Deus. Tudo isso só é possível em e por JESUS CRISTO! Tudo isto para vivermos em amor como o nosso Criador e Pai.
Samuel R. Pinheiro
www.deus-e-amor01.webnode.pt

 

“ESTÁ CONSUMADO!”
(João 19:20)
 O que precisava ser feito foi plenamente concretizado. E o que foi realizado era tudo o que o próprio Deus determinou que fosse feito. Foi Ele que estabeleceu a exigência sem qualquer facilitismo, com todo o rigor, segundo a Sua santidade, justiça e amor. Essa exigência só poderia ser cumprida por Ele e implicava que uma Pessoa da Trindade tomasse a forma humana, nascesse como homem, vivesse integralmente segundo a natureza pura e santa de Deus em meio da maior oposição e na condição de criatura. Sua vida não foi fácil. Jesus não foi poupada a nada. Antes bem pelo contrário, tudo o que de pior pudesse acontecer tocou a Sua existência entre nós. Ele conhece o pecado, não porque pecou, mas porque viveu entre uma humanidade pecadora que nunca rejeitou, e acolheu, amou e sofreu até às últimas consequências. Deus não ajudou ou salvou à distância, por decreto, a partir do céu, mas na terra entre os homens.
 É impossível penetrar nas profundezas de Deus e percebermos porque Deus assim decidiu. Parece-nos radical demais. Temos uma evidência no negativo nas religiões que exigiam dos homens a propiciação, apaziguar a ira divina através dos sacrifícios humanos, da imolação de crianças, em flagelamentos e sacrifícios pessoais. No evangelho é o próprio Deus que assume a propiciação em amor, graça e misericórdia para com toda a humanidade. Ficamos com a doxologia, exclamação de adoração e louvor que o apóstolo Paulo inscreve na carta que escreve aos cristãos em Roma: “Como é imensa a riqueza de Deus e a sua sabedoria e ciência! Quem poderá explicar os seus planos e compreender os seus caminhos! Bem diz a Escritura: Quem é que conheceu os pensamentos do Senhor? Quem antes deu algo a Deus para que isso lhe seja retribuído? É que tudo veio de Deus e tudo existe por ele e para ele. A Deus seja dado louvor para todo o sempre. Ámen.” (Romanos 11:33-36 – BPT)
 A árvore da ciência do bem e do mal que o homem preferiu em desobediência a Deus, em vez da natureza que flui em amor, santidade, paz, bondade, santidade e inocência, impõe o governo humano sob a ditadura das potestades do mal. E o homem morre. É despojado da vida de Deus.
 O absoluto da maldade só é erradicado, destruído pelo absoluto do amor em Deus na forma humana dando a Sua vida, morrendo por toda a humanidade. O amor de Deus não pode ser mais questionado ou posto em dúvida perante a cruz. A serpente em tudo o que ela personifica lançou uma dúvida letal sobre o caráter divino, sobre a sua essência e natureza. Deus como o inimigo da felicidade e realização do homem. Nada de mais maligno e de mais mortífero. Na cruz Deus desfaz toda a insinuação e acusação. JESUS CRUCIFICADO É O AMOR DE DEUS EM TODA A SUA VEEMÊNCIA, ABSOLUTAMENTE ABSOLUTO (perdoe-se a redundância mas a palavra não pode ir mais além). Amor inegável, amor absoluto e radical que é demonstrado de modo insuperável na cruz de Cristo, aniquilando todas as estruturas do mal. Deus como servo lavando os pés dos discípulos, tocando os leprosos, amigo de publicanos e pecadores, acolhendo os samaritanos, cuspido pela soldadesca romana, coroado de espinhos, chicoteado, vilipendiado, acusado de Belzebu, … o Senhor de todo o Universo, Deus o Criador e sustentador de todas as coisas. Não dá para entender, mas dá para amar de todo o coração e viver extasiado experimentando a salvação e nela o desafio para viver segundo esse padrão.
 É uma vez mais pela escrita de Paulo aos crentes na cidade de Éfeso numa oração impactante, que somos colocados desse amor indescritível: “Por este motivo, eu me ajoelho em oração diante de Deus Pai, do qual toda a paternidade, tanto no Céu como na Terra, recebe o nome. Que ele vos conceda, com a riqueza da sua glória, a força de se manterem interiormente firmes e seguros, pelo Espírito. Também peço a Deus que Cristo habite pela fé nos vossos corações e que estejam bem arraigados e alicerçados em amor, para poderem compreender, com todos os crentes, a grandeza, a largueza, a imensidão e a profundidade do amor de Cristo. Que sejam capazes de conhecer o amor de Cristo, ainda que ele ultrapasse qualquer possibilidade de conhecimento, para que Deus vos encha com toda a sua plenitude. Dêmos louvores a Deus, o qual, pela força que nos concede, tem poder para realizar muito mais do que aquilo que nós pedimos ou somos capazes de imaginar. Dêmos-lhe glória por meio da igreja e de Jesus Cristo, agora e para todo o sempre. Ámem.” (Efésios 3:14-21 – BPT)
 A MAIOR HISTÓRIA DE AMOR DE TODOS OS TEMPOS!
 
Samuel R. Pinheiro
www.deus-e-amor01.webnode.pt

 

“Que poderá uma pessoa dar em troca da sua vida?”
 Não nos criámos a nós mesmos. Nada do que existe foi feito por nós. Tudo o que podemos criar é apenas cocriação, ou seja criamos a partir do que já está criado. Deus é o Criador. Tudo o que existe foi trazido à existência por Ele. A nossa existência e a nossa vida é uma dádiva. Existimos porque Deus decidiu trazer-nos à existência.
 Existindo temos que escolher, escolher. A vida é feita de escolhas simples, mas há uma escolha que supera todas as restantes e que é base de todas elas. Uma escolha que determina o nosso presente e o nosso futuro temporal e eterno. Escolhendo podemos rejeitar o nosso Criador, Aquele que nos deu a vida e o resultado disso é simplesmente a morte espiritual. Não apenas a morte física, mas a perda da vida de Deus que é espiritual, e que marca a nossa diferença em relação a todas as outras formas de vida. Fomos criados para vivermos na vida de Deus. Foi assim que Adão e Eva foram criados.
 Não há como não escolher e a opção que temos diante de nós é grande, muito grande, tem a dimensão da eternidade e do próprio Deus. Podemos fingir que somos independentes, que dependemos de nós em exclusivo, que somos autossuficientes, que podemos passar sem Ele, que podemos fabricar a nossa própria salvação, podemos inventar a nossa própria religião e até esculpir o nosso próprio deus minúsculo. Mas o fim será trágico. Estamos a ir contra a própria vida, estamos a escolher a nossa morte e a perpetuá-la eternamente.
 A maior mentira que pode existir é que a vida de Deus, a essência divina, a natureza do Criador é o nosso maior inimigo. Esta é a maior tolice que podemos alimentar. Deus é o nosso Criador. Deus não precisa de nós, mas criou-nos para partilhar connosco a Sua própria vida, imagem e semelhança. Fomos criados para Ele e só Nele encontramos a nossa verdadeira razão de ser, a nossa essência e natureza.
 Com a escolha do deicídio na nossa própria vida decidimos pela morte. Nada de mais lógico. Tirados da “corrente” ficamos às escuras. Tentámos apagar o sol, eclipsámos a sua luz na nossa vida e instalaram-se as trevas e a noite, recusámos a vida e morremos nos nossos “delitos e pecados” como o apóstolo Paulo escreve na carta endereçada à igreja em Éfeso, à igreja universal, e a toda a humanidade.
 Mas Deus que já sabia que iria ser assim em função do maior dom que nos concedeu ao nos ter criado como pessoas livres, com direito de escolha e opção, desde antes da fundação do mundo já havia assumido, decidido e determinado que viria ao nosso encontro, tomaria a nossa forma, viveria entre nós como um comum mortal, agiria entre nós de acordo com a Sua santidade, perfeição, amor incondicional, graça absoluta e compaixão. E Jesus veio, viveu assim e nós o condenámos sem saber bem o que estávamos a fazer, embora Ele soubesse muito bem o que tinha decidido e o que estava a fazer. Jesus deu a Sua vida. Morreu e tomou a Sua vida de volta. Deus o Pai, O ressuscitou e agora com Ele nós somos vivificados, ressuscitados e assentados nos lugares celestiais (veja-se Efésios capítulo 2).
 O título que escolhemos para este editorial é uma citação das palavras de Jesus no evangelho de Marcos: “Depois chamou a multidão, juntamente com os discípulos, e disse: ‘Se alguém quiser acompanhar-me, renuncie-se a si mesmo, pegue na sua cruz e siga-me. Quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, mas quem perder a sua vida, por causa de mim e do evangelho, a salvará. Pois que que proveito tem alguém em ganhar o mundo inteiro e perder a vida? Que poderá uma pessoa dar em troca da sua vida?” (Marcos 8:141-17 - BPT). Palavras e afirmações aparentemente enigmáticas e difíceis de perceber e decifrar, mas que simplesmente significam que só encontramos a vida em Jesus que é A VIDA e devemos empenhar tudo o que somos nessa decisão que envolve a totalidade do nosso ser. Neste mundo seguir a Jesus e viver a Sua vida, tem o seu custo que corresponde à nossa cruz. Estarmos vivos na vida que Jesus nos comunica tem os seus riscos, mas todos eles valem a pena, porque a vida que vivemos é eterna! E no céu todas as dores cessarão!
 Fomos criados por Deus e somos testemunhas oculares da morte que a inimizade contra Deus provocou. A fonte da vida não somos nós, nem nenhuma religião ou divindade criada por nós, nada que coloquemos no lugar de Deus o substitui. É para Ele que temos de nos voltar. Ele voltou-se para nós, suportou a nossa morte e venceu-a. Agora ao escolhermos Jesus recebemos a vida de Deus e somos feitos Seus filhos. Diariamente vamos dar a nossa vida Àquele que é a vida! Só assim vivemos de facto.
Samuel R. Pinheiro
www.deus-e-amor01.webnode.pt

 

“O amor lança fora o medo!”
(1 João 4:18 – JFA)
O pior dos medos, talvez o mais infundado mas perfeitamente compreensível, é o medo de Deus! Existem muitos fatores que tendem a criar e a potenciar o medo de Deus. Infelizmente a religião tem sido pródiga em promover o medo como argumento para que as pessoas se cheguem a Deus, mas simultaneamente fomentando um medo cego em relação ao próprio Deus. Existem ideias aterradoras de Deus promovidas pela religião. Mas essa não é a imagem que Dele recebemos na pessoa de Jesus.
O sobrenatural tende a provocar o medo nas pessoas que presenciam a sua manifestação, ou naqueles que ouvem falar dele, ou meramente como uma suspeita. Mas apesar de a manifestação divina poder nos intimidar ou assustar, só temos razão para temer a ausência de Deus, quando nos distanciamos Dele. Ainda assim, a Bíblia nos garante que por muito que nos afastemos Dele, Ele sempre está perto o suficiente para nos ouvir e responder.
Porventura algumas pessoas não querem nada com Deus porque têm medo Dele. Talvez muito desse medo seja fundamentado na noção de que a sua vida não é o que deveria ser e, em virtude disso, temem pelo castigo e pela condenação que pode decorrer de se encontrarem com Deus. Muitas vezes a religião mostra Deus como castigador severo e impiedoso, diante do qual o homem não tem nenhuma hipótese. Uma das razões pelas quais os religiosos de então tiveram sérias dificuldades com Jesus, foi o modo como Ele Se relacionava com os proscritos, impuros, fracassados, corruptos, falhados, rejeitados e lançados na margem da sociedade. A religião é pródiga em fomentar castas entre as quais algumas pessoas não têm qualquer hipótese de serem aceites e acolhidas por Deus.
Jesus veio para nos dar a entender que não é de Deus que devemos ter medo. Ele quer o nosso bem. Ele nos ama incondicionalmente. Quando Deus reprova as nossas atitudes e comportamentos, não é porque nos rejeite ou nos queira mal, mas precisamente pelo contrário. Quando olhamos para Jesus, quando lemos acerca Dele, quando O conhecemos, percebemos que não faz qualquer sentido, que é totalmente absurdo ter medo de Deus, do Seu poder e do Seu amor, da Sua santidade e justiça.
João é apresentado como o discípulo a quem Jesus amava, o discípulo amado. Não porque Jesus fazia destrinça entre os Seus discípulos. Jesus ama-nos a todos e quer que todos nós vivamos a nossa vida com a consciência de sermos amados. SER AMADO é o melhor que nos pode acontecer, e termos a noção de que essa é uma verdade insofismável em relação a Deus, é totalmente radical. Por causa disso certamente as cartas que o apóstolo João escreveu estão impregnadas de amor. A sua linguagem é profunda e tocantemente carinhosa, tratando os cristãos a quem se dirige como “filhinhos” e “amados”.
Numa determinada altura os discípulos tiveram medo de Jesus, porque Ele veio ter com eles durante a noite, enquanto lutavam contra uma tempestade no seu barco, andando sobre as águas. Pensaram que se tratava de um fantasma e ficaram aterrorizados. Jesus dirigiu-Se a eles dizendo-lhes “Coragem. Sou eu. Não tenham medo.” (Mateus 14:27). Existem muitos outros momentos na Bíblia em que os destinatários sentiram medo quando acontecimentos fora do habitual ocorreram. A reacção dos agentes divinos foi sempre a mesma: “Não tenham medo!”.
O que devemos temer é não ter o amor de Deus em nós, porque vivenciar esse amor é libertar-nos de todas as formas de opressão. A própria ira de Deus é a ira do Seu amor. E essa ira é contra tudo o que nos molesta e destrói, o que nos arruína e corrompe, o que nos mata agora e eternamente. Como escreve Timothy Keller no livro A Cruz do Rei, publicado pela editora Vida Nova,  “(…) não faz o menor sentido  dizer: ‘Não quero um Deus irado, quero um Deus amoroso’. Se Deus é bom e amoroso, Ele deve Se irar com o mal – irar-se o suficiente para fazer algo a respeito.” (p. 207).
Podemos viver sem medo, inundados pelo amor de Deus. Nada temos a recear em relação ao nosso presente e ao nosso futuro eterno. Estamos em boas mãos quando nos entregamos ao Seu cuidado com uma disposição de obediência. Obedecer ao Seu amor é o melhor que podemos escolher. Foi assim que Jesus viveu. Sem medo! O Pai estava no controle de todos os pormenores da Sua vida.
 
Samuel R. Pinheiro
www.deus-e-amor01.webnode.pt

 

IDE… até aos confins da terra!
Se partirmos do significado do Dicionário da língua portuguesa da Porto Editora (5ª edição), de que prosélito é “aquele que abraça uma nova religião, seita, doutrina ou partido”, até pode parecer numa primeira análise que Jesus Cristo é proselitista, uma vez que Ele deseja que todos em toda a parte ouçam acerca de quem Ele é, do que veio realizar no planeta terra, do cerne e essência da Sua mensagem, do plano e propósito reconciliadores e transformadores de Deus na vida de cada homem e a Ele se convertam. Mas, será mesmo assim?
A vontade de Deus é que todos em toda a parte conheçam o Evangelho. O apóstolo Paulo ao escrever ao seu discípulo Timóteo, da parte do Espírito Santo, diz-nos a todos os que somos seguidores de Jesus e estamos comprometidos com a Sua vontade: “Peço, em primeiro lugar, que todos façam orações, pedidos, súplicas e ações de graças por todos. Orem pelos que governam e exercem autoridade, para podermos viver em paz e sossego, louvando a Deus com dignidade e com todo o respeito. Assim é que deve ser e esta é a vontade de Deus, nosso Salvador. Ele quer que todos se salvem e cheguem ao conhecimento da verdade.” (1 Timóteo 2:1-4, BPT). Não há qualquer sombra de dúvida que Deus quer que todos, em toda a parte, sem qualquer distinção de raça, língua, cultura e classe social, de todas as religiões e de todos as ideologias políticas e filosóficas, ouçam acerca Dele e O aceitem no seu coração como Salvador e Senhor. O Evangelho e a salvação não são apenas para alguns, para uma elite, para “os bonzinhos”, para os competentes e qualificados, para os virtuosos ou para os que julgam que podem adquirir pelo seu esforço ou pelo seu dinheiro o favor divino. A salvação divina, significa voltarmos à casa do Pai, agora como filhos, mediante o que Jesus, Deus feito homem, o Filho de Deus, fez a nosso favor.
No fim da Sua estadia entre nós, depois da Sua morte e ressurreição, antes da Sua ascensão, Jesus entregou aos Seus discípulos, e neles a todos nós, a missão de ir e por toda a parte, até aos confins da terra: “Então Jesus aproximou-se deles e declarou: ‘Foi-me dado todo o poder no Céu e na Terra. Portanto, vão e façam com que todos os povos se tornem meus discípulos. Bapizem-nos em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo quanto eu tenho mandado. E saibam que estarei sempre convosco até ao fim dos tempos.” (Mateus 28:16-20, BPT). “Vão por todo o mundo e preguem a boa nova do evangelho a todas as criaturas. Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado.” (Marcos 16:15,16, BPT). “Mas receberão poder ao descer sobre vós o Espírito Santo e serão minhas testemunhas tanto em Jerusalém, como em toda a Judeia e Samaria, e até aos lugares mais distantes do mundo.” (Atos 1:8, BPT).
Na verdade a ordem de Jesus é bem clara. Não se trata de converter quem quer que seja à igreja, a uma denominação ou religião. Trata-se de levar a todos os homens ao conhecimento acerca de Jesus e da Sua mensagem, que é o Evangelho – boas novas. Não há como excluir esta missão porque é intrínseca ao Evangelho e à própria pessoa de Jesus. Ele é o primeiro missionário, que vem como Deus feito Homem, da parte do Pai, no poder do Espírito Santo, para segundo o profeta Isaías que Jesus mesmo citou na sinagoga de Nazaré, onde fora criado: “O Espírito do Senhor tomou posse de mim, por isso me escolheu para levar a boa nova aos pobres. Enviou-me para anunciar a libertação aos prisioneiros, para dar vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos e para proclamar o tempo favorável da parte do Senhor.” (Lucas 18,19, BPT).
Mas convém ter presente que nada disto acontece por força ou violência, pela manipulação ou intimidação, mas pela ação do Espírito de Deus, como Jesus declarou: “Quando ele chegar há de convencer as pessoas do mundo sobre três coisas: que cometeram pecado, que há um justiça e que há um julgamento De facto, cometeram pecado porque não creem em mim. Depois há uma justiça, porque vou para o Pai e não me verão mais. Finalmente, há um julgamento porque o que domina este mundo já foi condenado.” (João 16:8-11, BPT).
O cumprimento deste objetivo é de tal modo proeminente na agenda de Cristo que é um dos sinais do fim do presente tempo e do início de uma nova era de paz e justiça: “Esta boa nova do reino de Deus será pregada em todo o mundo como testemunho para os povos. E então chegará o fim.” (Mateus 24:14, BPT). Assim esta é uma descrição do que acontecerá nessa nova era e do qual já o profeta Isaías declara: “Não se fará mal nem dano algum em todo o meu santo monte, porque a terra se encherá do conhecimento do SENHOR, como as águas cobrem o mar.” (Isaías 11:9, AA). Por isso o profeta Isaías declara: “Como são formosos sobre os montes os pés do mensageiro que anuncia a paz, que traz a boa nova, que anuncia a salvação, que diz a Sião: ‘O teu Deus reina!’” (Isaías 52:7, BPT).
Concluindo, mais do que um prosélito o que Jesus quer são seguidores de corpo, alma e espírito, que O aceitam como Senhor e Salvador, em arrependimento e conversão e abraçam o Seu estilo de vida e missão.

Samuel R. Pinheiro
www.deus-e-amor01.webnode.pt

 

a.C. – d.C.
 
 A História divide-se entre antes e depois de Cristo. Biblicamente podemos dizer que Cristo é a chave da História tanto no antes como no depois. O antes e o depois é definido pela presença em carne e osso, na forma humana, de Deus entre nós. Pode até acontecer que um dia um qualquer anticristo imponha que o tempo se conte de modo diferente. Nesta corrente de acontecimentos em que tudo o que afirme Jesus Cristo é considerado uma afronta para o relativismo e pluralismo religioso tudo pode acontecer, por mais louco e absurdo que possa parecer. Mas na eternidade, antes de todas as coisas existirem Jesus é a chave da História. Ou seja em Jesus temos Deus e o Homem na terra – 100% Deus e 100% Homem. Um mistério certamente, mas na natureza e na essência é isso que sucede. Não temos duas pessoas ou duas personalidades, mas uma só Pessoa e uma só Personalidade. Essa Pessoa e essa Personalidade é Deus connosco.
 A realidade é que esta verdade no tempo é apenas o reflexo da verdade eterna. Tudo o que tem a ver com o plano divino e com o Seu mover na História, existe desde sempre na eternidade. Antes da fundação do mundo o Cordeiro de Deus – Jesus Cristo, foi destinado para morrer a nosso favor conforme nos informa o Espírito Santo pelo apóstolo Pedro na sua primeira carta: “Saibam que foram resgatados daquela vida inútil que tinham herdado dos antepassados. E não foi pelo preço de coisas que desaparecem, como a prata e o ouro, mas pelo sangue precioso de Cristo, como o de um cordeiro sem mancha nem defeito. Ele tinha sido destinado para isso, ainda antes da criação do mundo, e manifestou-se nestes últimos tempos para vosso bem. Por meio dele crêem em Deus, que o ressuscitou dos mortos, e o glorificou. E assim a vossa fé e esperança estão postas em Deus.” (1 Pedro 1:17-21 – BPT).
 Na mesma linha de revelação o apóstolo Paulo fala a respeito de todos os que crêem em Jesus, e que segundo o eterno propósito divino foram escolhidos para uma nova vida segundo a Sua natureza de santidade e amor. “Pois, antes de o mundo existir, ele escolheu-nos para juntamente com Cristo sermos santos e irrepreensíveis e vivermos diante dele em amor. Ele destinou-nos para sermos seus filhos por meio de Cristo, conforme era seu desejo e vontade, para louvor da sua graça gloriosa que ele gratuitamente nos concedeu no seu amado Filho.” (Efésios 1:4-6 – BPT).
 O amor das três pessoas da Trindade será contemplado e usufruído na sua plenitude pela nova humanidade recriada em Jesus. Esse amor preenche de modo absoluto a eternidade no absoluto divino, e nós estamos vocacionados a contemplá-lo e a vivenciá-lo: “Pai! Que todos aqueles que me deste estejam onde eu estiver, para que possam contemplar a glória que me deste, porque tu amaste-me antes que o mundo fosse mundo.” (João 17:24 – BPT).
 O nascimento de Jesus a que se refere o Natal, é o acontecimento na História do que desde antes da criação de todas as coisas Deus tinha determinado que haveria de ser. Deus não foi surpreendido pela decisão do homem de romper com uma vida e natureza em conformidade com a Sua natureza e essência. O homem preferiu a ciência do bem e do mal e ainda hoje se debate com toda a sorte de frutos amargos, envenenados e podres que daí decorrem. O homem foi criado para viver no amor divino, e não na dialética do bem e do mal.
 Um dia destes o tempo como o conhecemos atualmente, marcado pela morte, sofrimento, dor, miséria, fome, guerras, violência, iniquidade, corrução e imoralidade, desaparecerá por completo, e um novo tempo cheio do que a eternidade divina representa será instaurado. Deus habitará com os homens e até os instrumentos de guerra serão transformados em utensílios de lavoura, a ovelha pastará com o leão e a criança brincará com a áspide. Nesse dia céu e terra serão uma mesma realidade.
 O plano divino consiste em reunir tudo em submissão a Jesus Cristo. “Deu-nos a conhecer o mistério da sua vontade e o plano generoso que tinha determinado realizar por meio de Cristo. Esse plano consiste em levar o Universo à sua realização total, reunindo todas as coisas em submissão a Cristo, tanto nos Céus como na Terra. Foi também em Cristo que fomos escolhidos para sermos herdeiros do seu reino, destinados de acordo com o plano daquele que tudo opera conforme o propósito da sua vontade. Louvemos, portanto, a glória de Deus, nós que previamente já pusemos a nossa esperança em Cristo.” (Efésios 1:9-14 – BPT). Natal é Deus tornando-se parte da humanidade para a redimir e resgatar, trazendo-a de volta ao Seu amor. O amor triunfa radicalmente na vida e morte de Jesus, bem como na Sua segunda vinda para estabelecer novos céus e nova terra. Celebrar o Natal é celebrar esta vitória na nossa vida e na História!

Samuel R. Pinheiro

 

“Na casa de meu Pai há muitos lugares”
 Um dia vamos partir. Não temos residência permanente aqui. Estamos de passagem. Somos forasteiros e peregrinos. A nossa hora chegará impreterivelmente. Não há como contornar ou escapar. Apenas escaparemos à morte se Jesus vier antes. Este é o último inimigo a ser defrontado, mas é já um inimigo vencido porque Jesus morreu e ressuscitou. Isso significa que a morte já não tem poder sobre nós. O apóstolo Paulo exulta de modo apoteótico no capítulo quinze da primeira carta que o Espírito Santo inspirou para ser remetida em primeiro lugar à igreja na cidade de Corinto: “Ó morte, onde está agora a tua vitória? Onde está o teu poder de matar? O poder da morte é o pecado e o que dá poder ao pecado é a lei. Graças a Deus que nos deu a vitória por meio de nosso Senhor Jesus Cristo!” (versículos 55 e 56 – BPT).
 A declaração que nos serve de título foi proferida por Jesus Cristo. Na realidade só Ele a podia fazer considerando a Sua identidade como o Filho de Deus, o próprio Deus entre nós como o Homem. A morte não faz parte dos planos futuros de Deus, nem dos Seus planos criativos. Ela é a antítese de Deus. Deus é vida. A desobediência, o pecado, é que introduziram a morte na raça humana. O homem não foi criado para morrer, mas para viver a vida de Deus para sempre. Jesus veio porque nenhum homem  podia destruir o poder da morte. Só Ele estava em condições de a destruir e foi isso que Ele fez. Mas ela não podia ser destruída por decreto, tinha que ser destruída passando por ela, experimentando-a. Deus não pode estar sujeito à morte. Não sendo gerado em pecado e não tendo nunca cometido pecado, a morte não tinha domínio sobre Jesus e Ele não podia ser morto. Só Ele se podia sujeitar de vontade própria à morte, e ainda assim, segundo a determinação divina, suportando sobre Si todo o nosso pecado. Por isso desde esse momento, o pecado e a morte foram destruídos. O perdão está ao nosso alcance, é-nos oferecido e com ele a libertação da pena de morte.
 Na morte estaremos sozinhos, ninguém estará lá para nos acompanhar, a não ser que entreguemos antecipadamente a nossa vida nas mãos de Jesus nosso Criador e Redentor, Salvador e Libertador. Por isso David, o Salmista, no Salmo vinte e três, inspirado pelo Espírito Santo e ainda antes da vinda de Jesus á terra na Sua missão salvadora, pode declarar em fé: “Ainda que eu atravesse o vale da sombra da morte, não terei receio de nada, porque tu, Senhor, estás comigo. O teu bordão e o teu cajado dão-me segurança.” (verso 4 – BPT)
 Não gosto da morte. A morte é uma afronta, um “ente” estranho, um intruso. A partida dos meus próximos, dos meus entes queridos e amigos perturba-me, é um momento doloroso a separação. A Bíblia não esconde a dor causada pela morte de várias personagens, não esconde inclusivamente o facto de que Jesus chorou diante do sepulcro do seu amigo Lázaro, que logo haveria de trazer de volta à vida. Só o Criador para sentir como nenhum outro a perturbação causada na Sua obra pelo pecado. O Novo Testamento não cala a dor e as lágrimas em um ou outro momento da morte de alguns dos seguidores de Jesus. Mas essa dor perfeitamente compreensível é acompanhada de uma gloriosa esperança. No episódio da ressurreição de Lázaro Jesus declarou a Marta, uma das irmãs do defunto: “Eu sou a ressurreição e a vida. O que crê em mim, mesmo que morra, há-de viver. E todo aquele que está vivo e crê em mim, nunca mais há-de morrer. Crês tu nisto?” (João 11:25,26 – BPT)
 Quando Jesus proferiu as palavras que usamos como título neste editorial, Jesus começa por sossegar o coração dos Seus discípulos e trazer-lhes ânimo e conforto, fé e esperança: “Não estejam preocupados. Uma vez que têm fé em Deus, tenham também fé em mim! Na casa de meu Pai há muitos lugares; se assim não fosse, ter-vos-ia dito que vou preparar-vos um lugar? Eu vou à vossa frente para vos preparar lugar. E depois de vos ir preparar um lugar, hei-de voltar para vos levar para junto de mim, de modo que estejam onde eu estiver.” (João 14:1-3 – BPT) A razão das razões pra crermos em Jesus é a vida e não a morte. Crer em Jesus significa vida e ainda mais vida, para usar a expressão que Eugene H. Peterson, usa na paráfrase A MENSAGEM (Filipenses 1:21). Como escreveu o apóstolo Paulo acerca de si mesmo, nós também em Jesus, podemos dizer o mesmo: “De facto, para mim o viver é Cristo e o morrer é ganho” (Filipenses 1:21). Só em Jesus o além deixa de ser manipulado pelas trevas, para ser iluminado pela Sua vida e pelas Suas palavras.

Samuel R. Pinheiro
www.deus-e-amor01.webnode.pt

 

TENDE BOM ÂNIMO – APRENDAM COMIGO!

“Disse-vos disse isto para que encontrem paz em mim. Têm muito que sofrer no mundo, mas tenham coragem! Eu venci o mundo.” (João 16:33 – BPT)
 Palavras de Jesus, no fim de uma conversa com os Seus discípulos, que ouviam o Mestre, dando a ideia de que estavam a entender tudo o que Jesus lhes estava a comunicar sobre a Sua partida iminente. Nessas palavras Jesus declara aos Seus discípulos que vai chegar o momento em que não lhes falará por meio de comparações. Nessa altura Jesus afirma que “Nessa altura pedirão em meu nome, e nem vai ser preciso que eu peça ao Pai por vós, pois o Pai ama-vos a todos, porque vocês me amam e crêem que eu vim de Deus. Eu saí de junto do Pai para vir a este mundo. Agora deixo o mundo e vou novamente ter com o Pai.” (16:25-28)
 Estas palavras poderiam alimentar o equívoco de que tudo seria um mar de rosas e ainda há hoje muitas pessoas a pensar que seguir a Jesus significa ficarmos isentos de problemas e dificuldades, principalmente os que decorrem da afirmação e da vivência da fé. Por isso Jesus acaba por “estragar” essas projeções ilusórias. “Agora acreditam? Pois vai chegar a hora, e está mesmo aí, em que cada um há-de fugir para seu lado e deixar-me só. Mas eu não fico só, porque o Pai está comigo.” (16:29-32). Grande lição para nós, quando temos a noção de que estamos sós. Jesus experimentou essa situação, mas como aconteceu com Ele connosco também Deus está sempre presente. Nunca estaremos completamente sós. Jesus veio para fazer de cada um de nós um templo em que Sua presença se manifesta. Esta é a fonte da paz que excede todo o entendimento.
 O futuro esconde muitas situações que não divisamos. Existem surpresas. Podemos estar centos de que eles encerram dificuldades e problemas. Isso não significa falta de fé. Olhar o futuro e sabermos que podemos deparar-nos com lutas não é pessimismo, mas o realismo da fé que as palavras de Jesus e os Seus avisos nos ensinam.
 Agora Jesus não apenas nos encoraja e estimula, mas dá-nos uma ordem muita explícita. Devemos ter bom ânimo na tradução de João Ferreira Almeida, e ter coragem na tradução da Bíblia Para Todos.
 Jesus dá-nos o exemplo. Ele passou pelas situações inenarráveis e venceu. Nós todos com ele também estamos destinados à vitória. A vitória d’Ele é a nossa vitória, e na Sua vitória somos vencedores. Não há vitória sem lutas, sem dificuldades.
 No nosso corpo, alma e espírito enfrentaremos tensões. Isso não implica necessariamente fraqueza espiritual ou falta de fé. É aqui que a fé se revela. Sempre dependemos de Deus, mas carecemos também de apoio especializado que não devemos desprezar. Podemos não nos sentir muito confortáveis com o facto de os químicos dos medicamentos podem ter um papel importante na nossa estabilidade emocional. Mas nós fomos criados como um todo.
 E esta realidade não põe em causa a realidade dos milagres que Deus opera segundo a Sua soberania, e em conformidade com a nossa fé, e na falta dela na confissão e na busca humilde do amor e do poder divinos segundo a graça como favor não merecido.
 A prevenção é decisiva, fortalecendo a fé pela Palavra e aprender de Jesus, que declara “sou manso e humilde de coração. Assim o vosso coração encontrará descanso, pois o meu jugo é agradável e os meus fardos são leves.” (Mateus 11:29,30 – BPT).
 Os princípios exarados no chamado Sermão da Montanha são decisivos conforme o Mestre afirma na conclusão: “Todo aquele que ouve as minhas palavras e as põe em prática pode comparar-se ao homem sensato que construiu a sua casa sobre a rocha.” (Mateus 7:24 – BPT)
Samuel R. Pinheiro
https://deus-e-amor01.webnode.pt

 

Tempo e Modo

 
 
“Porque para todo propósito, há tempo e modo; porquanto é grande o mal que pesa sobre o homem. Porque este não sabe o que há de suceder, e como há de ser, ninguém há que lho declare.” (Eclesiastes 8:6,7 – JFA)
 
 A nossa pressa não apressa Deus, nem o nosso vagar O detém. Deus existe na eternidade, tudo o que aconteceu, acontece ou acontecerá está diante d’Ele. Nada O dececiona, frustra ou surpreende. Ele sabe tudo a respeito de tudo, conhece a história da frente para trás e de trás para a frente. Ele já sabia que o primeiro casal iria tomar do fruto proibido dando ouvidos às insinuações mentirosas da serpente. Ainda assim Ele os criou e toda a humanidade.
 A nossa pressa e o nosso vagar não interrompem os planos e desígnios divinos. Podemos especular se muito do que está nas intenções divinas poderia ocorrer num tempo mais rápido do que a nossa falta de confiança, dependência, obediência, submissão e parceria acabam por “impor”. Talvez um dos casos mais notórios e flagrantes na narrativa bíblica seja a do povo judeu durante o êxodo. Um trajeto que poderia ter demorado apenas dois anos, acabou por estender-se por quarenta anos, durante os quais toda uma geração acabou por não entrar na Terra Prometida, à exceção de Josué e Calebe. “Pensem nos anos perdidos, saindo de Cades e voltando a Cades, porque não quiseram crer em Deus. Depois de dois anos no deserto, os filhos de Israel poderiam ter entrado na terra da promessa imediatamente, se não fosse o pecado da incredulidade. É que ouviram as palavras desanimadoras dos espias. (…) Havendo-se recusado a entrar em Canaã, a porta fechou-se para eles. Isso significava terem de peregrinar pelo deserto por quarenta anos. Deus disse que não permitiria que entrassem em Canaã os que tivessem mais de vinte anos de idade, exceto Josué e Calebe.” (MEARS, Henrietta. Estudo Panorâmico da Bíblia. Editora Vida. 1982. Páginas 59 e 60)
 A grande lição que aprendemos é a da fé que não se apressa nem se atrasa, mas que segue de perto o ritmo divino. Confiar e depender de Deus, esperar na Sua ação e agir em consonância com a Sua vontade, leva-nos a experimentar e usufruir do que Deus tem para nós no tempo de Deus e não no nosso tempo. Impaciência e procrastinação são duas tendências que não cabem na fé. A fé acerta o relógio pelo tempo divino.
 Podemos considerar que logo após ou pouco tempo depois de Adão e Eva terem desobedecido, teriam a expetativa da realização da esperança que Deus havia declarado com o nascimento do Libertador. Ele só haveria de surgir muitas centenas de anos depois com o nascimento de Jesus Cristo. Nessa altura muitos não contavam com a Sua vinda. Podemos nos interrogar porque razão Jesus só nasceu depois de uma longa história da parte do povo no qual haveria de nascer, mas Deus tem razões que a nossa razão e coração desconhecem. Jesus nasceu no tempo certo. Nessa altura surgiu a estrela que haveria de conduzir os magos gentios e porventura pagãos, que alvoraçariam uma Jerusalém adormecida e alienada sob o domínio romano.
 Também hoje em dia muitos consideram a segunda vinda de Jesus como improvável e outros como metafórica, simbólica, idealista senão mesmo ilusória ou até patética. Já lá vão mais de dois mil anos depois da Sua promessa. Há muita gente que acredita em Jesus mas não espera a Sua vinda. Apesar de tudo os sinais nunca foram tão claros e neste canto europeu do mundo em que vivemos, eles sucedem-se em catadupa. Alguns cristãos até consideram que a doutrina da segunda vinda é escapista. A Palavra de Deus alerta-nos desde sempre sobre estas opiniões. A ignorância do homem de que nos fala o Eclesiastes é dissipada pela revelação e iluminação divinas. Jesus vai voltar! Ele prometeu e Ele nunca deixou de cumprir as Suas promessas. É claro que só Ele pode desatar o nó da história e isso já aconteceu na cruz e na ressurreição. Ele virá em glória para desfazer as potências do mal e estabelecer o Seu reino de amor, paz, liberdade e justiça. Até lá há que continuar a espalhar a esperança e a vivê-la de forma concreta. Em breve a trombeta vai soar e o Soberano da História e do Universo, o Deus Criador, romperá nas nuvens. Maranata – ora vem Senhor Jesus! Só ele para pôr tudo certo no amor com que nos amou. É tempo de deixar que esse amor norteie o nosso tempo e modo. Não há melhor forma de viver o aqui e agora!
 “Antes de tudo, fiquem a saber que, nos últimos dias, hão-de aparecer certas pessoas que viverão de acordo com as suas paixões. Fazendo troça, dirão: ‘Cristo prometeu voltar. Em que é que ficou essa promessa? Os nossos pais já morreram e tudo continua na mesma, como desde o princípio do mundo.’ (…) Porém, o dia do Senhor virá como um ladrão.” (2 Pedro 3:3,4,10 – BPT).
 
Samuel R. Pinheiro
https://deus-e-amor01.webnode.pt

 

“… os jovens terão visões e os velhos terão sonhos.” (Atos 2:17b)
 
 Visões e sonhos fazem parte do modo como Deus se revela e amplia os nossos horizontes. Ver para além do que é visível. Pensar o que é para nós inimaginável. Ir além dos nossos limites. Considerar que Deus é maior do que as nossas fronteiras.
 A citação que nos serve de título fez parte de uma outra citação do discurso do apóstolo Pedro no dia de Pentecostes, depois da ascensão de Jesus aos céus. Essa citação de Pedro reporta-nos ao livro profético de Joel no primeiro testamento: “os vossos anciãos e os vossos jovens terão sonhos e visões proféticas.” (Joel 3:1b – BTP).
O sonho pode ter algum valor como canta na sua poesia o nosso poeta António Gedeão na Pedra Filosofal: “Eles não sabem que o sonho / é uma constante da vida… Eles não sabem, nem sonham, / que o sonho comanda a vida. / Que sempre que um homem sonha / o mundo pula e avança / como bola colorida / entre as mãos de uma criança.” Mas o que aqui nos interessa é o sonho que procede de Deus e incendeia a nossa mente, coração e espírito. Um sonho que não depende de nós, não começa em nós, mas parte de Deus e nos perpassa para alcançar o mundo à nossa volta.
 A história regista os grandes sonhos, mesmo os que estão conectados com a igreja e que alteraram o rumo da história como foi o caso dos reformadores protestantes (Martinho Lutero, Jerónimo Savonarola, João Calvino), dos que protagonizaram grandes despertamentos espirituais (Jónatas Edwards, João Wesley, Jorge Withefield, Carlos Spurgeon, Dwight Moody) ou marcantes transformações sociais (Martyn Luther King, William Wilberforce, Wiliam Booth). Mas Deus tem em consideração todos os que participaram nesses sonhos, e ainda todos os sonhos mais pequenos que não couberam nas páginas da história mundial, mas que marcaram cada tribo, nação, sociedade, família, empresa ou projeto. Vidas individuais podem ser sonhos como tochas incendiando o mundo à sua volta.
 Qual é o teu sonho? Qual o sonho que nasceu do coração de Deus e que marca a tua vida tornando-a única? Os sonhos podem ocorrer pura e simplesmente a partir da leitura do texto bíblico e da luz que ele faz incidir na nossa vida. O sonho não tem que ser necessariamente um acontecimento místico. Ele pode acontecer de modo espontâneo e (sobre)natural na medida em que convivemos com o que Deus nos diz pela Sua palavra. Mesmo quando os sonhos acontecem durante a noite e de modo menos controlado pela nossa razão, têm de ser filtrados e analisados segundo o ensino bíblico.
 Sonhar pode ser arrebatador e algo semelhante a um espetáculo de luz e de som. Mas existem muitos sonhos na vida de muitas pessoas que marcaram vidas e as conduziram à transformação que Jesus proporciona, e que representaram muito sofrimento, privação, dor, oposição, perseguição, difamação, maus tratos, para não dizer inclusive que para alguns representou toda a vida como mártires.
 Qual é o meu sonho? Viver a minha vida segundo o modelo que é o meu Salvador. Só o amor que Ele expressou através de toda a Sua vida terrena e que culminou na Sua entrega a nosso favor na cruz, é inexcedível, é o máximo. Uma confidência: Estou muito muito longe de o conseguir, mas tenho a promessa da parte d’Ele que vou chegar lá. É isso que faz uma terrível diferença, ter como modelo Aquele que é o nosso Salvador. Apesar do padrão ser de uma exigência radical e absoluta, a Sua graça e amor incondicional são radicais e absolutos. É nesta paz e harmonia que vivo o meu sonho, a cada fracasso e a cada sucesso. O Seu amor não muda. O sonho é que um dia destes haverá novos céus e nova terra em que habitará a justiça, e até lá há que fazer tudo para realizar o reino de Deus.
 “O que sabemos é que, quando Jesus aparecer, havemos de ser iguais a ele, porque havemos de o ver tal como ele é.” (1 João 3:2b – BPT)
 

Samuel R. Pinheiro
https://deus-e-amor01.webnode.pt

 

A ALEGRIA DO SENHOR…
 
 Todos queremos ser felizes. Nunca encontrei ninguém que não quisesse ser feliz. Mas enganamo-nos quando julgamos que a nossa felicidade reside no prazer efémero e passageiro que determinados eventos proporcionam. O caminho da felicidade depende muito mais do que somos do que do que temos ou fazemos, e o que somos está intimamente ligado com a pessoa que fundamenta o nosso ser. A única pessoa que efetivamente é a fonte da nossa vida é Deus. Por isso só em Deus somos felizes como parte da nossa essência. Fundamentar a nossa vida em nós próprios ou no material é muito curto, é insuficiente, não responde às aspirações mais profundas que existem de nós.
 A fonte da alegria está no Deus que nos ama e que é o Criador de todas as coisas. É d’Ele que nós recebemos a vida e só vivemos verdadeiramente quando temos n’Ele a nossa fonte de realização.
 Deus criou-nos para participarmos de um relacionamento pessoal com Ele, para podermos viver na Sua companhia e dependermos d’Ele em toda e qualquer situação e circunstância. A nossa verdadeira alegria está em Deus. Esta é uma alegria permanente que não depende de circunstâncias e situações.
 No mundo enfrentamos dificuldades, problemas, lutas, crises, momentos de dor e de tristeza. Mas em meio a essas contrariedades é em Deus que podemos encontrar o conforto e o ânimo de que necessitamos.
 Deus sabe tudo a nosso respeito. As nossas dificuldades são totalmente do Seu conhecimento.
 Em Jesus Cristo Deus tomou conhecimento pessoal e direto da condição em que o homem se encontra. Não se trata de um conhecimento à distância, a partir do céu onde tudo é perfeito e harmonioso. Deus assumiu a dimensão humana e mostrou-nos na nossa própria estrutura e contingência como se pode viver de forma plena. Jesus foi rejeitado, insultado, injuriado, perseguido, maltratado e incompreendido. Apesar disso sempre estendeu a Sua mão para os necessitados e nunca recusou ajuda a quem d’Ele se abeirou com confiança.
 Jesus ensinou-nos através da Sua vida e das Suas palavras como podemos alcançar a verdadeira e genuína felicidade. Na abertura do chamado Sermão da Montanha apresentou-nos o perfil de um homem feliz.
 “Ao ver a multidão, Jesus subiu ao monte. Sentou-se e os seus discípulos foram para junto dele. Jesus começou então a ensiná-los desta maneira: ‘Felizes os que têm espírito de pobres, porque é deles o reino dos céus! Felizes os que choram, porque Deus os consolará! Felizes os humildes, porque terão como herança a Terra! Felizes os que têm fome e sede de ver cumprida a vontade de Deus, porque Deus os satisfará! Felizes os que suam de misericórdia para com os outros, porque Deus os tratará com misericórdia! Felizes os íntegros de coração, porque hão-de ver Deus! Felizes os que promovem a paz, porque Deus lhes chamará seus filhos! Felizes os que são perseguidos por procurarem que se cumpra a vontade de Deus, porque é deles o reino dos céus! Felizes serão quando vos insultarem, perseguirem e caluniarem, por serem meus discípulos! Alegrem-se e encham-se de satisfação porque é grande a recompensa que vos espera no céu. Pois assim também foram tratados os profetas que vos precederam.’” (Mateus 5:1-12 – BPT)
 Há que considerar que é uma forma estranha para os moldes da cultura que nos envolve esta formulação dos princípios da felicidade.
 Na verdade uma nação, uma família ou uma pessoa individual que observa a natureza divina e os princípios espirituais e morais que emanam dela e que estão vertidos no texto bíblico, são felizes. “Feliz a nação, cujo Deus é o SENHOR; feliz é o povo que ele escolheu para si.” (Salmo 33:12).
 “Na alegria do Senhor está a vossa força!” declarou Neemias, e ainda hoje assim é (8:10).
 

Samuel R. Pinheiro
www.deus-e-amor01.webnode.pt

 

DÍVIDA DE AMOR
 
 Nunca ouvimos falar tanto de dívidas como nos últimos anos. A dívida soberana e a exigência dos credores não têm deixado margem de manobra a muitas pessoas, famílias, empresas e até ao próprio Estado.
 No Antigo Testamento Deus deixou limites muitos claros para a cobrança de dívidas de tal modo que ela não colocasse em causa a sobrevivência de uma pessoa e da sua família, ou um limiar tolerável de qualidade de vida. A instituição do ano sabático e do ano jubileu estabeleciam um padrão que a falta de diligência, a preguiça ou outros percalços pudessem determinar. Deus estabeleceu a recuperação de todas as posses originais de cinquenta em cinquenta anos.
 Não nos prende aqui o debate político do que hoje está acontecer no mundo e que mais não é do que a repetição do que ao longo da história sempre teve lugar.
 Podemos considerar muitas dívidas em termos humanos, para com aqueles com os quais nos relacionamos e até para com desconhecidos. Pode existir da nossa parte toda uma disciplina para cumprirmos e satisfazermos os nossos compromissos, mas também podemos chegar a uma situação em que a nossa dívida se torna incomportável e não temos como pagá-la.
 A Bíblia fala-nos de uma dívida que temos para com o nosso Criador. Não nos criámos a nós mesmos e toda a nossa existência depende da provisão divina. O mesmo se pode dizer do modo com delapidamos e desconsideramos o governo dos bens que Ele colocou à nossa disposição, o modo como temos arruinado a criação, e como somos tão pouco generosos com o que Ele coloca à nossa disposição para partilharmos com os que se encontram numa situação de fragilidade. Mas também podemos considerar que sempre que negligenciamos o nosso amor para com o Ser que nos criou e que nos sustenta, traduzido na forma como respondemos aos Seus mandamentos que estão ligados à essência da Sua natureza contraímos uma dívida que está além da nossa capacidade saldar. A tudo isso a Bíblia chama de pecado.
 A nossa dívida para com Deus é impagável. Não temos como saldá-la. Mas a maior de todas ofensas ainda reside na ideia que alimentamos e que é de todo absurda e ofensiva, que podemos alcançar pelos nossos próprios esforços, pelos nossos sacrifícios, pela nossa religiosidade e ética, pelas ofertas que podemos fazer principalmente os que, com a “sua” fortuna julgam que podem comprar Deus e a bem-aventurança eterna. De um certa forma vendemo-nos, tornámo-nos escravos de nós mesmos e dos poderes malignos, do egoísmo e do egocentrismo, da maldade, da inveja, da competição e da rebeldia contra Deus, e não temos como pagar a nossa alforria.
 A árvore da ciência do bem e do mal pela qual o homem no princípio optou em vez do relacionamento e intimidade com o Deus de amor que nos criou, opera segundo o princípio do mérito, da força, do negócio com se tudo se comprasse e vendesse, e como se o relacionamento entre pessoas existisse em função do mercado de valores e da bolsa financeira.
 A pessoa não tem preço. Um homem vale mais do que o mundo inteiro. O homem nada pode dar em troca da sua alma. Pensar em comprar e vender um ser humano é uma afronta. Aceitar os outros em função do desempenho não é sustentável. Este sistema apenas produz morte, destruição, conflito, confronto e violência. Foi isso que aconteceu a partir dessa escolha desastrada que ainda hoje repetimos, e que o próprio Deus veio destruir através da Sua presença entre nós, amando-nos na condição em que nos encontrávamos, sendo amigo de publicanos e pecadores, curando os oprimidos do coração e do espírito, libertando os escravos deste sistema corrupto e vil, alimentando multidões a custo zero e, finalmente, dando a Sua vida na cruz em favor de toda a humanidade. A nossa dívida foi cancelada na cruz. Jesus pagou com a Sua vida o preço que custava trazer-nos de volta, e que Ele mesmo estipulou. Isso dá-nos uma ideia totalmente diferente de quem Deus é e de quem somos, chamando-nos a viver de uma modo diametralmente oposto. Em vez do mérito foi instituída a graça como favor imerecido.
 “Deus anulou a conta desfavorável das nossas dívidas, a qual nos condenava segundo a exigência da lei. Ele acabou com essa conta, pregando-a na cruz, e venceu as autoridades e os poderes. Humilhou-os publicamente e levou-os prisioneiros em sinal de triunfo, por meio de Cristo.” (Colossenses 2:14,15 – BPT)
 
Samuel R. Pinheiro
www.facebook.com/SamuelRPinheiro
www.samuelpinheiro.webnode.com.pt
www.samuelpinheiro.com

 

“APRENDEI DE MIM…”
 
 Dirigindo-se a todos nós na pessoa dos Seus primeiros ouvintes, Jesus Cristo faz um convite único que demonstra a Sua perfeita consciência da Sua identidade singular e exclusiva, como Filho de Deus. Ninguém no seu estado de perfeito juízo e razoabilidade alguma vez poderia endereçar semelhante repto, sem efetivamente ser quem Ele dizia ser – o Filho de Deus. Esta marca distingue-O de todos os restantes que não se podem comparar com Ele. Jesus não é apenas um Mestre, um profeta e um líder excecional, mas o próprio Deus na forma humana entre nós, vestido da nossa humanidade exceto nas falhas morais e espirituais. São d’Ele a seguinte proclamação: “Venham a mim todos os que estão cansados e oprimidos e eu vos aliviarei.” (Mateus 11:28 – O Livro).
 Não se trata apenas do cansaço provocado pelas fadigas da vida, do trabalho, do esforço físico e do suor. Não se trata apenas das canseiras presentes no esgotamento nervoso, na inquietação da alma, nas depressões, na ansiedade e preocupações com o presente e o futuro. É essencialmente, sem escamotear estes e outros cansaços, o que se manifesta na dimensão espiritual do homem, esquecido de Deus, afastado da Sua vontade, em rebelião aberta com o Seu Criador ou tentando fazer as coisas à sua própria maneira. É também o cansaço e a opressão causados pela religião com todo o seu formalismo, com todas as suas exigências, a tentativa de alcançar por mérito próprio o favor divino.
 Ainda encontramos este cansaço que se manifesta de variadas formas. Quantas pessoas sofrem em silêncio? Quantas vivem sob um peso inexorável de culpa e condenação? Quantas carregam o peso da frustração? Quantas encaram o futuro eterno com medo e até pavor? Outros talvez disfarcem, mas no íntimo existe uma inquietude que não deixa sossegar.
 O convite de Jesus não é apenas para alguns, para uma elite moral, para um grupo restrito de religiosos, para pessoas bem-sucedidas na sua vida pessoal. Também não é para os que especialmente podemos identificar e catalogar como miseráveis, párias e excluídos. Não! O convite de Jesus é inclusivo, não deixa ninguém de fora. Todos são mesmo todos! O problema de muitos não é que não façam parte dos cansados e oprimidos, mas que não se reconhecem enquanto tal.
 Ao longo da história milhões têm experimentado instantaneamente este alívio que Jesus promete. É Ele que alivia porque tem poder para tal, através do seu perdão, restauração, cura e libertação. Ele pode fazer por nós o que nós não podemos fazer por nós mesmos nem pelos demais.
 E é neste ponto, depois desta experiência libertadora quando vamos a Ele, que lança o desafio para que aprofundemos e mantenhamos de modo sustentável esse alívio. “Levem o meu jugo e aprendam de mim, porque sou brando e humilde, e acharão descanso para as vossas almas; pois só vos imponho cargas suaves e leves.” (Mateus 11:29,30 – O Livro).
 Jesus acrescenta aos atributos da divindade os de “brando (manso) e humilde”. Não são estas as características que pensamos, quando pensamos em Deus. Mas estas são boas razões mais que provadas para acolhermos Jesus como o nosso Mestre. Ele demonstrou de sobejo entre nós que é assim mesmo, sem tirar nem pôr.
 “APRENDEI DE MIM…” Com Jesus aprendemos a viver como Deus quer que vivamos e isso leva-nos ao descanso na alma.
 Vivemos dias em que a alma dos homens está profundamente perturbada, inquieta, desassossegada e esgotada. Jesus revigora a alma, concede encorajamento e alento. O presente pode ser instável e o futuro ameaçador, mas Jesus indica-nos o modo pelo qual podemos alcançar descanso. Aqui reside a razão pela qual somos tão enfáticos a respeito de Jesus – Ele nos ensina com a Sua própria vida confiando no Pai em meio às circunstâncias mais adversas. No meio da tempestade podia dormir, porque ele sabia que o Seu Pai estava no controle de todas as coisas. O mesmo acontece connosco através d’Ele!
 
Samuel R. Pinheiro
www.facebook.com/SamuelRPinheiro
www.samuelpinheiro.webnode.com.pt
www.samuelpinheiro.com

 

"PARA O LOUVOR DA SUA GLÓRIA"

 

Sempre o homem será acompanhado por algumas perguntas que fazem parte intrínseca da sua essência e natureza: de onde vim, para onde vou, porque estou aqui e quem sou? Estas são algumas das questões fundamentais que se prendem com a forma como vivemos, e o modo pelo qual podemos viver! A mudança de uma destas respostas pode alterar substancial e radicalmente a nossa postura e atitude. Uma das formas pelas quais isso pode acontecer é sermos confrontados com alguém que pensa, vive e age de forma diferente. As pessoas com as quais nos cruzamos ou quais as quais acompanhamos são determinantes em relação a isso. É por isso que é tão importante considerarmos seriamente quem são os nossos heróis, ou os nossos pares, os nossos companheiros de caminhada, os nossos amigos e colegas.
 Queremos apresentar-lhe a proposta de se encontrar com Jesus Cristo. Não se fique por personagens menores. Opte pela excelência. O desafio pode ser grande e até causar alguma intimidação, mas no caso de Jesus isso é compensado com a Sua compreensão, acolhimento e aceitação incondicional. São mesmo muitos os que foram impactados e literalmente mudados no encontro com esta figura incontornável da História da nossa humanidade. Não precisamos de argumentos para sustentar esta constatação. As conclusões poderão surgir ao longo desse encontro e como resultado d'Ele. Talvez vamos perder tempo e energia a debater esta ou aquela convicção que temos sobre Jesus, antes de você ter o seu encontro pessoal com Ele. Foi isso que aconteceu com Natanael e Filipe precisamente a propósito de quem Jesus é, e isso foi resolvido muito rapidamente com o desafio do último às reticências do primeiro: "Vem e vê!"
 A Bíblia aponta-nos para o nível supremo e inultrapassável desse desígnio para a nossa vida - sermos para o louvor da Sua glória! A nossa vida pode corresponder ao mais elevado nível de realização. O apóstolo Paulo ao escrever à Igreja em Éfeso, na abertura da sua carta, concentra-se precisamente nesse propósito que o Criador estabeleceu. Deus não nos concebeu como pessoas de segunda ou terceira categoria. Por causa disso é muito natural que o homem procure prosseguir sempre mais longe e elevado. Muitas vezes, para não dizer a esmagadora maioria, isso é entendido de forma errada. Quando nós entendemos que Deus instilou isso dentro de nós, e que isso é perfeitamente possível através da nossa sincronização com Ele, então as coisas mudam de figura. E olhando para Jesus, que é a pessoa através da qual Deus torna isso possível, temos diante de nós a realidade e a verdade insofismável e indesmentível. Jesus é e viveu assim, para que todos nós arrepiando caminho, voltemos à matriz original. Não importa o quanto nos possamos ter afastado do projeto, é perfeitamente possível recomeçar e realizá-lo para todo o sempre.
 Na impossibilidade, por motivos de espaço, reproduzir todo o texto dessa abertura da carta aos Efésios que é também para ser lida e vivida por cada um de nós, citamos algumas passagens:
"Ele destinou-nos para sermos seus filhos por meio de Cristo, conforme era seu desejo e vontade, para louvor da sua graça gloriosa que ele gratuitamente nos concedeu no seu amado Filho." (v. 5, 6).
"Deu-nos a conhecer o mistério da sua vontade e o plano generoso que tinha determinado realizar por meio de Cristo. Esse plano consiste em levar o Universo à sua realização total, reunindo todas as coisas em submissão a Cristo, tanto nos Céus como na Terra." (v. 9, 10).
"Foi também em Cristo que fomos escolhidos para sermos herdeiros do seu reino, destinados de acordo com o plano daquele que tudo opera conforme o propósito da sua vontade. Louvemos, portanto, a glória de Deus, nós que previamente já pusemos a nossa esperança em Cristo." (v. 11, 12)
"O Espírito Santo é a garantia da herança que nos está prometida e que consiste na completa libertação dos que pertencem a Deus, para louvor da sua glória." (v. 14).
Viver nesta dimensão é ter a abundância da vida, aproveitarmos a vida ao máximo e termos nos nossos horizontes a eternidade. Fomos criados para esta qualidade de vida e ela é possível por Jesus Cristo, que a viveu integralmente, morrei e ressuscitou para que ela fosse possível e a demonstrou até às últimas instâncias.

 

 

Samuel R. Pinheiro
www.facebook.com/SamuelRPinheiro
www.samuelpinheiro.webnode.com.pt
www.samuelpinheiro.com

 

"ESTÁ CONSUMADO"

 Este é o brado que marca a História da humanidade e define o momento a partir do qual a nossa reconciliação com Deus foi concretizada. Jesus cumpriu na íntegra a Sua missão. Era necessário que Ele fosse à cruz e morresse. Os Seus discípulos não entenderam o que Ele lhes falava sempre que Ele abordou este assunto. Era incompreensível para eles.
 Um dos exemplos mais flagrantes é o de Pedro, ao responder à pergunta de Jesus "E vós quem dizeis que eu sou?", respondeu: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo". Jesus declarou ao discípulo que a sua afirmação não era resultado da sua esperteza ou inteligência, mas da revelação que o Pai lhe concedera: "Bem-aventurado és, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue quem to revelou, mas meu pai que está nos céus." (Mateus 16:13-20). Logo mais "começou Jesus a mostrar a seus discípulos que lhe era necessário seguir para Jerusalém e sofrer muitas coisas dos anciãos, dos principais sacerdotes e dos escribas, ser morto, e ressuscitado no terceiro dia." O mesmo discípulo que antes falara de modo tão pertinente e verdadeiro, na iluminação divina, ficou chocado, escandalizado e apressou-se a reprovar a Jesus: "Tem compaixão de ti, Senhor; isso de modo algum te acontecerá." A cabeça, a mentalidade, a perspetiva, a declaração que antes havia pronunciado com a aprovação de Jesus, não se encaixava com o que o Mestre estava a dizer. Uma coisa não batia com a outra. Mas de uma forma muito frontal Jesus respondeu a Pedro: "Arreda! Satanás; tu és para mim pedra de tropeço, porque não cogitas das coisas de Deus, e, sim, das dos homens." (Mateus 16:21-23).
 O contraste é violento. Da revelação do Pai a ser porta-voz do próprio Diabo. Jesus, o Cristo, o Filho do Deus vivo, veio precisamente para dar a Sua vida pelos homens. Isto sempre foi e sempre será difícil de engolir. Ainda hoje muitos religiosos e teólogos ditos cristãos, rejeitam este veredito. O Corão nega que Jesus tenha morrido na cruz. Nos escritos de Paulo isto é escândalo para os judeus, e loucura para os gentios. Mas esta é a essência da mensagem cristã. Por isso Paulo afirma: "mas para os que foram chamados, tanto judeus como gregos, pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus" (1 Coríntios 1:23,24).
 Podemos escrutinar cada um dos evangelhos, o livro histórico dos Atos que narra o começo e crescimento exponencial da igreja, as cartas de cada um dos apóstolos e todos os restantes documentos que constituem a parte da Bíblia depois de Jesus Cristo, e encontraremos a mesma dificuldade. Os discípulos até ao momento da crucificação não tinham entendido, ficaram desiludidos e chocados, fugiram e esconderam-se. Pensaram que afinal de contas tudo o que pensaram que estava a acontecer tinha ido água abaixo, se tinha esboroado. A cruz e a morte de Jesus eram a derrota, o fim de um sonho, de uma ilusão, de uma utopia, de um ideal.
 A própria ressurreição numa primeira instância não muda completamente o cenário. Jesus ainda os encontra de volta à faina do mar. A Sua ascensão leva-os a Jerusalém segundo a Sua ordem expressa, e é no derramamento do Espírito Santo, no dia de Pentecostes, que tudo se altera e Pedro, numa unção e entendimento antes não alcançado, no seu discurso perante os judeus atónitos perante o que estava a acontecer, proclama alto e bom som: "Varões israelitas, atendei a estas palavras: Jesus, o Nazareno, varão aprovado por Deus diante de vós, com milagres, prodígios e sinais, os quais o próprio Deus realizou por intermédio dele entre vós, como vós mesmo sabeis; sendo este entregue pelo determinado desígnio e presciência de Deus, vós o mataste, crucificando-o por mãos iníquas; ao qual, porém, Deus ressuscitou, rompendo os grilhões da morte; porquanto não era possível fosse ele retido por ela. (...) Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo." (Atos 2:22-24,38).
 Também eu não entendo porquê. Mas no Seu amor e justiça, assim decidiu o Soberano Deus, o que demonstra o "absoluto do mal do pecado" que foi derrotado pelo absoluto amor divino. O que pode parecer o maior momento de fraqueza e derrota do Criador, crucificado às mãos dos homens, é o momento de maior força e vitória, dando a Sua vida para que fosse transplantada em nós. Palavas difíceis hoje para a maior das pessoas como expiação, redenção, remissão, justificação, propiciação significam que Deus nos perdoou da única maneira possível, porque não há perdão sem preço. "ESTÁ CONSUMADO!" Tudo foi feito. Apenas precisamos acolher, aceitar e viver!

 

Samuel R. Pinheiro


www.facebook.com/SamuelRPinheiro
www.samuelpinheiro.webnode.com.pt
www.samuelpinheiro.com

 

"NÃO É O QUE ENTRA PELA BOCA..."

 

Nos tempos em que Jesus andou por esta terra e lidou com os religiosos do seu tempo, os que supostamente seriam os representantes de Deus e os portadores da Sua Palavra e Seus preceitos, aconteceram situações para nós impensáveis, mas que não estarão muito longe do que a religião é especialista em criar ainda hoje em dia.
 Segundo o relato do escritor do primeiro evangelho, alguns fariseus e escribas expressaram a sua reprovação a Jesus pelo fato dos Seus discípulos não lavarem as mãos quando comiam. Segundo uma nota de explicação de Russell P. Shedd, na Bíblia Vida Nova: "A tradição da lavagem das mãos era simples higiene antes das refeições. Veio a ser um tipo de purificação ritual para afastar a mínima possibilidade de a pessoa ter sido contaminada pela poeira advinda de algum pagão. A ocupação dos romanos intensificou o legalismo, na tentativa de atingir 'a santidade' e conseguir o socorro necessário de Deus para a expulsão dos pagãos. Não percebiam, porém, que certas interpretações tinham já violado a verdadeira lei."
 É esta a armadilha em que a religião tende a envolver os seus paladinos. Um conjunto alargado de preceitos meramente formais que aprisionam, asfixiam, oprimem, dividem e excluem. Dão a impressão de que Deus é um ser mesquinho que se entretém com ninharias. Os religiosos tornam-se juízes que condenam os outros, inventando cargas para lançar sobre os ombros do povo, lançando acusações, vivendo da culpa.
 Foi isto que Jesus encontrou. Um profundo e entranhado engano sobre quem Deus é e o modo como Ele age em relação aos homens.
 Jesus responde demonstrando o que de mais perverso o homem e a religião são capazes de fazer: interpretar a palavra de Deus fazendo dela o contrário do que ela é. Era isso mesmo que eles faziam sobre o mandamento de honrar o pai e a mãe. Tradições que invalidavam a palavra de Deus, atribuindo a Deus o que era devido aos seus progenitores.
 Como conclusão, Jesus adianta usando para isso as palavras do profeta Isaías: "Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens."
 A partir desta situação que desvirtuava a verdade sobre Deus e a Sua vontade, Jesus aproveita-a para dar a conhecer a verdade divina: "Não é o que entra pela boca o que contamina o homem, mas o que sai da boca, isto, sim, contamina o homem."
 Como se os Seus amigos mais próximos não entendessem o que queria dizer, Jesus explicou de forma bem clara e objetiva: "Não compreendeis que tudo o que entra pela boca desce para o ventre, e depois é lançado em lugar escuso? Mas o que sai da boca, vem do coração, e isso é o que contamina o homem, porque do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfémias. São estas coisas que contaminam o homem; mas o comer sem lavar as mãos, não o contamina." (Mateus 15:1-20).
 O problema do homem está no seu coração, na essência do seu ser, é daí que procede tudo o que está de errado e todo o mal. E Jesus veio para resolver essa situação que o homem por si próprio não pode tratar. Mudar por dentro é o que Deus pode fazer. É um milagre que só Ele pode realizar.
 Ter cuidado com a nossa alimentação é algo que devemos ter na devida ponderação, em virtude de devermos tratar bem do nosso corpo e todo o restante do nosso ser. Mas não devemos descorar a nossa identidade, a nossa condição espiritual. O problema não são os pecados, mas a natureza pecaminosa da nossa natureza. Para alcançarmos um fruto diferente da árvore que somos, é tem de mudar o seu DNA espiritual! E isso foi o que Jesus veio tornar possível. Podemos dizer ainda que o problema do homem não é o pecado nem os pecados, mas aceitar de boa vontade e com gratidão a oferta de perdão que Jesus nos estende. Ninguém ficará para sempre separado de Deus porque é pecador e peca, mas porque não recebe o perdão que Ele lhe oferece mediante a Sua morte e ressurreição. O pecado mata e não prescreve. Só a morte de Jesus Cristo tem o poder de o destruir, aniquilar, exterminar. Isso é necessariamente algo que não entendemos, mas não sabemos toda a extensão do que é o pecado e os seus desdobramentos. O facto é que Aquele que sabe o que o pecado é, e as suas consequências no tempo e na eternidade, decidiu pela única possibilidade de dar cabo dele - a morte de Jesus Cristo! Isto torna o Evangelho totalmente diferente do que é a religião! Não é de mais regras e juízes religiosos que precisamos, mas do perdão divino mediante a cruz!

 

 

Samuel R. Pinheiro

 

www.facebook.com/SamuelRPinheiro
www.samuelpinheiro.webnode.com.pt
www.samuelpinheiro.com

PELA FÉ...

 A fé é um firme alicerce do que esperamos, e o que esperamos da parte de Deus de acordo com a sua revelação escrita e pessoal por Jesus Cristo, é uma esperança radical que se dirige ao aqui e agora que vivemos na nossa presente condição, e que se concretiza em toda a sua plenitude e de modo absoluto na eternidade.
 Enquanto aqui nos encontramos sabemos que teremos lutas, dificuldades, problemas, dores, sofrimento, doenças, conflitos, adversidades, frustrações, desaires, fracassos. Mas em nenhuma das vicissitudes estamos sozinhos. Deus está sempre presente embora algumas vezes parecendo longínquo (o que é a ilusão da nossa finitude, ignorância e fraqueza espiritual), e Ele nos inseriu numa família que não sendo perfeita é um esteio, um suporte, um encorajamento concreto (assim deve ser porque para isso foi e está a ser formada).
 Deste forma Jesus que nos avisou antecipadamente que a vida com Ele não seria um mar de rosas como a Sua também não foi, podemos mesmo dizer nos ordena a que tenhamos bom ânimo, ou seja que não sejamos reféns do desânimo e do desalento, mas por um ânimo bom que tem como principal referência e inspiração o facto de que Ele venceu. A vitória d'Ele é também a nossa vitória. Um outro texto bíblico declara que somos mais do que vencedores.
 Mas a nossa esperança não se resume apenas a esta terra e a Palavra de Deus chega ao extremo de declarar que se apenas esperarmos em Cristo nesta terra seremos os mais miseráveis de todos os homens, não porque aqui não tenhamos a melhor de todas as companhias e o melhor de todos os suportes, mas porque os sofrimentos do tempo presente não são para comparar com a glória porvir a ser experimentada por todos os que confiam a sua vida nas mãos do Criador, acolhem o facto de que nós não somos autores e fabricantes de nós mesmos, que somos criação divina e, apesar de termos cometido a alta traição de nos rebelarmos contra Quem nos fez à Sua própria imagem e semelhança e ainda hoje preferimos construir o nosso reino como se fôssemos autossuficientes e donos do que quer que seja, em e por Jesus Cristo Deus traz-nos de volta a Ele com a demonstração maior de amor que alguma vez nos poderia dar - morrer às nossas mãos para vencer a morte, o ódio, a maldade, a violência.
 Temos todas as razões para vivermos impulsionados e animados por uma viva esperança. O texto bíblico pela escrita de Paulo diz-nos que Cristo em nós é a esperança da glória. Na realidade esperamos novos céus e nova terra em que a justiça habitará para sempre. Ninguém será obrigado a participar, mas todos sem exceção são acolhidos desde que sem qualquer preço aceitem o que já foi alcançado por parte do próprio Deus.
 O mal não tem sentido e não faz sentido procurá-lo. Ele não existe para permanecer, mas para ser destruído e erradicado da história da humanidade. Deixo aqui uma citação do livro "O Deus que eu não entendo?" (pág. 48), de Cristopher J. H. Wright e publicado pela editora Ultimato: "Deus, em sua infinita perspetiva, e por razões as quais só ele conhece, sabe que para nós, seres finitos, o mal não pode e de fato não deve "fazer sentido". Porque a verdade final é que o mal não faz sentido. "Sentido" faz parte da nossa racionalidade, que é em si parte da boa criação de Deus e da imagem de Deus em nós. Assim, o mal não pode fazer sentido, já que o sentido é em si algo de positivo."
 "O mal não tem um lugar próprio junto à criação. Ele não tem validade, nem verdade, nem integridade. Ele não pertence intrinsecamente à criação, já que originalmente ela foi feita por Deus, e não pertencerá à criação, pois no final Deus irá redimi-la. Ele não pode e não ser incorporado ao universo como uma parte racional, legítima e justa da realidade. O mal não está lá para ser entendido, mas para ser resistido e, no final, expulso. O mal era e continua a ser um intruso, uma presença estranha que tem se sentido quase (mas não de forma definitiva) inevitavelmente 'em casa'. O mal está além do nosso entendimento porque não faz parte da realidade definitiva que Deus, em sua perfeita sabedoria e absoluta fidelidade, quer que entendamos."
 O terror não terá a última palavra, mas sim o amor sacrifical. Não matar em nome de Deus por todas as religiões ou pelos que se apresentaram na história como sendo não religiosos, mas pelo amor sacrificial do próprio Deus que na cruz morreu em favor de toda a humanidade. A esperança em Cristo é certeza absoluta.
 "O fato essencial da existência é que esta confiança em Deus, esta fé é o alicerce sólido que sustenta qualquer coisa que faça a vida digna de ser vivida. É pela fé que lidamos com o que não podemos ver. Foi um ato de fé que distinguiu nossos antepassados, elevando-os acima da multidão." (Hebreus 11.1 - paráfrase "A Mensagem de Eugene H. Peterson, editora Vida)

 

Samuel R. Pinheiro


www.facebook.com/SamuelRPinheiro
www.samuelpinheiro.webnode.com.pt
www.samuelpinheiro.com

 

 


"VIMOS A SUA ESTRELA NO ORIENTE"

 

Do oriente vieram magos em busca do Rei acabado de nascer anunciado porque viram a sua estrela, um sinal singular mas perfeitamente contextualizado com a sua cultura e campo de estudo e ação. De tal forma esse sinal foi contundente e impactante que eles puseram pés a caminho, fizeram as malas, prepararam presentes escolhidos a preceito e adequados ao Rei que acabara de nascer e carregados de simbolismo. Este episódio está repleto de sentido em relação ao modo como Deus comunica e dá a conhecer os Seus planos e intervenções na história, como quer e a quem quer. Para Ele não existem barreiras ou obstáculos intransponíveis. Deus sabe falar a língua da mente e do coração de cada homem. A própria ignorância, ou o paganismo, ou práticas estranhas e até reprovadas pela revelação de Deus, não significa que Deus não ame, ou seja indiferente. Porventura estes magos dedicavam-se à astrologia ou à magia. Deus usa uma estrela, a linguagem que eles conheciam e sobre a qual se debruçavam, e através delas mostra-lhes que o Rei nascera.
 Apesar de saberem o suficiente para iniciarem a sua viagem chegaram a Jerusalém com a pergunta chave de toda a sua aventura: "Onde está o recém-nascido Rei dos judeus?" (Evangelho de Mateus 2:2). São os estrangeiros que trazem a notícia, apontam o sinal e declaram a determinação de O adorarem. "Vimos a sua estrela no Oriente, e viemos para adorá-lo." É de fora que vem a notícia e o anúncio. São estranhos que são portadores da informação. Deus anunciou a não judeus que o Rei dos judeus nascera, porque na verdade esse Rei judeu, não o seria apenas para os judeus, mas para todas as pessoas, em todas as culturas e línguas, de todas as raças e estatutos sociais, em todos os tempos.
 Tanto Herodes como toda a Jerusalém ficaram alarmados. A notícia causou-lhes perplexidade e espanto, mas também incómodo e mal-estar. Herodes chamado pelos romanos como reis dos judeus sentiu-se ameaçado. De quem seria o atrevimento de colocar em causa o seu estatuto e o seu poder. Quem teria semelhante desplante. Afinal quem se atrevia a passar por cima do poderio romano e como é que um bebé podia colocar em causa a sua liderança?
 Segundo o relato bíblico Herodes sabia a quem perguntar acerca do que estava a acontecer, e sobre o que os magos inquiriam. "Então convocando todos os principais sacerdotes e escribas do povo, indagava deles onde o Cristo deveria nascer." Os religiosos sabiam a resposta através dos livros sagrados, mas apesar de saberem e de darem a informação correta, não se sentiram de maneira nenhuma atraídos, curiosos ou decididos a comprovarem se na realidade era assim. Como "representantes" de Deus na terra, como estudiosos da lei e dos profetas, ficaram indiferentes à afirmação dos magos. Os de dentro não mostraram nenhum interesse em seguir na rota dos profetas até Belém, os de fora não se importaram com o esforço que tinham a fazer e com os obstáculos a vencer, e Herodes sentindo-se ameaçado tentou arranjar um expediente para se livrar do infante que lhe ameaçava o lugar. "Em Belém da Judeia, responderam eles, porque assim está escrito por intermédio do profeta: E tu, Belém, terra de Judá, não és de modo algum a menor entre as principais de Judá; porque de ti sairá o Guia que há de apascentar a meu povo, Israel." (2:5,6)
 Especulando um bocadinho estes magos devem ter ficado admirados que o sinal que os movera até Jerusalém, e a declaração profética, não arrancasse os religiosos da sua letargia e acomodação. E lá seguiram o seu caminho sem a companhia dos eruditos da profecia, guiados pela estrela que tinham visto no Oriente e que agora os precedia, até ao lugar onde o menino se encontrava e onde parou. Um déspota e uma cidade alarmados, religiosos indiferentes e alguns magos esfusiantes. "E vendo eles a estrela, alegraram-se com grande júbilo." (2:10). Tinham chegado ao destino. "Entrando na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Prostrando-se, o adoraram; e, abrindo os seus tesouros, entregaram-lhe suas ofertas: ouro, incenso e mirra." (2:11)
 Hoje como ontem, passados dois mil anos, Deus continua a mostrar-nos através de muitos indicações que o Rei já nasceu, o Senhor do Universo veio ao nosso encontro, o Criador de todas as coisas e o nosso próprio Criador deu-se a conhecer, para que sem qualquer discriminação possamos reencontrar n'Ele o sentido da nossa existência e a nossa verdadeira essência. Os magos voltaram para casa, mas não eram já as mesmas pessoas. Voltaram diferentes... eles tinham visto... sabiam a verdade... contemplaram e adoraram o Senhor! Que neste Natal os sinais não prendam de tal maneira a nossa visão que deixemos de ver e concentrar-nos em Jesus... o sinal não é um espetáculo ou uma distração, é apenas o meio para nos trazer até ao Protagonista e Autor principal da História e do nosso sentido.

 

Samuel R. Pinheiro

www.facebook.com/SamuelRPinheiro
www.samuelpinheiro.com

 

 

RELIGIÃO - LIBERDADE E VIOLÊNCIA

 

 Julgo que não será errado dizer que todas as religiões em algum momento consideraram que o poder político era um aliado para impor as suas crenças, a sua moral e a sua ética através da violência, da perseguição, da intimidação, do medo, da pobreza e da miséria. Ninguém pode atirar a primeira pedra porque todos têm os seus telhados de vidro. Mas existem algumas diferenças de fundo como é o caso de facilmente podermos constatar que alguém pode matar invocando o nome de Jesus Cristo, mas não pode matar por ordem de Jesus Cristo. Ele nunca lançou mão da violência, embora não exista qualquer base para a conceção de um Cristo frouxo, inseguro, politicamente correto. Jesus foi frontal e honesto com os poderosos da religião, com os hipócritas, com o povo, com o sistema. O mesmo não se pode dizer de alguns líderes religiosos que lançaram mão das armas para expandir as suas ideias. Jesus nunca o fez nem nunca o promoveu, nem deu orientações para que assim fosse feito. Antes bem pelo contrário, sempre o condenou. O projeto de Jesus Cristo não é político nem pode ser politizado ou partidarizado. Trata-se de um plano espiritual que tem repercussões em tudo o que diz respeito à vida de cada um que o aceita e com o qual se compromete. 


 Pessoalmente continuo a perfilhar a ideia de que sendo a religião o esforço do homem para tentar alcançar Deus, Jesus não veio para implantar ou dar origem a nenhuma religião. A religião é o esforço do homem. Jesus Cristo é o próprio Deus vindo ao encontro dos homens, fazendo o que eles nunca poderiam fazer. O homem não consegue alcançar Deus. Pode tatear respondendo ao apelo que o próprio Deus incutiu dentro da Sua obra-prima. Admito que outros possam ter outra perspetiva e defendam outra argumentação. Esta serve de forma razoável e julgo que de modo muito contundente a essência singular do evangelho. 


 O evangelho é totalmente avesso à estratégia da força para impor as suas convicções porque no evangelho não é pelas regras, pela ética ou pela moral, pela liturgia ou pelos serviços religiosos que alcançamos a Deus, como também não o alcançamos pelas nossas boas obras, pela nossa eventual virtude. Não é por sermos "bons" que logramos a nossa salvação. Por isso a fé que nos vem pela palavra de Cristo e da qual Ele é o autor e consumador não pode ser legislada. É pela graça, pelo favor de Deus que somos reconciliados com Ele. O evangelho aponta-nos a cruz de Jesus Cristo como o único meio pelo qual podemos ser salvos. Nunca como hoje, no ambiente que estamos a viver em termos do terrorismo, isso se torna mais urgente e mais premente. Não podemos obrigar os outros a viver como nós consideramos que devemos viver. Não podemos obrigar os outros a aceitar o que para nós é certo ou errado de acordo com a revelação divina. Deus deu-nos orientações muito específicas de acordo com as quais devemos viver, quando em liberdade e por nossa escolha decidimos seguir a Jesus. Mas o que para nós é certo, não pode ser imposto a quem não quer viver dessa forma. O próprio Deus procede dessa maneira. Com isto não estou a querer dizer que a sociedade não beneficie como um todo quando os valores e princípios cristãos são absorvidos. Mas não confundamos a cultura influenciada pela fé cristã, com a vida cristã decorrente de uma experiência pessoal com Jesus Cristo, com o novo nascimento, com a conversão, com o arrependimento, com a mudança espiritual provocada pelo Espírito Santo. Por outro lado também não é menos verdade que quando nos parece que a sociedade perfilha uma cultura dita cristã, o que de hipocrisia sobeja é muito mais do que imaginamos. O mesmo acontece em todos os grupos, sejam religiosos ou político-partidários quando defendem uma determinada legislação e afinal de contas a vida privada dos proponentes e defensores está nas suas antípodas. 


 A sociedade não pode viver sem algumas definições muito claras e objetivas do que se deve ou não deve fazer, sobre o que é correto e o que não é. A justiça é essencial à vida em sociedade. Tem de existir um padrão pelo qual uma sociedade se deve reger. O relativismo e o pluralismo mais cedo ou mais tarde redundarão em desastre quando levados ao extremo. Já hoje somos confrontados na escola e na sociedade em geral com crianças, adolescentes e jovens que não têm qualquer noção de respeito, de reconhecimento dos princípios da vida em sociedade, de aceitação das normas dentro de uma sala de aula, da valorização do conhecimento e do trabalho. Mente-se, engana-se, rouba-se, ameaça-se, agride-se, provoca-se, etc. com uma consciência cauterizada, um sangue frio que causa uma profunda apreensão em relação ao presente e ao futuro próximo. 


 A função de sal e de luz da igreja e dos seguidores de Jesus na sociedade não é o de impor a sua moral, mas a de viver essa mesma moral no relacionamento pessoal com cada um dos vizinhos, na consciência das nossas fraquezas, debilidades, erros e falhas; sem qualquer sobranceria ou sentido de superioridade. Com amor e aceitação, não subscrevendo o que está mal, mas não recusando a pessoa porque todos nós sofremos do mesmo problema, e todos carecemos da mesma graça divina, do mesmo perdão e transformação. 


 A teocracia não é o projeto cristão para as sociedades em que vivemos. A parte da Bíblia que nos narra a história do povo de Israel dá-nos a conhecer um regime em que os princípios dados por Deus deveriam ser observados por todo o povo embora eventualmente apenas durante o período do êxodo com Moisés, de Josué e durante o período do profeta Samuel a liderança espiritual abarcava a totalidade da vida da nação. Durante o período dos juízes e da monarquia embora tenhamos situações distintas de rei para rei, e fosse expetável que este estabelecesse a lei dada por Deus, existia uma separação de funções. Com a vinda de Jesus Cristo o Seu projeto é a da edificação da Igreja da qual fazem parte todos os que têm uma experiência pessoal com Ele. 


 No terrorismo do islamismo radical temos uma hostilidade em relação à cultura ocidental que é mais pós-cristã do que cristã, defende-se um conjunto de posturas principalmente em relação às mulheres que colidem com a permissividade do ocidente. Embora na Bíblia nós encontremos valores que se opõem à mesma cultura, o facto é que eles não nos foram dados para serem impostos pela via da lei. Ao longo da história e nos dias de hoje podemos encontrar certos grupos em que o fanatismo grassa e em que o exagero nos usos e costumes é alarmante. Mas o facto de existir essa clivagem, ela nunca por nunca ser poderia ser assumida pela violência no contexto do evangelho. Como cristãos sofremos essa perseguição e corremos o risco de sermos atingidos por ela. 


 Mas existe uma outra perseguição que não pode ser ignorada nem silenciada por grupos extremistas e outros que nem serão assim tão extremistas, contra todos os que confessam a Jesus Cristo como o único Senhor, como Salvador, como o seu Deus. Mas disto Jesus Cristo nos avisou de forma clara e solene. A Igreja surgiu e desenvolveu-se num ambiente hostil, de perseguição feroz, tanto movida pela religião como pelo poder político. Não esperemos que hoje aconteça de forma diferente. Não foi por causa disso que os seguidores de Jesus deixaram de viver em função dos valores do amor aos próprios inimigos, retribuindo o bem ao mal que lhes era infligido. O sangue dos mártires potenciou o crescimento qualitativo e quantitativo da Igreja. Fomentar uma guerra religiosa não está dentro dos parâmetros da fé que provém de Jesus Cristo, nem sequer nos deixar enganar ou iludir com ela. Compete-nos esclarecer, explicar de modo inteligente, sábio, amistoso mais do que atacar quem não crê em Quem nós cremos. Embora devemos cultivar uma postura esclarecida e rigorosa sobre as várias correntes religiosas não devemos generalizar e colocar tudo no mesmo saco, porque nem todos os que professam uma determinada religião são terroristas ou intolerantes. 


 Julgo que em relação ao poder político seja ele central ou local não podemos embarcar na lógica de que se não nos dão a nós também não devem dar a outros, mas no mínimo que nos concedam o que disponibilizam a outros, tendo em consideração que a nossa profunda fragmentação é um obstáculo muito sério à equidade neste como noutros domínios. Uma linguagem desbragada não condiz com o espírito e a letra do evangelho de Jesus Cristo e muito menos a defesa da restrição ou anulação da liberdade religiosa em relação a determinados grupos religiosos ou a perseguição por motivos religiosos sem confundir esta postura com a legítima ação do Estado de oposição, contenção e repressão pelas vias legais de todos os incentivos à violência e ao terrorismo. 


 Mantenhamos sempre no nosso coração as palavras de Jesus: "Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus. Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem e vos perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós. Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; pois assim perseguiram aos profetas que viveram antes de vós." (Mateus 5:12)

 

Samuel R. Pinheiro

 

Actualidades

“A importância de ser mórmon”

04-11-2012 20:04
Como a confissão religiosa de Mitt Romney pode influenciar as eleições americanas               Pela primeira vez na história, os americanos têm hipótese de eleger um mórmon para a Casa Branca. Este aspeto da candidatura de Mitt...

“Grécia Um país à beira da rutura”

19-09-2012 23:33
              “No quinto ano de recessão consecutiva, o desemprego na república helénica poderá chegar em breve ao limite do suportável: quase 30%” (Revista Visão, 13 de setembro de 2012, p....

‘Pensava-se que metade dos genes não servia para nada’

19-09-2012 23:31
              “Agora sabe-se que pelo menos 85% têm um papel. Percebeu-se, por exemplo que alguns genes têm uma função reguladora do funcionamento de outros genes.” (Revista Visão, 13 de setembro de 2012, p. 16, João...

Testamento vital. Até ao fim do ano, médicos terão acesso informático à última vontade dos doentes.

19-09-2012 22:47
                  “Não vou admitir que outros decidam sobre a minha morte” (Jornal Expresso, 15 de setembro de 2012, pp. 24, 25)             O prolongamento...

“A arte despediu-se de Deus?”

19-09-2012 22:43
                “D. Manuel Clemente – Uma certa estilização faz parte do caminho da vida e da religião. Álvaro Siza Vieira – Há na hierarquia da Igreja algum receio da arte contemporânea.” (Jornal Expresso – Primeiro Caderno, 15...

“Política sacrificial”

19-09-2012 18:37
              “Conheci teologias que apresentavam e justificavam divindades que exigiam sacrifícios humanos. Algumas atreveram-se a fazer, da própria crucificação de Jesus Cristo – um crime político preparado por instâncias religiosas...

"O MISTÉRIO DOS RELATOS SOBRE O CÉU"

12-09-2012 17:47
“Quatro portugueses que estiveram à beira da morte descrevem como viram o céu”               “Há todos os anos mais de duas mil situações clínicas de quase morte em Portugal. E os livros sobre pessoas que dizem ter visto o céu...

"Que futuro?"

09-09-2012 23:48
              ”O mundo vai mal. Mesmo – ou sobretudo – em matéria ambiental. O clima, os tufões, as calamidades, como os terramotos, a lixeira dos oceanos, o aquecimento da terra… (…)” “A globalização desregulada, a economia virtual,...

"A divina partícula”

02-09-2012 20:57
                        "Sem esgotar as possibilidades, pode ver-se nela [partícula de Deus] uma analogia entre a descrição popular das características do instável e esquivo bosão de...

“A salvação é para muito ou para todos?”

02-09-2012 20:56
              "(…) saber se o ritual da missa católica deve dizer que a salvação de Jesus é ‘para muitos’ ou ‘para todos’. (…) Uma tese que retoma o que o então cardeal Ratzinger escrevia em 2000, na declaração Dominus Iesus: dizer que...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>

Como seguidores de Jesus somos cidadãos daqui e do além...

Aqui temos responsabilidades sociais, culturais, políticas... o espiritual é transversal a toda a vida do discípulo de Jesus!

O texto bíblico é isso que nos desvenda e exige.

Por isso aqui deixamos alguns links de reflexão no respeito pelas necessárias sensibilidades diversas que em Cristo nunca podem incluir a indiferença perante a pobreza, a miséria, o desamparo, a discriminação, a desigualdade de lázaros e ricos na imagem da história que o Mestre contou, a usura dos que vivem fazendo dinheiro do dinheiro deixando à míngua alguns muitos para que muito poucos vivam no esbanjamento.

 

"Apenas acrescentaram um pedido: que nos lembrássemos dos pobres, o que é meu desejo profundo." (Gálatas 2.10 - "A Mensagem" de Eugene H. Peterson, Editora Vida)

"Arrumem um emprego decente, até mesmo para poder ajudar os que não têm condições de trabalhar." (Efésios 4.28 - "A Mensagem" de Eugene H. Peterson, Editora Vida)

"Uma palavra final para vocês, ricos arrogantes: comecem a chorar. Preparem baldes para as lágrimas que irão derramar quando a calamidade chegar. O dinheiro de vocês é pura corrupção, e suas roupas de marca cheiram a podridão. O luxo de vocês é um câncer que corrói por dentro. Vocês pensam que estão ajuntando riquezas, mas o que estão acumulando é juízo divino.

Todos os trabalhadores que vocês exploram e enganam clamando por justiça. As queixas dos que vocês prejudicaram e manipularam ressoam nos ouvidos do Senhor, o Vingador. Vocês saqueiam a terra e se sentem bem com isso. Mas, no fim de tudo, morrerão como todo mundo, apenas muito mais gordos. De fato, tudo que vocês fazem é condenar e matar gente boa e indefesa, que não oferece resistência." (Tiago 4.1-6 - "A Mensagem" de Eugene H. Peterson, Editora Vida)

 

Existem muitos outros enunciados bíblicos que não nos podem deixar em silêncio e de braços cruzados.

 

LINHAS CRUZADAS

"INFOTRÁFICO"

05-12-2015 23:35
"INFOTRÁFICO quando apresa somos nós" (revista VISÃO, 22 outubro 2015, pp. 50-60)                 "A sua intimidade está a ser caçada a cada segundo, byte a byte. A ser vendida e usadacontra si. Escondidas na matrix, e sem...

"UM MUNDO PIOR?"

05-12-2015 23:33
"UM MUNDO PIOR?" (revistaVISÃO, 22 de outubro de 2015, p. 26)                "Todos os dias - a todos os minutos - somos inundados com histórias de desgraças.Fome, guerra, pobreza. A julgar pelas notícias, achamos que o...

“O sétimo céu dos poderosos”

01-05-2013 18:14
                  “Na mitologia religiosa, o paraíso seria a recompensa dos puros. No cosmos mais terra a terra do capitalismo, paraíso fiscal é um sítio onde os muito ricos ambicionam ter uma caixa postal. E, ao...

Dignidade, democracia e patriotismo

09-03-2013 13:35
“A mãe de todas as mensagens das manifestações do passado fim de semana foi a afirmação da vida contra a morte. Uma afirmação com três nomes: dignidade, democracia e patriotismo. E uma canção onde coube todo o País exceto o Governo. Sentindo um perigo e uma ameaça viscerais, os portugueses...

"A VIDA ACIMA DA DÍVIDA"

09-03-2013 13:08
“Cerca de 20% da receita fiscal vai para pagar juros (por cada 100 euros, 20 vão para os credores); pagamos em juros mais do que gastamos com a Educação (108%) e 86% do que gastamos com a Saúde, os juros representam 15% da despesa efetiva total do Estado; a política de austeridade aniquila os...

Nem tudo está perdido

12-01-2013 00:48
(...) Só o Estado providência forte torna possível a sociedade providência forte (pais reformados com pensões cortadas deixam de poder ajudar os filhos desempregados, tal como filhos desempregados deixam de poder ajudar os pais idosos doentes). A filantropia e a caridade são politicamente...

Uma verdadeira catástrofe

12-01-2013 00:40
"A situação geral do País em vez de melhorar, como o Governo promete e todos desejaríamos, tem vindo a degradar-se e basta ter os olhos abertos para comprovar o alastramento de uma verdadeira catástrofe" (Mota Amaral, deputado do PSD) - revista VISÃO, 10 de janeiro de 2013, p. 23

“Caridade e solidariedade”

03-01-2013 00:20
            “(…) o problema da pobreza – e dos deveres do Estado perante ela – foi (como quase tudo) equacionado por Platão e Aristóteles: o primeiro, totalitário, defendeu a abolição da propriedade privada; o segundo, “pluralista”,...

O ROUBO DO PRESENTE

02-01-2013 23:55
"Nunca uma situação se desenhou assim para o povo português: não ter futuro, não ter perspetivas de vida social, cultural, económica, e não ter passado porque nem as competências nem a experiência adquiridas contam já para construir uma vida. Se perdemos o tempo da formação e o da esperança foi...

QUE FAZER NESTE LONGO NAUFRÁGIO?

08-12-2012 00:21
                Os portugueses estão entregues a si próprios. O mesmo ocorre com os outros europeus, sobretudo os dos países intervencionados. Mas, mesmo os alemães e os finlandeses, embora não sabendo ainda, também não...
1 | 2 | 3 >>

Perguntas inquietantes

O DIREITO À INDIGNAÇÃO

05-03-2013 12:55
"Quem avalia a troika?, apetece perguntar agora que os troikanos voltaram para a avaliação que se diz ser a mais importante." (VISÃO, 28 de fevereiro a 6 de março, p. 31, José Carlos de Vasconcelos) Pergunto eu: quem é que vai pagar os erros das medidas erradas assumidas e implementadas "custe o...

E bom senso q.b. no bolo da crise?

12-01-2013 01:04
"O problema desta política é que o Governo parece fazer sempre questão de acrescentar uma última gota de água àquilo que já é doloroso e dificilmente suportável, reincidindo numa insensibilidade política verdadeiramente incompreensível. O problema não está nas linhas gerais, está nos acrescentos,...

OS BANCOS E AS FAMÍLIAS

12-01-2013 00:45
"por que há dinheiro para resgatar bancos e não há dinheiro para resgatar famílias?" (revista VISÃO, "Nem Tudo Está Perdido", Boaventura de Sousa Santos, p.19)

ATÉ ONDE SE PODE "VIVER COM MENOS"?

22-11-2012 11:16
É importante saber até que ponto pode o país empobrecer sem cair no risco da consulsão social. (Editorial do Jornal Público, 18 de novembro de 2012, p. 2)   Este debate e ponderação pode ter a sua virtude, mas mais importante é debater até que ponto é lícito que estejamos a pagar...

"ESTADO POUPA, HOSPITAL CORTA, DOENTE SOFRE"

08-11-2012 08:56
"Por causa da austeridade, as listas de espera nas ciruegias voltaram a crescer, os hospitais passaram a usar material de pior qualidade e alguns chegam até a recusar tratamento aos pacientes. Estará a saúde pública em risco, perante a necessidade de fazer o mesmo com menos dinheiro? É possível...

"PORTUGAL TORNOU-SE UM SUSTO"

02-11-2012 00:05
"Porque deve pagar a mesma taxa uma pessoa que tem uma casa de 40 mil euros e outra que tem uma casa de meio milhão? E porque não fazemos a mesma coisa no IRC? Porque deve uma tabacaria pagar a mesma taxa de IRC que uma empresa (há 319 em Portugal) que tenha lucros de mais de 75 milhões de...

"ENORME SACRIFÍCIO, ZERO PROPÓSITO"

25-10-2012 12:17
Algumas perguntas superiormente colocadas por Pedro Camacho, Diretor da revista Visão (18 de outubro de 2012, p. 36).   Esta proposta de Orçamento, mesmo que não chegue ao fim, fica para a História como um rol invejável de recordes. Um deles, talvez o mais impressionante, está na...

"Eles Pensam?"

17-10-2012 22:37
Faço minha a pergunta de Miguel Sousa Tavares no Expresso de 5 de outubro de 2012, pág. 7 - "Gostaria de fazer a Passos Coelho a mesma pergunta que há muito tempo fiz a outro primeiro-ministro, Cavaco Silva, o iniciador de todo este desastre: de que viverá Portugal daqui a dez anos, daqui a uma...

Afinal há mais?

04-05-2012 00:21

A falta de vergonha e a hipocrisia não têm limites?

03-05-2012 00:21
Resta-nos a náusea?    
1 | 2 >>

TEXTOS ESCOLHIDOS

Obrigado, sr. ministro!

21-09-2011 23:56
Não tenho por hábito demorar-me na actualidade política, mas tenho a consciência de que estamos a bater no fundo. A hipocrisia e o legalismo denunciados por Jesus em relação ao sistema religioso, permeia a sociedade. A desigualdade é obscena. A corrupção grassa. Por isso não...

Contatos

PESSOAL

Apresentação

19-01-2010 21:29
Nasci a 8 de agosto de 1956. Fiz 60 anos em 2016. Sou casado com Isabel Pinto Pinheiro há 33 anos (23 de julho 2016), e tenho uma filha com 23 anos (13 de julho 2016), Ana Pinto Pinheiro. A referência essencial da minha vida é Jesus Cristo. Ele é o meu tudo embora eu esteja muito longe...

LINKS

Página pessoal

20-01-2010 15:37
www.samuelpinheiro.com Página em que pode encontrar uma selecção de textos relacionados com comunicações, seminários, conferências e livros publicados.

Conhecer Deus

26-03-2010 08:55
É perfeitamente possível conhecer Deus, experimentando o Seu amor todos os dias.

  

 

  

Pensamentos

"A TRAVESSIA"

01-05-2014 15:44
                Do mesmo autor do livro quefoi best-seller "A Cabana", como romance colocou-me a questão, talvez pelaprimeira vez no contexto evangélico, se existem limites que devem observar-sena ficção quando se tem em...

"A Igreja Desviada"

03-09-2012 00:06
O último livro destas férias de verão. "Um chamado urgente para uma nova reforma". Charles Swindoll, no livro "A Igreja Desviada" faz uma citação do falecido Richard C. Harverson, ex-capelão do senado dos EUA: "No início a igreja era uma comunidade de homens e mulheres centrada no Cristo vivo....

"O Que Jesus Espera de Seus Seguidores"

03-09-2012 00:04
50 mandamentos de Jesus sistematizados a partir dos evangelhos. Da autoria de John Piper e publicado pela Editora Vida. Ao longo de 413 páginas o autor traz-nos de volta ao essencial da vida prática em Jesus Cristo.

"Deus é o Evangelho"

02-09-2012 23:56
Da autoria de John Piper é "um tratado sobre o amor de Deus como oferta de Si mesmo", numa publicação de editora Fiel. Um livro sobre o cerne da fé que vem da Bíblia - a Palavra de Deus. Um livro profundo que nos compele a centrarmo-nos em Deus.

"A Vida É Como a Neblina"

02-09-2012 23:54
Publicado pela editora Mundo Cristão e da autoria de John Piper. A vida aqui é fugaz, mas em Jesus Cristo temos uma vida que não acaba, uma vida que pernanece eternamente.

"20 Evidências de que Deus Existe"

02-09-2012 23:46
"Descubra por que crer em Deus faz tanto sentido". Da autoria de Kenneth D. Boa & Robert M. Mowman Jr., foi publicado pelo CPAD. Na minha ânsia de alcançar uma argumentação sólida sobre a fé que provém de Jesus Cristo, e cada vez mais convicto de que Ele é a razão das razões, a razão...

"Por Que a Ciência Não Consegue Enterrar Deus"

26-02-2012 19:20
Acabei de ler um livro que sugiro a quem interesse a relação entre a fé bíblica e a ciência - "Por Que a Ciência Não Consegue Enterrar Deus", da autoria de John C. Lennox da Universidade Presbiteriana Mackenzie, e editado pela Mundo Cristão. O autor tem mantido dbates com o ateu militante Richard...

Paixão pela Verdade

03-01-2011 23:19
  Com o subtítulo "a coerência intelectual do evangelicalismo", o autor - Alister McGrath, aborda a essência do pensamento evangélico. Publicado pela Shedd Publicações, o tema desenvolve-se em 239 páginas. Aqui ficam alguns pensamentos: "Para os cristãos, Jesus é a personificação e a...

Teologia para Amadores

03-01-2011 23:09
  Da autoria de Alister McGrath, que também escreveu o livro O Delírio de Dawkins, e que tem mantido debates públicos com o conhecido ateu e evolucionista. O livro tem 68 páginas, mas leva-nos a considerar aspectos essenciais da reflexão sobre a fé cristã e a sua fonte - a Palavra de...

Chamados para dor e alegria

26-07-2010 18:44
  Acabei de ler este livro da autoria de Ajith Fernando, publicado pela Editora Vida Nova, sobre o valor do sofrimento para a vida cristã. Uma citação como amostra: "Se de facto soubéssemos aferir o valor de ajudar as pessoas a prepararem suasmoradas eternas, veríamos que valeu a pena o custo...
1 | 2 >>

FILMES

A vida de PI

16-01-2013 01:28
Um dos últimos filmes que vi em 2012. Interessante como o tema da espiritualidade, de Deus, do sentido da vida, marca a produção cinematográfica. Paira no filme o pluralismo religioso mas, para mim, o mais interessante, reside na essência do argumento de quem tem uma história que pode levar quem...

Brave

02-09-2012 21:08
Começa com uma mensagem claramente panteísta - o homem faz parte da terra, muito ao jeito da nova era pós-moderna. Termina coma  exaltação da rebeldia. Para se construir o destino é preciso cultivar uma vontade indomável. Uma mensagem perigosa.

Ice Age 4

02-09-2012 21:04
Uma produção espetacular. É incrível o que se consegue fazer com os meios tecnológicos disponíveis e a criatividade dos artistas envolvidos. Um argmento que retoma a importância dos valores tradicionais da família na formação das novas gerações. A rebeldia dos filhos pode esconde uma...

Madagáscar 3

02-09-2012 20:58
Um dos três filmes de banda desenhada destas férias vistos em família. A criação das figuras é fantástica. Das ideias que retive saliento a de que as mudanças só podem acontecer em articulação e com a colaboração dos que mais velhos.

AMIGOS IMPROVÁVEIS

03-05-2012 00:34
Fantástico acima de tudo por ser baseado numa história verídica. O ser humano ainda nos surpreende com gestos e relacionamentos inesperados de generosidade. A história de um tetraplégico milionário que redescobre a vida, a amizade e o amor através de um negro sem eira nem beira. Um...

Cavalo de Guerra

26-02-2012 19:21
Mesmo nos momentos mais tenebrosos da guerra (1ª guerra mundial) existem gestos de amor, generosidade, dádiva, entrega, pacificação. Tocou-me a expressão de uma esposa em relação ao marido que tentava afogar na bebida os fantasmas a sua passagem pelos campos de combate, e que também não era...

A Invenção de Hugo

22-02-2012 18:03
Diferente... uma alegoria bem consegida. Se o mundo é uma máquina nenhum de nós é uma peça sobresselente. Como cristão não vejo o mundo como uma máqina, mas à luz da revelação todos nós somos especiais, todos temos um propósito definido, único e singular, todos temos um desígnio...

O Jogo de Sombras - Sherlock Holmes

18-02-2012 22:43
O conflito latente no coração do homem é a fonte de lucro do negócio da guerra, que está sempre preparado para faturar. Ouvi uma vez um político português de grande destaque confessar que se no mundo acabassem o tráfico de armas, de droga e do sexo, a economia global...

A Dama de Ferro

18-02-2012 21:41
Um filme com um desempenho soberbo de Meryl Streep. Dá a conhecer o período da velhice de Margaret Tatcher e as alucinações que sofreu com o marido depois do seu falecimento. Julgo que não existe qualquer indício que aponte para uma linha espírita, mas para um problema de saúde mental certamente...

A Árvore da Vida

10-09-2011 13:03
Um dos melhores filmes que já vi. Começa com um texto do livro de Jó. Desenvolve-se a partir de uma série de interrogações existenciais que deflagram no coração e na cabeça de um personagem depois da morte do seu irmão. As peripécias da educação, os conflitos familiares, as exigências e as...
<< 2 | 3 | 4 | 5 | 6 >>